Os esquemas online para "perder peso rapidamente" não funcionam. Em vez disso, o Dr. Mike oferece estas 5 dicas - TVI

Os esquemas online para "perder peso rapidamente" não funcionam. Em vez disso, o Dr. Mike oferece estas 5 dicas

  • CNN
  • Andrea Kane
  • 3 abr, 10:52
Exercício físico (Getty Images)

Se o anúncio online parece demasiado bom para ser verdade, então desconfie

A 9ª temporada do podcast da CNN Chasing Life With Dr. Sanjay Gupta explora a interseção entre o peso corporal e a saúde. Aprofundamos um vasto leque de tópicos, incluindo as razões evolutivas que explicam porque é que perder peso é tão difícil, tal como é falar com as crianças sobre o peso. Pode ouvir aqui
 

A Internet e as redes sociais estão repletas de truques de marketing: é difícil navegar na web ou percorrer plataformas como o Instagram, o Facebook ou o TikTok sem que apareça uma série de anúncios à esquerda, à direita e ao centro sobre o que acabou de ver. Os cookies e os algoritmos (e outros truques do comércio) seguem os utilizadores online por todo o lado.

O bombardeamento parece particularmente impiedoso se estiver a pesquisar "perder peso" ou "comer de forma saudável" ou a ver qualquer reportagem, história ou vídeo adjacente. Os anunciantes e os influenciadores estão ansiosos por atrair a sua atenção para um produto, protocolo ou procedimento. Por vezes, o que é prometido parece poder, talvez, funcionar - mas como é que se pode realmente saber se é legítimo? Que conselho deve seguir?

Mikhail Varshavski tem como missão desmascarar a desinformação médica e educar as pessoas. Mais conhecido como Dr. Mike, é um médico de medicina familiar em Chatham, Nova Jérsia, EUA, que partilha os seus conhecimentos com milhões de seguidores no YouTube e nas redes sociais. Os chamados "vendedores de óleo de cobra" e as suas curas milagrosas duvidosas não são novidade, diz Mikhail Varshavski; chama-lhes especialistas "Eu sei tudo", um termo que cunhou numa TED Talk de 2017.

Mikhail Varshavski é conhecido como Dr. Mike nas redes sociais foto DM Operations Inc.

"Penso que não se trata de um fenómeno novo. Ponce de León andava à procura da fonte da juventude há muitos anos e, no entanto, continuamos a fazê-lo até hoje", disse recentemente o Dr. Mike ao correspondente médico chefe da CNN, Sanjay Gupta, no podcast Chasing Life. "Só acho que as estratégias mudaram porque temos essa nova ferramenta adicional de media social da qual tradicionalmente os médicos, que são baseados em provas, se esquivam."

O Dr. Mike diz que os especialistas do "Eu Sei Tudo" (EST) e os seus produtos demasiado bons para serem verdadeiros florescem na zona cinzenta - onde a ciência ainda não tem respostas claras - e os media sociais e a Internet amplificam as suas vozes.

"Foi uma excelente oportunidade para os especialistas do EST chegarem e afirmarem que têm todas as respostas. E isso é, na verdade, apenas uma forma de pirataria de confiança através da confiança em massa, como se eles soubessem o que se está a passar connosco", diz o Dr. Mike.

"Isso contrasta com o que um médico é treinado para fazer: nós chegamos e não afirmamos saber o diagnóstico exato. Criamos um diagnóstico juntamente com um diferencial de outras opções. Quando recomendamos o tratamento, podemos dizer que funciona numa percentagem X do tempo. Mas estes especialistas do EST dizem 'sei o que se passa consigo, sei que isto vai funcionar para si, tome a minha poção milagrosa'. E isso vende muito, muito bem."

Para ouvir mais da conversa do Dr. Mike e saber porque é que certas abordagens à perda de peso que parecem "não fazer mal, podem ajudar" - como os chás para a barriga, as dietas da moda e as limpezas do cólon - podem ser realmente perigosas, ouça o podcast em baixo.

Com tanta desinformação a flutuar na Internet e nas redes sociais - especialmente em torno do tema da perda de peso -, o que se pode fazer para nos certificarmos de que não estamos a entrar numa toca de coelho mal aconselhada? O Dr. Mike tem estas cinco dicas.

Não acredite na moda da perda de peso rápida

Se parece demasiado bom para ser verdade, provavelmente é.

"Não confie em 99% das coisas que vê nas redes sociais; seja um cético saudável. É assim que gosto de o dizer", afirma o Dr. Mike, referindo que existem muitas fontes de informação - tanto governamentais, como o FoodSafety.gov dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA, como académicas, como o site da Harvard Medical School - que são de confiança (esses sites geralmente terminam em ".gov", ".edu" e ".org").

