Pedidos de asilo na UE aumentaram quase 30% na primeira metade de 2023 - TVI

Pedidos de asilo na UE aumentaram quase 30% na primeira metade de 2023

  • Agência Lusa
  • BC
  • 5 set 2023, 07:28
Refugiados esperam ao frio para passar fronteira na Polónia (Associated Press)

Sírios, afegãos, venezuelanos, turcos e colombianos são os principais requerentes de asilo na União Europeia

Os pedidos de asilo registados nos países da União Europeia (UE), Noruega e Suíça aumentaram 28% na primeira metade de 2023, em comparação com o mesmo período do ano passado, anunciou esta terça-feira a UE.

Cerca de 519 mil pedidos de asilo foram apresentados nos 29 países entre janeiro e o final de junho, referiu a Agência da União Europeia para o Asilo (EUAA, na sigla em inglês), estimando que, “com base nas tendências atuais, os pedidos poderão ultrapassar um milhão até ao final do ano”.

Sírios, afegãos, venezuelanos, turcos e colombianos são os principais requerentes, correspondendo a 44% dos pedidos.

Os pedidos atingiram o nível mais alto para uma primeira metade de um ano desde 2015-2016.

Em 2015-2016, durante uma vaga de refugiados que chegou à Europa, nomeadamente devido à estagnação da guerra civil na Síria, o número de pedidos de asilo atingiu 1,3 milhões, em 2015, e 1,2 milhões, em 2016. Em 2022, a Europa registou 994.945 pedidos.

A Alemanha é o país que recebeu mais pedidos: 30% do total, quase o dobro da Espanha (17%) e de França (16%).

O relatório revelou que Portugal recebeu 2.115 pedidos, o número mais elevado de sempre na primeira metade de um ano.

A EUAA sublinhou que, devido a este aumento, muitos países europeus “estão sob pressão para tratar os pedidos” e que o número de processos que aguardam decisão aumentou 34% face a 2022.

Cerca de 41% dos pedidos obtiveram uma resposta positiva na primeira instância.

Além disso, cerca de quatro milhões de ucranianos que fugiram da invasão russa beneficiam atualmente de proteção temporária na UE, sublinhou a agência.

Continue a ler esta notícia