Ataque de pitbulls mata bebé em Itália e deixa a mãe ferida - TVI

Ataque de pitbulls mata bebé em Itália e deixa a mãe ferida

  • Agência Lusa
  • PF
  • 22 abr, 17:20
Pitbull

De acordo com os relatos na imprensa, o menino estava ao colo da mãe quando, ao sair de casa, os cães arrancaram-no das mãos e atacaram-no

Um bebé de 15 meses morreu esta segunda-feira na cidade de Eboli, no sul de Itália, devido a um ataque de dois cães pitbull, que também feriu a sua mãe, embora não corra risco de vida, segundo a imprensa italiana.

De acordo com os relatos na imprensa, o menino estava ao colo da mãe quando, ao sair de casa, os cães arrancaram-no das mãos e atacaram-no.

No entanto, a tia e irmã da mãe do menor, Milena Santoro, disse não saber se a criança estava “nos braços da mãe ou nos braços de outra pessoa”, porque a princípio foi afirmado que estava com um tio.

“Os meus dois irmãos também estavam em casa, talvez ele estivesse nos braços de um deles”, disse Santoro, indicando que os cães não conheciam o menor e que pertenciam a um amigo da família.

O presidente da autarquia de Eboli, Mario Conte, afirmou que os serviços veterinários da cidade levaram os cães, que "não eram propriedade da família afetada”.

A Procuradoria de Salerno abriu uma investigação sobre os acontecimentos.

A principal associação de consumidores de Itália, Codacons, manifestou-se sobre o caso, exigindo “em voz alta a adoção de medidas para garantir a segurança dos cidadãos e limitar o fenómeno dos cães potencialmente perigosos”.

“Além do caso específico e da dinâmica que originou o ataque (…) não há dúvida de que existem raças de cães potencialmente perigosas para os humanos”, afirmou em comunicado.

Desde 2009, a Itália não possui uma lista oficial de cães potencialmente perigosos e, após 2013, o último ano em que foi aprovada legislação sobre o assunto, o dono é responsabilizado civil e criminalmente por danos ou lesões causadas a terceiros, bem como pela educação do animal.

Na Itália ocorrem 70 mil ataques de cães a pessoas todos os anos, segundo a Codacons, que afirma que, “independentemente da educação dada ao animal, é universalmente conhecido que algumas raças podem causar feridas letais em caso de mordidas”.

Nesse sentido, solicitou uma “licença obrigatória” para possuir cães potencialmente perigosos, uma vez que “a mordida de um lulu da Pomerânia não causa as mesmas feridas” que um pitbull, justificou a organização.

A Organização Internacional para a Proteção dos Animais (OIPA) também pediu em comunicado que “regulamentasse a posse de certos tipos de cães que, muitas vezes, são escolhidos por pessoas que não sabem como tê-los corretamente”.

“A nível local, alguns municípios, como Milão, regulamentaram a questão prevendo a concessão de licenças para a posse de determinadas raças”, lembrou a OIPA.

Continue a ler esta notícia