Crescimento e desenvolvimento das crianças estão a ser afetados por PFAS no sangue. Saiba onde estão estas substâncias químicas "eternas" - TVI

Crescimento e desenvolvimento das crianças estão a ser afetados por PFAS no sangue. Saiba onde estão estas substâncias químicas "eternas"

  • CNN
  • 25 mar 2023, 16:00
fast food (foto: marcel heil)

Relacionados

Os químicos potencialmente tóxicos encontrados em produtos de uso diário, incluindo embalagens de fast food, maquilhagem e tapetes, estão a alterar as vias hormonais e metabólicas necessárias para o crescimento e desenvolvimento humano, de acordo com um novo estudo.

Os investigadores analisaram amostras de crianças, adolescentes e jovens adultos, todos com uma mistura de diferentes compostos sintéticos chamados perfluoroalquil e polifluoroalquil – ou PFAS – no sangue, incluindo PFOS, PFOA, PFHxS, PFNA, PFHpS e PFDA. 

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos anunciou recentemente regras históricas que controlam rigorosamente os níveis de vários destes produtos químicos na água potável. 

"A exposição a uma combinação de PFAS não só interrompeu o metabolismo de lípidos e aminoácidos, como também alterou a função hormonal da tiroide nas crianças", disse o principal autor do estudo, Jesse Goodrich, professor assistente de ciências populacionais e de saúde pública na Keck School of Medicine da Universidade do Sul da Califórnia. 

Para que as crianças se desenvolvam adequadamente, a tiroide produz duas hormonas fundamentais que desempenham um papel importante no controlo da tensão arterial e na forma como o corpo produz e utiliza proteínas, gorduras e hidratos de carbono, sublinhou a Mayo Clinic. Estes mensageiros químicos "afetam todas as células do corpo", de acordo com o site. 

Os aminoácidos são necessários para produzir enzimas, hormonas, proteínas e outras moléculas necessárias, enquanto os lípidos controlam a forma como as vitaminas são armazenadas, auxiliam na produção hormonal e regulam a forma como a gordura é transformada em energia e utilizada ou armazenada. 

"Este estudo está a fazer uma análise aprofundada sobre como a exposição às PFAS não afeta apenas os níveis hormonais em humanos, mas também diferentes vias metabólicas", disse David Andrews, cientista do Environmental Working Group, um grupo de defesa que criou um mapa nacional de locais contaminados com PFAS. 

"As alterações nestes marcadores metabólicos podem ser indicativas de uma série de diferentes resultados de saúde no futuro para as crianças, como maior suscetibilidade à obesidade, resistência à insulina, aumento do risco de doença hepática gordurosa e potencialmente cancro", alertou Andrews, que não esteve envolvido no estudo. 

A investigação, publicada na revista Environmental Health Perspetives, também fez uma descoberta única: os resultados mostraram que uma combinação de seis PFAS teve um impacto maior no metabolismo e na função hormonal do que qualquer um deles sozinho. 

"Isto é importante porque a maioria das pessoas tem uma mistura de produtos químicos no sangue", observou Goodrich. "Acreditamos que nenhum outro estudo analisou essa mistura de produtos químicos em crianças e como ela afeta as vias metabólicas." 

O que são PFAS?

Utilizadas desde a década de 50, as PFAS são substâncias químicas que a maioria dos americanos tem no sangue, de acordo com a agência federal Agency for Toxic Substances and Disease Registry, encarregada de proteger a população dos EUA de substâncias perigosas. 

Muitas vezes chamadas de substâncias químicas “eternas" porque não se decompõem facilmente no meio ambiente, as PFAS são usadas em embalagens de alimentos e copos de bebidas e tornam o papel resistente à gordura e à água. Também são usadas para fazer tapetes, roupas e móveis resistentes a manchas e a danos causados por água e gordura e em panelas antiaderentes, telemóveis, aviões comerciais e veículos com baixas emissões.

Algumas das PFAS mais estudadas, como o ácido perfluoro-octanossulfônico (PFOS) e o ácido perfluorooctanoico (PFOA), têm sido associadas a colesterol elevado, cancro renal e outros, colite ulcerosa, doença ou disfunção da tiroide e muitos outros problemas de saúde. 

A preocupação pública levou, em 2008, a um compromisso dos fabricantes de eliminar gradualmente a utilização destas duas substâncias químicas em produtos americanos. No entanto, "à medida que o PFOS e o PFOA são gradualmente eliminados e substituídos, as pessoas podem ser expostas a outras PFAS", observou a agência para as substâncias tóxicas e registo de doenças.

