Montenegro promete “programa de emergência na saúde” com privados e pede contas a Pedro Nuno Santos - TVI

Montenegro promete “programa de emergência na saúde” com privados e pede contas a Pedro Nuno Santos

  • Agência Lusa
  • 30 nov 2023, 23:06
Luís Montenegro no Congresso do PSD (António Pedro Santos/Lusa)

Luís Montenegro defendeu que, no setor da saúde, “é preciso acabar com a teimosia ideológica”

O presidente do PSD prometeu esta quinta-feira “um programa de emergência” na saúde, através da contratualização com privados e setor social, e pediu contas ao candidato à liderança do PS Pedro Nuno Santos pela sua proposta para a função pública.

Em entrevista à SIC, Luís Montenegro defendeu que, no setor da saúde, “é preciso acabar com a teimosia ideológica”.

“Quando for empossado primeiro-ministro, uma das primeiras medidas que tomarei é fazer executar um programa de emergência que dê às pessoas a possibilidade de terem consultas que não têm hoje ou estão em atraso, as cirurgias que não têm ou estão em atraso e o médico de família que não têm”, disse.

O presidente do PSD disse que este programa será feito “contratualizando com privados e setor social”, e recusou as críticas de que o partido queira privatizar os serviços públicos.

“Não, estamos a aproveitar a capacidade instalada para servir o cidadão, o nosso centro é o cidadão”, afirmou, dizendo que foram os governos do PS que “empurraram as pessoas para o setor privado” na saúde.

Luís Montenegro considerou até que vai ser “muito difícil” reter os profissionais de saúde no setor público sem “uma gestão de complementaridade entre os setores público, privado e social”, dizendo que têm saídas profissionais mais atrativas nestes últimos.

Na entrevista, o líder social-democrata reiterou propostas que tem apresentado, como a reposição faseada do tempo de serviço congelado dos professores ou, no Congresso do passado sábado, a subida do valor de referência do Complemento Solidário para Idosos para 820 euros no final da legislatura.

“É uma meta exequível, não é nada de fantástico à beira de propostas como a que ainda hoje ouvi de desbloquear todas as carreiras da administração pública e pagar o período que perderam nas últimas décadas”, disse, referindo-se à proposta apresentada por Pedro Nuno Santos na sua moção de estratégia global de “recuperação gradual do tempo de serviço que esteve congelado" de todos os funcionários públicos.

“Vamos lá ver, pedem-me contas a mim, eu é que tenho de pedir contas a quem apresenta uma proposta dessa envergadura, essa sim tem um alcance muito maior”, considerou.

Continue a ler esta notícia