Bombeiros resgatam 13 turistas que ficaram retidos numa levada no Porto Moniz - TVI

Bombeiros resgatam 13 turistas que ficaram retidos numa levada no Porto Moniz

  • Agência Lusa
  • PF
  • 13 out 2023, 12:36
Levadas da Madeira

O presidente da Câmara Municipal do Porto Moniz, Emanuel Câmara, disse aos jornalistas que os 13 turistas, que estavam hospedados numa unidade hoteleira na zona alta do Porto Moniz, encontravam-se a fazer o percurso quando “foram surpreendidos pelas chamas” e “resguardaram-se num dos túneis dessa mesma levada”

Relacionados

Mais de 100 operacionais, 42 veículos e o meio aéreo combatem os três incêndios ativos na Madeira, numa altura em que estão a ser resgatados 13 turistas que ficaram retidos numa levada na quinta-feira, no concelho do Porto Moniz.

Numa nota enviada esta sexta-feira de manhã às redações, o Serviço Regional de Proteção Civil informa que estão três incêndios ativos na Madeira, nos concelhos do Porto Moniz (norte), Calheta (oeste) e Câmara de Lobos (oeste).

O fogo do Porto Moniz é aquele que envolve mais recursos, com 65 operacionais apoiados por 28 veículos, estando também o único meio aéreo existente na Madeira a apoiar o combate.

No município da Calheta estão 40 operacionais, 11 veículos e duas cisternas, enquanto em Câmara de Lobos estão 13 operacionais e três veículos, é adiantado na nota.

Segundo a Proteção Civil regional, estão empenhados no combate a estes incêndios todos os Corpos de Bombeiros da região autónoma, PSP e GNR.

O resgate de 13 turistas que ficaram retidos na quinta-feira, na levada da Ribeira da Janela, no concelho do Porto Moniz, está a ser efetuado por seis operacionais da Equipa de Salvamento em Grande Ângulo dos Bombeiros Voluntários Madeirenses, indica a Proteção Civil.

O presidente da Câmara Municipal do Porto Moniz, Emanuel Câmara, disse aos jornalistas que os 13 turistas, que estavam hospedados numa unidade hoteleira na zona alta do Porto Moniz, encontravam-se a fazer o percurso quando “foram surpreendidos pelas chamas” e “resguardaram-se num dos túneis dessa mesma levada”.

O autarca realçou, por outro lado, que ainda é prematuro falar em casas ardidas no concelho e não sabe precisar quantas pessoas foram retiradas das suas casas durante a noite.

Neste momento (11:15), não é possível transitar a partir da Câmara do Porto Moniz, no centro da vila, em direção às zonas altas, constatou a agência Lusa no local. Também quem está nas zonas altas não pode deslocar-se para o centro do concelho.

Um fogo deflagrou na quarta-feira, cerca das 18:00, na freguesia dos Prazeres, concelho da Calheta, tendo alastrado durante a noite à freguesia contígua da Fajã da Ovelha e, posteriormente, na tarde quinta-feira, às freguesias da Ponta do Pargo, das Achadas da Cruz e do Porto Moniz.

Um outro incêndio deflagrou na quinta-feira, às 17:00, na freguesia da Quinta Grande, no concelho de Câmara de Lobos, que ainda está ativo, mas é considerado o menos grave dos três que assolam a Madeira.

Há ainda a registar um fogo que deflagrou na quinta-feira no Curral das Freiras, em Câmara de Lobos, mas que já foi dominado.

De acordo com o Serviço Regional de Proteção Civil da Madeira, desde o dia 04 de outubro foram registados vários focos de incêndios nos concelhos da Ribeira Brava, Ponta do Sol, Câmara de Lobos e Calheta, todos localizados na zona oeste da ilha, e desde quinta-feira também no município do Porto Moniz.

O arquipélago da Madeira encontra-se sob aviso meteorológico laranja desde a semana passada devido à persistência de valores elevados da temperatura máxima, que diariamente ultrapassa os 30 graus. A situação vai prolongar-se até às 23:00 de sábado.

O Governo da Madeira declarou na quinta-feira a situação de contingência devido aos incêndios que lavram na região, ativando, assim, o Plano Regional de Emergência de Proteção Civil

Continue a ler esta notícia

Relacionados