Marcelo elogia energia de Costa e explica por que falou em cansaço do Governo - TVI

Marcelo elogia energia de Costa e explica por que falou em cansaço do Governo

  • Agência Lusa
  • MJC
  • 26 mar 2023, 10:16

"O que eu disse, eu estava a enumerar as razões pelas quais foi um ano muito complicado", justificou o Presidente, durante o encontro com o primeiro-ministro na Cimeira Ibero-Americana. Costa responde que divergências com o Presidente não abalaram relações "de forma alguma"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, elogiou no sábado a energia do primeiro-ministro, António Costa, e justificou por que falou em cansaço do Governo, considerando que partilha algum desse "desgaste inevitável".

O chefe de Estado falava com António Costa ao seu lado, numa conferência de imprensa conjunta quando estavam prestes a terminar os trabalhos da 28.ª Cimeira Ibero-Americana, em Santo Domingo, na República Dominicana, em que participaram juntos.

Questionado se vê António Costa cansado, a propósito da sua análise de que a atual governação do PS começou já com uma "maioria cansada", Marcelo Rebelo de Sousa respondeu: "O senhor primeiro-ministro tem uma energia que está à prova, como veem. Portanto, pessoalmente não dá nenhum sinal de estar cansado".

"O que eu disse, eu estava a enumerar as razões pelas quais foi um ano muito complicado", explicou, referindo que "preocupações de política externa" no seu entender adiaram "respostas a temas de política interna".

Segundo o Presidente da República, "é evidente que a liderança e peças fundamentais do Governo tinham suportado situações, que aliás hoje aqui foram referidas como patológicas, como foi a pandemia e como foi o período que antecedeu a guerra e, quer num caso quer noutro, com crises económica e financeira e repercussões sociais que foram evidentes".

Isto "embora o Governo fosse substancialmente diferente – o senhor primeiro-ministro depois disse que tinha havido mudanças no Governo, e um Governo vai vivendo, e depois há mudanças subsequentes à posse do Governo para se ajustar à realidade", observou.

Além disso, apontou, no plano interno, "o fim do processo de défice excessivo" e "o saneamento e consolidação do sistema bancário".

Em resultado destes fatores, o terceiro Governo chefiado por António Costa, que assumiu funções há um ano, não se compara a "uma maioria fresca no sentido de acabada de eleger", sem "ter enfrentado antes não sei quantos problemas com o custo, o cansaço no sentido do desgaste inevitável que isso tem", sustentou.

"Mas que tem no Governo e tem no Presidente. O Presidente também, à sua maneira, não sendo executivo não se desgasta da mesma maneira", acrescentou.

Marcelo Rebelo de Sousa concluiu a explicação sobre as suas palavras em entrevista à RTP há cerca de duas semanas declarando: "Eu limitei-me a fazer essa análise das circunstâncias".

O primeiro-ministro, António Costa, comentou então: "Em suma, saímos muito reconfortados".

A seguir, o Presidente da República foi ainda instado a esclarecer se considera ou não que a maioria do PS está cansada, e respondeu realçando a intensidade de quem exerce funções governativas.

Como exemplo, contou que no jantar oficial da cimeira, na sexta-feira, esteve com António Costa "a passar em revista o que entretanto havia da política portuguesa interna no intervalo das últimas 48 horas ou 72 horas".

Marcelo Rebelo de Sousa deu ainda nota de "duas características" que distinguem o relacionamento entre os dois: "Uma é que não há papéis nas audiências e nas reuniões de trabalho com o senhor primeiro-ministro".

"Não há nem convocatória, nem ata, nem registo magnético, nem eletrónico. A segunda questão é a de que a reunião é uma vez por semana. Mas pensam que os factos esperam pela quinta-feira? Não esperam", disse.

Costa responde que divergências com o Presidente não abalaram relações "de forma alguma"

O primeiro-ministro declarou, por seu lado, que as divergências sobre política interna não abalaram "de forma alguma" as relações com o Presidente da República e considerou até que não terá havido relações "tão escorreitas" nos últimos 50 anos.

Questionado sobre as relações com o chefe de Estado, o primeiro-ministro respondeu: "Se mesmo quando não temos pontos de vista coincidentes na política interna a relação pessoal é boa, em matéria de política externa onde as posições são absolutamente coincidentes a relação só podia ser melhor ainda".

Interrogado depois se a posição do Presidente sobre o pacote de medidas do Governo para a habitação não abalou as relações entre os dois, António Costa declarou: "Eu só posso falar por mim: não abalou de forma alguma".

Em seguida, o primeiro-ministro referiu que Portugal tem "um sistema político onde o Presidente da República é eleito diretamente pelos cidadãos, representa o conjunto dos cidadãos portugueses e, portanto, tem uma função política própria", enquanto "o Governo resulta daquilo que são os resultados eleitorais para a Assembleia da República, responde politicamente perante a Assembleia da República e segue o seu Programa do Governo".

António Costa enquadrou as "divergências políticas sobre casos concretos" como algo "absolutamente normal" que "tem a ver com as funções próprias de cada um" e concluiu que, "portanto, não há nenhuma anormalidade".

"Agora, nós não temos nem um regime presidencialista onde quem governa é o Presidente da República, nem temos um regime parlamentar onde o Presidente da República não tem uma intervenção política", realçou.

"Temos um sistema sofisticado, é verdade, mas que tem funcionado bem ao longo dos anos e, passe a imodéstia – creio que o senhor Presidente da República poderá subscrever a mesma imodéstia – eu creio que nestes quase 50 anos de democracia não deverá ter havido algum momento onde as relações entre Governo e Presidente da República tão fluidas, tão escorreitas, tão normais, eu diria até com progressiva amizade", acrescentou.

António Costa lembrou que tem com o Presidente da República "uma relação muito anterior" às funções que agora exercem e que os dois se conhecem desde que foi aluno de Marcelo Rebelo de Sousa na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

"Ao longo da vida tivemos vários momentos de convívio, tivemos também alguns momentos de confronto quando o atual Presidente da República era líder da oposição e eu era ministro dos Assuntos Parlamentares", mencionou.

Segundo o primeiro-ministro, "nunca essas circunstâncias afetaram as relações pessoais".

Continue a ler esta notícia