"Havia um anúncio engraçado - esqueci-me do que era, creio que era de seguros - e havia uma mulher que ia sair com um cavalheiro e ele mentia completamente no seu perfil. E ele dizia, tipo, 'confia sempre no que vês na Internet'. E é muito isso que sinto em relação aos suplementos online e às pessoas que falam sobre suplementos online: se parecer demasiado bom para ser verdade, permita que o cético interior o teste, quer fazendo uma pesquisa mais aprofundada por si próprio, se se sentir confortável, quer abordando o assunto na sua próxima consulta com o seu médico de família."

Prepare-se para o sucesso com as consultas médicas anuais

Por falar em médicos de cuidados primários, dê prioridade à construção de uma relação com um bom profissional de saúde.

"Essa é a maior dica que eu daria: criar um relacionamento duradouro com um médico de cuidados primários", diz o Dr. Mike, acrescentando que vê pessoas na faixa dos 20 e 30 anos a usar os cuidados urgentes como fonte de cuidados primários.

"Não é esse o objetivo dos cuidados urgentes. Não lhe vai dar bons resultados. Não se vai criar uma boa relação. Não vai obter os benefícios de ter uma relação longitudinal com um único prestador. Portanto, isso é importante."

O Dr. Mike diz que essa relação é especialmente importante quando se trata de perda de peso, porque "como é que se pode ajudar alguém a manter a perda de peso se não houver continuidade de cuidados? É, por definição, obrigatório para isso".

Evitar a visão limitada a uma única solução

Quando se trata de peso e perda de peso, há muitos fatores importantes envolvidos, por isso não caia na armadilha de ficar obcecado com um, seja ele a dieta certa, o alimento perfeito ou o suplemento obrigatório.

Deixe de pensar apenas em "o que posso tomar ou o que posso comer?" e "compreenda que há muitas outras coisas que afetam o seu peso", afirma o Dr. Mike.

"Por isso, dormir sete a nove horas de sono em adulto, durante as mesmas horas da noite, de forma consistente, é importante para um bom controlo do peso. Conseguir 150 minutos de atividade física de intensidade moderada vai ser importante."

O Dr. Mike também sugere fazer pequenos ajustes nos seus hábitos diários: saltar o elevador e usar as escadas; para distâncias curtas, deixar o carro na garagem e fazer recados a pé. "Estas coisas vão-se somando e, na verdade, levam-no a controlar melhor o seu peso."

Pense tanto no corpo como na mente

Quando se trata de peso, não subestime o papel da sua saúde mental.

"Certifique-se de que obtém ajuda quando se trata de problemas e preocupações de saúde mental", diz o Dr. Mike. "Porque se não estivermos num bom estado de saúde mental, é muito fácil fazer com que a comida se torne quase um autotratamento para a infelicidade ou para a ansiedade. E essas condições - tanto a depressão como a perturbação de ansiedade generalizada - são condições tratáveis, quer através de terapia, quer através de alguma medicação, se tal se justificar na sua condição.

"E pode nem sequer relacionar o peso com a saúde mental - mas esta desempenha um papel incrivelmente potente para o ajudar não só a atingir um peso saudável, mas também a manter um peso saudável."

Criar uma relação positiva com a comida que seja duradoura

Compreenda alguns princípios básicos sobre os alimentos que consome, para que, por exemplo, não vilipendie ou louve um único alimento ou ingrediente.

Por exemplo, o Dr. Mike disse que recentemente teve um convidado no seu podcast que tentou equiparar um beijo de chocolate a uma uva.

"Temos de pôr isso em perspetiva. Embora possamos compará-los com base no seu teor de açúcar, essa é uma forma de os categorizar", diz o Dr. Mike. "Mas se os compararmos com a quantidade de nutrientes valiosos para nós - como vitaminas, fibras, etc. -, as uvas são claramente mais saudáveis que o chocolate."

"Por isso, evite tentar simplificar demasiado a nutrição com estas regras rígidas e rápidas e, em vez disso, tente apenas compreender de uma forma geral como funcionam os alimentos. Quando não se é tão rigoroso e não se é tão rígido na forma de pensar sobre os alimentos, cria-se uma relação mais saudável e duradoura com os alimentos que lhe dará melhores resultados na manutenção de um peso saudável."
 

Esperamos que estas cinco dicas o ajudem a pensar mais claramente sobre a alimentação, o peso e o que vê ou ouve sobre eles na Internet. Ouça o episódio completo aqui. E junte-se a nós na próxima semana no podcast Chasing Life, quando explorarmos como as diferentes dietas (kdeto vs. baixo teor de gordura vs. vegan) e o momento em que comemos podem afetar o nosso peso e saúde

Jennifer Lai, da CNN Audio, contribuiu para este artigo

Continue a ler esta notícia