Como se vestiria a princesa Diana hoje? - TVI

Como se vestiria a princesa Diana hoje?

  • CNN
  • Megan C. Hills
  • 23 jul 2023, 17:00
Princesa Diana

Da camisola de ovelha negra ao "vestido de vingança", Diana marcou tendências. Como seria hoje, se fosse viva, acabada de cumprir 62 anos?

O guarda-roupa da princesa Diana foi imortalizado em livros, exposições, séries da Netflix, sessões fotográficas de homenagem na Vogue e até num musical. Desde o seu vestido de noiva de conto de fadas até ao chamado “vestido de vingança” que usou depois de o agora rei Carlos III ter admitido a sua infidelidade, o mundo testemunhou a transformação do seu estilo no de uma “Princesa do Povo”.

"O seu estilo era muito próprio", afirmou Jack L. Carlson, cuja marca Rowing Blazers lançou uma linha de vestuário inspirada em Diana em 2020. “Ela não era uma seguidora. Pelo contrário, fazia o que lhe apetecia e todos nós ficávamos maravilhados e tentávamos acompanhá-la.”

Ainda existe muita nostalgia em torno do estilo da princesa Diana - de facto, quando a marca de Carlson relançou a sua icónica camisola com uma ovelha negra, vendeu “a soma de três meses de camisolas numa hora e meia” depois de se ter tornado viral na Internet, afirmou.

Mas como é que Diana se vestiria hoje se estivesse viva? E como usaria a sua propensão para uma moda com tato, simbólica e comunicativa nesta época de divisões?

A propósito do que teria sido o seu aniversário, a 1 de julho, analisamos as influências que enformaram o seu estilo - e como poderiam ter moldado o seu visual atual.

Influência da moda

A princesa de Gales era perita em usar o seu guarda-roupa de forma diplomática. Quer escolhendo estilistas dos países que visitava, quer usando cores e símbolos associados às identidades nacionais dos anfitriões, usava o vestuário como sinal de apoio e respeito.

Como a antiga estilista de Diana, Anna Harvey, recordou na Vogue britânica em 1997, pouco depois da morte da princesa, “na sua primeira visita ao País de Gales, vestiu as cores galesas - um fato de seda verde e vermelho; à chegada ao Japão, vestiu (roupa do estilista japonês Yuki Torimaru) e, numa viagem a Paris, Chanel".

Durante uma visita à região do Golfo em 1986, usou um vestido decorado com falcões dourados, um dos símbolos patrióticos da Arábia Saudita. Durante a sua digressão real pelo Japão, no mesmo ano, usou um vestido de bolinhas vermelhas e brancas que parecia fazer referência à bandeira nacional.

A Princesa Diana usando um vestido do estilista Yuki Torimaru numa digressão real ao Japão em 1986. The Asahi Shimbun/Getty Images

Diana também acenou à instituição real com a qual se casou - como quando o estilista Stephen Jones coseu as penas do príncipe de Gales no tradicional chapéu tam-o'shanter que ela usou no encontro anual escocês Braemar Gathering.

Matthew Storey, curador da exposição “Royal Style in the Making”, do Palácio de Kensington, em 2021, disse por e-mail que os membros da família real normalmente “usam roupas que prestam subtilmente homenagem à cultura do país que estão a visitar”. Mas a princesa Diana continuou a fazê-lo nos anos que se seguiram à sua separação de Carlos, no início da década de 1990 (optando por usar um shalwar kameez tradicional numa visita ao Paquistão em 1996, por exemplo), e parece provável que tenha continuado a adotar esta abordagem cuidadosa no seu guarda-roupa de trabalho.

Além de homenagear os países anfitriões, a princesa Diana também usou a moda para dar destaque às instituições de caridade e às instituições que admirava, vestindo o seu equipamento em jogos de pólo ou eventos públicos. Ela estava “anos-luz à nossa frente, mesmo naquela época”, disse Carlson, apontando para a tendência atual de usar merchandise para apoiar as organizações com as quais as pessoas se identificam.

A princesa Diana com uma camisola da Virgin Atlantic ao sair do ginásio. Anwar Hussein/WireImage/Getty Images

“Ela ensinou-nos a todos a apreciar o merchandising: de universidades que nunca frequentámos, de equipas desportivas da cidade natal de outras pessoas e até de companhias aéreas com que nunca voámos”, disse ele, referindo-se às vezes em que Diana combinou uma camisola da Northwestern University ou da Virgin Atlantic com calções de ciclismo.

É impossível dizer a que causas Diana se teria ligado atualmente. Mas, tendo em conta a sua defesa ao longo da vida da sensibilização para o VIH/SIDA, as várias coleções-cápsula lançadas para o Dia Mundial da SIDA por marcas desde a Maison Margiela à marca homónima de Victoria Beckham, poderiam muito bem ter chamado a sua atenção.

