Portugal disponível para interceder na União Europeia e ajudar brasileiros no Sudão - TVI

Portugal disponível para interceder na União Europeia e ajudar brasileiros no Sudão

  • Agência Lusa
  • HCL
  • 22 abr, 17:27
Khartoum, Sudão (EPA/MAXAR TECHNOLOGIES HANDOUT)

A União Europeia está a intensificar contactos para poder retirar, por via terrestre, cerca de 1.500 cidadãos dos seus Estados-membros

O Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou disponibilidade de Portugal para ajudar diretamente ou interceder para que haja ajuda da União Europeia a cidadãos brasileiros no Sudão.

O chefe de Estado português falava aos jornalistas no Palácio de Belém, em Lisboa, tendo ao seu lado o Presidente do Brasil, Lula da Silva, que recebeu, durante a sua visita de Estado a Portugal.

Ao falar da "construção da paz no mundo", Marcelo Rebelo de Sousa afirmou: "Todos os dias ouvimos falar de casos, ainda hoje do caso de brasileiros a braços com uma situação dramática no Sudão".

"E o Presidente [Lula da Silva] dirá melhor do que eu exatamente onde e quando Portugal poderá desempenhar, ou a União Europeia, um papel de ajuda em relação a esses nossos irmãos brasileiros", acrescentou.

No Sudão eclodiram no sábado combates entre as forças armadas sudanesas e o grupo paramilitar Forças de Apoio Rápido (RSF), que já provocaram centenas de mortos.

"A retirada não pode ser feita pelo aeroporto, que está fechado, mas por terra e precisamos de um cessar-fogo de três dias para realizar tal operação", disse fonte da União Europeia à agência France-Presse.

A União Europeia tem uma delegação em Cartum e sete dos seus Estados-membros – França, Alemanha, Itália, Espanha, Países Baixos, Grécia e República Checa – têm representações na capital sudanesa.

Um avião de transporte militar A400M da Força Aérea de Espanha chegou na sexta-feira a Djibuti, como parte de uma operação espanhola para retirar cerca de 80 pessoas, entre cidadãos do seu país, outros europeus e sul-americanos.

Quanto a Portugal, fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros disse à Lusa na sexta-feira que a situação dos portugueses retidos em Cartum está a ser acompanhada "em permanência" desde o início do conflito e que estão a ser estudadas " todas as possibilidades de retirada dos cidadãos portugueses, em condições de segurança, e em conjunto com os parceiros da União Europeia presentes no Sudão".

Continue a ler esta notícia

EM DESTAQUE