Porque é que a Ucrânia intensificou os seus ataques na Crimeia? - TVI

Porque é que a Ucrânia intensificou os seus ataques na Crimeia?

  • CNN
  • Christian Edwards
  • 14 set 2023, 22:00
Fumo sobre o estaleiro que foi atingido por um ataque de mísseis ucranianos em Sebastopol, na Crimeia, a 13 de setembro de 2023. Reuters

Último ataque aconteceu esta semana, numa base naval. Força Aérea ucraniana terá lançado dez mísseis Storm Shadow contra as instalações. O Storm Shadow, desenvolvido conjuntamente pelo Reino Unido e pela França, é um míssil de cruzeiro com capacidades furtivas, e está entre as armas de maior alcance no arsenal de Kiev

Relacionados

A Ucrânia intensificou os ataques com mísseis e drones na Crimeia nas últimas semanas, numa tentativa de desferir golpes estratégicos e simbólicos contra as forças russas que anexaram a península em 2014.

Na quarta-feira de manhã, Kiev lançou um ataque extensivo a uma base naval russa em Sevastopol, danificando um navio e um submarino e ferindo 24 pessoas, naquele que foi o seu ataque mais ambicioso ao porto desde o início da invasão em grande escala por Moscovo, em fevereiro de 2022.

Na noite seguinte, as defesas aéreas russas abateram 11 drones ucranianos sobre a Crimeia, de acordo com o Ministério da Defesa russo. O ministério também disse que cinco drones submarinos ucranianos, ou "barcos sem tripulação", foram destruídos numa tentativa de ataque no Mar Negro na quinta-feira.

As autoridades locais também foram forçadas a fechar a ponte de Kerch, que liga a península ao continente russo.

Embora os líderes de Kiev tenham insistido há muito tempo que continuam a ter a intenção de recuperar todos os territórios ocupados pela Rússia - incluindo a Crimeia - o aumento acentuado da atenção dada à península foi recebido com algum ceticismo por parte dos aliados, uma vez que a contraofensiva ucraniana luta para ganhar força nas linhas da frente.

Golpes estratégicos

A Ucrânia insiste que os ataques na Crimeia, que têm como alvo bases navais e navios russos, são parte integrante da sua estratégia de contraofensiva, destinada a tentar isolar a península e tornar mais difícil para a Rússia manter as suas operações militares no continente ucraniano, disse à CNN uma fonte ucraniana familiarizada com a estratégia.

A mudança de foco para a Crimeia ocorreu depois de a Rússia ter permitido que a Iniciativa do Grão do Mar Negro caducasse em julho. Desde então, a frota russa do Mar Negro retomou o bloqueio dos portos ucranianos, impedindo a exportação de cereais vitais e ameaçando a segurança alimentar mundial.

A frota também tem sido utilizada para atacar o território ucraniano a partir do mar, nomeadamente através de um bombardeamento pesado e prolongado das instalações ucranianas de armazenamento de cereais e das infraestruturas portuárias em Odessa.

Ao lançar os seus próprios ataques contra os navios de guerra russos no Mar Negro e nas bases navais de Sebastopol, a Ucrânia tem procurado limitar o potencial operacional da marinha russa.

Valor simbólico

No entanto, os ataques à Crimeia têm também um enorme valor simbólico e destinam-se a afetar o prestígio do presidente russo Vladimir Putin. O líder do Kremlin deixou claro que pretende "reunificar" a Rússia e a Ucrânia, que considera um só país.

A ponte de Kerch é a expressão física deste objetivo. Putin ordenou a construção da travessia de 19 quilómetros - a mais longa da Europa - a um custo de cerca de 3,5 mil milhões de euros. No dia em que foi inaugurada, em 2018, Putin liderou um comboio sobre a ponte, numa demonstração triunfante de patriotismo russo.

Há muito tempo que os ucranianos desprezam a ponte, que foi atacada com sucesso por duas vezes desde que a Rússia lançou a sua invasão em grande escala. No dia 8 de outubro do ano passado, um dia depois de Putin ter completado 70 anos, a ponte foi atacada quando um camião-cisterna explodiu e danificou uma grande parte da estrada.

As autoridades ucranianas reagiram ao ataque publicando um vídeo da ponte em chamas juntamente com um vídeo de Marilyn Monroe a cantar "Parabéns, sr. presidente".

A travessia foi atacada com sucesso pela segunda vez em julho. A CNN obteve imagens exclusivas dos serviços de segurança ucranianos que mostram o momento em que utilizaram um drone marítimo experimental para danificar a ponte. O chefe dos serviços de segurança ucranianos, Vasyl Maliuk, disse à CNN que o drone utilizado, chamado "Sea Baby", foi fruto de meses de desenvolvimento que começaram logo após a invasão.

"Os drones de superfície marítima são uma invenção única do Serviço de Segurança da Ucrânia", afirmou. "Nenhuma das empresas privadas está envolvida. Utilizando estes drones, realizámos recentemente um ataque bem sucedido à ponte da Crimeia", considerou, bem como a um navio de guerra russo que foi atingido no Mar Negro ao largo da costa de Novorossiysk, um dos maiores portos da Rússia.

Vista através da janela de um comboio mostra os danos na ponte de Kerch a 17 de julho de 2023. Stringer/Reuters

Para além de desenvolver as suas próprias armas, a Ucrânia terá utilizado as armas fornecidas pelos seus aliados para lançar o ataque contra o estaleiro naval de Sebastopol na quarta-feira.

Rybar, um proeminente blogger militar russo, afirmou que a Força Aérea da Ucrânia lançou dez mísseis Storm Shadow contra as instalações. O Storm Shadow, desenvolvido conjuntamente pelo Reino Unido e pela França, é um míssil de cruzeiro com capacidades furtivas, e está entre as armas de maior alcance no arsenal de Kiev. A Ucrânia não confirma o tipo de armas que utiliza.

*Reportagens de Nick Paton Walsh, Victoria Butenko, Florence Davey-Attlee, Tim Lister, Katie Bo Lillis, Natasha Bertrand e Ivana Kottasová contribuíram para este artigo

Continue a ler esta notícia

Relacionados