Os estudos estão agora a descobrir os mesmos impactos na saúde de algumas das versões mais recentes de PFAS, de acordo com as Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina, que exigem que as pessoas em maior risco, como grávidas, crianças e idosos, sejam testadas para um subconjunto de substâncias químicas PFAS. 

Devido à longa utilização por fabricantes fora dos Estados Unidos, as PFOA e PFOS ainda podem ser encontradas em produtos importados e no solo e água das comunidades americanas. 

Alterações que persistiram

Os investigadores utilizaram a espectrometria de massa de alta resolução para estudar o impacto de PFAS no metabolismo, disse a coautora Lida Chatzi, professora de ciências populacionais e de saúde pública na Keck School of Medicine da USC.

"As abordagens tradicionais medem uma substância química de cada vez", disse. "Esta tecnologia permite-nos medir todos os químicos que estão no sangue - mais de 10.000 - e obter uma visão muito detalhada do que está a acontecer no corpo."

Um conjunto de amostras de sangue veio de 312 crianças com excesso de peso ou obesas, entre 8 e 13 anos, que participaram no Estudo dos Adolescentes Latinos em Risco (SOLAR) no Sul da Califórnia, entre 2001 e 2012.

A grande maioria das crianças deste grupo não tinha entrado na puberdade, o que torna o impacto das PFAS no seu metabolismo ainda mais preocupante, argumentou Goodrich. 

"A puberdade é um momento crítico no desenvolvimento de muitos órgãos e tecidos", apontou, "por isso, o facto de estarmos a ver estas mudanças antes da puberdade pode estar a preparar terreno para muitas doenças no futuro". 

Outros 137 jovens adultos com idades compreendidas entre os 17 e os 23 anos que participaram no estudo da Southern California Metabolic and Asthma Incidence Research (Meta-AIR) também forneceram amostras de sangue entre 2014 e 2018.

Apesar do longo intervalo de tempo entre os dois grupos, o sangue de todos os 449 jovens mostrou sinais de alterações metabólicas devido à exposição a PFAS, ilustrando a extensa vida destas substâncias eternas”, disse Chatzi.

"Estas alterações metabólicas precoces da exposição ao PFAS persistem até à idade adulta", salientou Chatzi. "Os efeitos são os mesmos, embora as misturas de PFAS sejam diferentes, o que reforça a crença de que estes químicos precisam de ser proibidos na totalidade, em vez de um a um."

Estas alterações não poderiam derivar de outros processos no corpo?

"Sim, há outros fatores que estão associados a alterações semelhantes, como a idade, fatores socioeconómicos, massa corporal, estado pubertário e muito mais", disse Goodrich. "Tivemos todos estes fatores em consideração, a fim de fornecer provas adicionais de que as PFAS são o que realmente conduz a estas alterações." 

O que podem fazer pais e cuidadores? 

Existem formas de reduzir em casa a exposição às PFAS. Pesquise os níveis de PFAS no sistema público de água local, no casos dos Estados Unidos através da base de dados nacional de água da torneira do Environmental Working Group. Se os níveis forem preocupantes, os consumidores podem comprar um filtro de água para colocar na torneira — especialistas dizem que os filtros de osmose inversa são os mais fiáveis. A NSF, antiga National Sanitation Foundation, tem uma lista de filtros recomendados. 

Os especialistas sugerem que se evitem tapetes resistentes a manchas, estofos e sprays impermeabilizantes e utensílios de cozinha antiaderentes. Em vez disso, use produtos de ferro fundido, aço inoxidável, vidro ou esmalte. Veja nas etiquetas se têm politetrafluoretileno ou PTFE, ou outros ingredientes "fluoro" e evite-os.

Não coma pipocas de micro-ondas ou alimentos gordurosos embrulhados em papel e evite embalagens de take-away ou de outros alimentos. Em vez disso, cozinhe em casa e coma mais alimentos frescos. 

Produtos de maquilhagem e cuidados pessoais também contêm PFAS para condicionar, suavizar ou fazer com que a pele pareça brilhante. Comece por evitar cosméticos rotulados como "resistentes ao desgaste" ou de "longa duração, que um estudo de 2021 descobriu terem os níveis mais elevados de compostos PFAS. Escolha um fio dental não revestido de nylon ou seda ou um revestido com cera natural. Pode também consultar uma base de dados sobre produtos de cuidados pessoais com toxinas criada pelo Environmental Working Group.

Continue a ler esta notícia

Relacionados

EM DESTAQUE