“Em momentos de êxtase não nos é permitido tudo. As pessoas devem tirar consequências do que fazem”: presidente da Liga de Futebol portuguesa reage ao caso Rubiales - TVI

“Em momentos de êxtase não nos é permitido tudo. As pessoas devem tirar consequências do que fazem”: presidente da Liga de Futebol portuguesa reage ao caso Rubiales

  • Agência Lusa
  • PF
  • 30 ago 2023, 15:11
Pedro Proença

Rubiales recusou demitir-se e foi afastado de funções por intervenção externa, nomeadamente da FIFA

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, afirmou esta quarta-feira que é preciso “tirar consequências” do comportamento do presidente da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF), Luís Rubiales, na final do Mundial feminino.

O dirigente abordou o caso durante a entrega de uma certificação da Sport Integrity Global Aliance (SIGA) em matéria de boa governança no desporto, nas instalações da LPFP em Oeiras, em relação ao polémico beijo de Rubiales à futebolista Jenni Hermoso.

“Quando assumimos determinadas funções na nossa vida, temos de assumi-las com a capacidade de perceber que, em determinados momentos, não podemos praticar determinados atos. Acho que as pessoas devem tirar consequências do que fazem. Mesmo em momentos de êxtase, não nos é permitido tudo”, considerou o dirigente.

No centro da polémica está o acontecimento de 20 de agosto, quando, no final do jogo que consagrou a seleção feminina espanhola campeã do mundo de futebol, em Sydney, na altura da entrega dos prémios, o presidente da RFEF beijou na boca Jenni Hermoso.

Após os acontecimentos em Sydney, seguiram-se inúmeras críticas a Rubiales, tendo a jogadora Jenni Hermoso afirmado que não tinha consentido o beijo, ao contrário daquilo que garante o presidente da federação.

Depois de vários dias com muitas críticas por diversos setores da sociedade, a RFEF realizou, na sexta-feira, uma Assembleia Geral Extraordinária, na qual era esperado o pedido de demissão de Rubiales, que, no entanto, garantiu, mais do que uma vez, que não iria abandonar o cargo.

Seguiu-se um novo pico de contestação e extremar das posições, com as jogadoras da seleção a anunciarem não estarem disponíveis para voltar a representar Espanha, enquanto os atuais dirigentes da RFEF se mantiverem nos cargos.

No sábado, a FIFA anunciou a suspensão de Rubiales do cargo por 90 dias, e 11 membros da equipa técnica do selecionador, Jorge Vila, apresentaram a dmissão. Por seu lado, o técnico condenou o "comportamento impróprio" do presidente da RFEF e o Governo espanhol anunciou uma denúncia ao Tribunal Administrativo do Desporto (TAD).

Caso o tribunal considere que as infrações são “muito graves”, então o Conselho Superior do Desporto convocará o seu comité executivo para dar início à suspensão de Rubiales.

Continue a ler esta notícia