Lloyd Austin, secretário de Defesa dos EUA, novamente hospitalizado - TVI

Lloyd Austin, secretário de Defesa dos EUA, novamente hospitalizado

  • CNN Portugal
  • CM
  • 11 fev, 21:37
Lloyd Austin (Maya Alleruzzo/AP)

Ao contrário do que aconteceu na primeira hospitalização, e que tanta polémica causou, uma vez que o próprio presidente Joe Biden só foi informado vários dias depois, desta vez o Pentágono informou de imediato a situação clínica do responsável máximo da Defesa

Relacionados

O secretário de Defesa norte-americano está novamente hospitalizado, informa o Pentágono. Lloyd Austin, diagnosticado com cancro na próstata, foi internado este domingo "devido a sintomas que sugerem um problema urinário emergente", disse a Defesa dos EUA em comunicado.

"Neste momento, o secretário mantém as funções e deveres do seu cargo", informou o major-general Pat Ryder, porta-voz do Pentágono. "O secretário adjunto está preparado para assumir as funções e deveres do secretário da Defesa, se necessário. O secretário Austin viajou para o hospital com os sistemas de comunicação não classificados e classificados necessários para o desempenho das suas funções."

Ao contrário do que aconteceu na primeira hospitalização, e que tanta polémica causou, uma vez que o próprio presidente Joe Biden só foi informado vários dias depois, desta vez o Pentágono informou de imediato a situação clínica de Lloyd Austin.

O responsável máximo pela Defesa dos Estados Unidos, e segundo na linha de comando do exército, foi submetido a uma cirurgia invasiva a 22 de dezembro, depois de um laboratório ter confirmado o diagnóstico, anunciou o Walter Reed National Military Medical Center.

Lloyd Austin acabou por ser internado a 1 de janeiro por causa de uma infeção no trato urinário, na sequência daquela mesma cirurgia.

A clínica onde o político está a ser tratado refere que estão a ser feitos progressos e que se espera uma recuperação total, ainda que o processo deva decorrer lentamente.

Lloyd Austin nunca perdeu a consciência e nunca teve de ser submetido a anestesia geral durante o procedimento de 2 de janeiro. Os sintomas do pós-operatório incluíram, entre outros, náuseas com dores abdominais, e dores na anca e perna.

A hospitalização do secretário da Defesa permaneceu secreta, até do presidente dos Estados Unidos, durante vários dias. Só ao fim de quase uma semana é que Joe Biden foi informado do caso.

Questionado sobre o porquê do secretismo em torno do diagnóstico, o porta-voz do Pentágono disse que se tratava de uma situação "profundamente pessoal". 

Continue a ler esta notícia

Relacionados