A princesa Diana vestindo uma camisola de caridade da British Lung Foundation para um jogo de pólo. Tim Graham Photo Library/Getty Images

Mas as declarações de estilo de Diana nem sempre foram tão literais. A investigadora de moda Eloise Moran, que fundou a conta de Instagram Lady Di Revenge Looks, comparou o guarda-roupa da princesa a uma “armadura”. Além de a defender de ataques, as suas roupas ajudaram-na a recuperar o controlo da sua narrativa - tanto do palácio como da imprensa britânica - após o seu divórcio de 1996 com Carlos.

“Ela tornou-se, no final, uma figura muito forte”, disse Moran numa entrevista em vídeo. “Penso que as pessoas tinham medo dela - e do que ela faria a seguir.”

A princesa Diana com um colete blindado de proteção, uma camisa branca e calças de ganga caminha por um campo de minas terrestres em Angola. Tim Graham Photo Library/Getty Images

A sua abordagem desafiante teria certamente eco no mundo de hoje. Pode até ter influenciado a forma como as mulheres de alto nível usam frequentemente os seus guarda-roupas para se protegerem e fazerem declarações políticas secretas, desde Alexandria Ocasio-Cortez, que chama ao seu batom vermelho “pintura de guerra”, até à decisão da ex-primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, de usar um manto maori tradicional de penas no Palácio de Buckingham.

Olho para peças icónicas

Nos seus primeiros anos de vida, Diana gravitou em torno de designers britânicos - e muitas vezes mudou a sorte daqueles com cujas peças ela foi fotografada. “Ela queria vestir-se como britânica porque sentia que era algo de positivo que podia fazer pela indústria da moda”, escreveu o seu estilista, Harvey, no seu tributo à Vogue de 1997.

Veja-se o caso da camisola de ovelha negra acima mencionada, que se tornou viral muito antes da era da Internet, com uma única ovelha negra [entre várias ovelhas brancas] a parecer assinalar o estatuto de “estranha” de Diana na família real (a impressionante camisola vai ser leiloada no final deste ano na Sotheby's em Nova Iorque). Carlson, que colaborou com o criador original da peça, Warm & Wonderful, no relançamento de 2020, disse que a publicidade foi “uma mudança de vida” para as designers Joanna Osborne e Sally Muir. A dupla conseguiu abrir uma loja, disse ele, e os seus modelos também foram vendidos em grandes armazéns de Nova Iorque ao Japão.

A princesa Diana fotografada em 1981 com a sua camisola de ovelha negra Warm & Wonderful original, que será leiloada na Sotheby's de Nova Iorque no final deste ano. Tim Graham Photo Library/Getty Images

“Os membros da família real sabem que as roupas que vestem são suscetíveis de fazer manchetes - e esgotar imediatamente”, disse Morgane Le Caer, líder de conteúdos da plataforma de pesquisa de moda Lyst, numa entrevista por e-mail. É uma tendência continuada por Meghan Markle e Kate Middleton, disse Le Caer, acrescentando que as membros da próxima geração de cônjuges reais “se tornaram poderosos influenciadores por direito próprio”.

Tanto Moran como Carlson especularam que, se a princesa Diana estivesse viva hoje, poderia ter revisitado os seus dias de declarações feitas através das camisolas (um período epitomizado pela sua camisola Gyles & George onde se lia: “Sou um luxo que ninguém pode pagar”). Segundo Moran, "talvez ela prestasse homenagem à sua afinidade mais jovem com as malhas irónicas”.

"Acho que ela teria adorado a (colaboração) Magda Archer x Marc Jacobs, particularmente a camisola 'Stay away from toxic people' [“Afaste-se de pessoas tóxicas”]", acrescentou, referindo-se a uma peça usada por celebridades como Harry Styles.

A princesa Diana vestindo um fato vermelho Catherine Walker durante uma visita em 1996 a um centro para pessoas afetadas pelo VIH e pela SIDA. Princess Diana Archive/Hulton Royals Collection/Getty Images

Diana foi fiel aos estilistas britânicos com quem trabalhou ao longo da sua vida. Embora alguns dos seus aparentemente favoritos, como Catherine Walker, já tenham morrido, outros, como Bruce Oldfield, continuam ativos, e a princesa poderia ter continuado a procurar os seus designs.

Mas no final da sua vida, Diana estava a fazer experiências mais alargadas com marcas internacionais. À medida que ascendia como estrela, estabeleceu relações estreitas com estilistas como Gianni Versace, a cujo funeral assistiu, e Christian Dior, que em 1996 rebatizou uma mala que ela adorava - e que possuía em todas as cores - de “Lady Dior”. Versace, em particular, ajudou Diana a desenvolver um guarda-roupa mais ousado à medida que evoluía para embaixadora global de caridade, desenhando mini-vestidos e saias-casacos cor-de-rosa ao estilo da primeira-dama, que combinava com chapéus Phillip Sommerville.

A princesa Diana com um fato azul claro e um chapéu “caixa de comprimidos” em 1995, acompanhada pelo seu filho, o príncipe Harry. Princess Diana Archive/Hulton Archive/Getty Images

“Ela era um verdadeiro camaleão e gostava de misturar as coisas, tanto de designers de topo como de baixo”, disse Moran. “Sei que continuaria a ser assim hoje se ela estivesse viva.”

Mas, acrescentou Carlson, ela teria lançado uma rede ampla. “Não a consigo ver presa a um ou outro estilista”, disse ele.

Um estilo em evolução

Os últimos anos da vida da princesa Diana foram definidos por uma experimentação alegre e na moda, à medida que ela saía da sombra do palácio. Para Moran, que criou a conta Lady Di Revenge Looks na sequência da sua própria separação, a princesa Diana era uma “figura de todas as mulheres” cuja transformação depois de uma separação serve de inspiração.

De acordo com Moran, a princesa Diana trocou os sapatos da corte por “Jimmy Choos super altos e sapatos Chanel”, o que a teria deixado mais alta do que o seu ex-marido, que tinha aproximadamente a mesma altura. O estilista Roland Klein disse uma vez à Vogue britânica que, num dos seus últimos encontros com Diana, esta lhe tinha pedido um vestido “muito curto”. “Eu hesitei”, recordou ele, “mas ela disse: 'Seja o que for que eu faça, vou ser criticada, por isso vamos em frente'”.

A princesa Diana com um mini-vestido Catherine Walker no lançamento de um leilão da Christie's em 1997, onde vendeu muitos dos seus trajes mais emblemáticos. Tim Graham Photo Library/Getty Images

Nesta altura, Diana já tinha encontrado silhuetas e designers que funcionavam para ela, disse Moran.

“Acho que ela descobriu o seu visual quando chegou aos 35 (ou) 36 anos - por isso não a vejo a vestir-se de forma tão diferente", explicou, sugerindo que os elementos básicos do guarda-roupa de Diana (“blazers, as calças de ganga Giorgio Armani, as malas Versace e Dior”) provavelmente ainda funcionariam com ela hoje.

“Também a podia ver a usar as silhuetas sinuosas e minimalistas da The Row”, acrescentou Moran.

Para a princesa Diana, a única roupa que parecia marcar a sua libertação era o seu “vestido de vingança” preto de Christina Stambolian, o mini-vestido assimétrico e justo que usou num evento em Londres no dia em que Carlos admitiu publicamente ter um caso.

A princesa Diana (1961 - 1997) chega à Serpentine Gallery, em Londres, com um vestido de Christina Stambolian, em junho de 1994. Fotografia de Jayne Fincher/Princess Diana Archive/Hulton Royals Collection/Getty Images

“Ela deu a volta completa à sua narrativa naquela noite”, disse Moran. “A partir daí, penso que foi a linha traçada de que ela estava no controlo, e estava a mostrar isso a toda a gente. É possível fazer com que as pessoas tenham medo de nós - ou que se sintam intimidadas por nós, ou que nos respeitem, ou o que quer que seja - através do vestuário.”

Embora a princesa Diana fosse conhecida por voltar a usar os seus trajes, é talvez improvável que revisitasse as suas peças de vestuário e acessórios mais emblemático hoje, se fosse viva. Ficou célebre a “limpeza” do seu guarda-roupa poucos meses antes da sua morte, leiloando muitas das suas peças de vestuário mais marcantes - incluindo o vestido Stambolian e um vestido de veludo azul de Victor Edelstein que tinha usado quando dançou com John Travolta na Casa Branca - para angariar fundos para instituições de solidariedade social na luta contra o VIH/SIDA.

John Travolta dança com a princesa Diana na Casa Branca, em 1985. AP Photo 

A venda foi simbólica em muitos aspetos. Ao abrir espaço no armário para o que teria sido o seu próximo capítulo, Diana parecia deixar para trás a vida no palácio e o casamento. E pode ter-se distanciado ainda mais da família real através da moda - algo que já estava a acontecer antes da sua morte, como observou o antigo estilista Harvey, que escreveu que a princesa evitava deliberadamente as marcas usadas pela família do seu ex-marido.

“Não creio que ela se vestisse como os outros membros da realeza”, disse Carlson. “E acho que, em vez de seguir a moda ou as expectativas de alguém, ela ter-se-ia vestido de uma forma que refletisse sua própria vida, suas próprias experiências, seus próprios sentimentos e também seu próprio conforto.”

Nota: este artigo foi originalmente publicado pela CNN em 2021 e republicado em 2023, com os títulos de figuras da realeza e do governo atualizados.

Continue a ler esta notícia