Não é por causa da preguiça que procrastina. É por causa disto - TVI

Não é por causa da preguiça que procrastina. É por causa disto

  • CNN
  • Kristen Rogers
  • 1 set 2023, 09:00
Procrastinação procrastinar preguiça arrumações lida da casa Foto PeopleImagesi _ Stockphoto _ Getty Images

Relacionados

Se está preso no que parece ser um ciclo interminável de procrastinação, culpa e caos, pode estar a perguntar-se: "Porque é que sou tão preguiçoso?" ou "Porque é que não me consigo recompor?"

Apesar desta perceção comum, a preguiça não é normalmente a razão por detrás da procrastinação, afirma Jenny Yip, psicóloga clínica e directora executiva do Little Thinkers Center, com sede em Los Angeles, nos EUA, que ajuda crianças com dificuldades académicas.

"A preguiça é do género: 'Não tenho qualquer vontade de pensar nisto'. Procrastinação é: 'Incomoda-me pensar nisto. E, por isso, é-me difícil fazer o trabalho. Essa é uma grande diferença".

Saber porque é que se procrastina e aprender a combatê-lo são as únicas formas de mudar o comportamento, segundo os especialistas. A psicóloga Linda Sapadin procurou ajudar neste esforço de auto-aperfeiçoamento com o seu livro "How to Beat Procrastination in the Digital Age" [tradução à letra, "Como Bater a Procrastinação na Era Digital"].

Você pode ser o perfecionista, o sonhador, o preocupado ou o desafiador - todos estes são estilos de procrastinação que Sapadin enumera no seu livro.

Estes tipos de procrastinação não são diagnósticos específicos e não são apoiados por investigação, mas "são tipos psicológicos ou razões pelas quais alguém pode procrastinar", disse Yip, que é também professora assistente clínica de psiquiatria na Keck School of Medicine da Universidade do Sul da Califórnia.

A procrastinação pode ter consequências práticas, como ficar para trás no trabalho, não conseguir atingir objectivos pessoais ou riscar tarefas de uma lista de afazeres. Mas também tem impactos emocionais ou mentais. De acordo com um estudo realizado em janeiro com mais de 3500 estudantes universitários, a procrastinação tem sido associada à depressão, à ansiedade e ao stress, à falta de sono, a uma atividade física inadequada, à solidão e a dificuldades económicas.

"Particularmente na América, onde muito do nosso valor está ligado ao que fazemos, como trabalhamos, o que produzimos - pode ser muito vergonhoso se não o conseguirmos fazer", disse Vara Saripalli, uma psicóloga clínica de Chicago. "Pode fazer com que as pessoas se sintam muito derrotadas e com a sensação de que não vale a pena tentar."

Saber porque é que procrastina pode torná-lo autoconsciente, mas continua a precisar de estratégias para quebrar o hábito. "Caso contrário, vamos continuar a repetir as coisas", disse Saripalli. "A estratégia que vai empregar para vencer a procrastinação vai mudar com base no objetivo que a procrastinação lhe está a dar."

Eis como explorar o tipo de procrastinador que você poderá ser - no entanto, lembre-se de que poderá incorporar os traços de mais do que apenas um tipo.

Os tipos de procrastinação

Um procrastinador é normalmente um perfecionista, diz Yip.

"Porque o perfecionista precisa que as coisas sejam feitas na perfeição - todos os Ts cruzados e os Is pontilhados - é preciso uma quantidade insuperável de esforço. E se não tiverem um plano de como concluir a tarefa, o perfecionista perde-se."

Os preocupados tendem a ser indecisos e a depender dos outros para obter conselhos ou garantias antes de tomarem a iniciativa por si próprios. Têm também uma grande resistência à mudança, preferindo a segurança do conhecido.

Tanto os perfecionistas como os preocupados podem adiar o início das tarefas devido ao medo de falhar ou de serem criticados, afirma Itamar Shatz, investigador da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, e criador do site Solving Procrastination.

Desafie essas crenças e o seu comportamento, reconhecendo que os padrões perfecionistas são irrealistas, disse Shatz. "Substitua-os por padrões que sejam suficientemente bons, dando a si próprio permissão para cometer alguns erros", acrescentou.

Evite pensar em tudo ou nada e dê a si próprio um limite de tempo para concluir uma tarefa. (E depois cumpra esse prazo - não desista se não o cumprir).

O sonhador

Um procrastinador "sonhador" não gosta dos pormenores logísticos necessários para realizar os projectos, diz Saripalli. "Eles gostam de ter ideias", acrescentou. "Essas coisas são divertidas. É um pouco difícil ou aborrecido executar essas visões."

Os sonhadores também podem pensar em si próprios como pessoas para quem o destino intervirá, fazendo com que o trabalho árduo proactivo e a eficiência pareçam desnecessários.

E, tal como um perfecionista, um sonhador pode querer sempre algo melhor, diz Yip. Treine-se para distinguir entre sonhos e objectivos e aborde os objectivos com seis perguntas: o quê, quando, onde, quem, porquê e como. Mude "em breve" ou "um dia" para momentos específicos. Escreva os seus planos numa linha cronológica, especificando cada passo.

O desafiador

As pessoas com procrastinação desafiante tendem a ver a vida em termos do que os outros esperam ou exigem que façam, e não do que elas querem. Este pessimismo diminui a sua motivação para completar tarefas.

Se tem esta mentalidade, encontre formas positivas de se sentir em situação de controlo, diz Shatz. Esforce-se por agir em vez de reagir e tente trabalhar com uma equipa ou supervisor, e não contra eles.

"Se algo não lhe parecer bem, em vez de ser passivo-agressivo, reconheça o que está ou não está a funcionar e converse com quem lhe está a dar essa tarefa", disse Yip. "Normalmente, os que se recusam a cumprir as tarefas não se sentem preparados para ter estas conversas com quem consideram ser figuras de autoridade, ou não acreditam que essas conversas lhes tragam qualquer benefício ou resultado positivo. ... Isso não é necessariamente verdade".

Como ultrapassar a procrastinação

Tal como acontece quando se trabalha a ansiedade ou outros problemas de saúde mental, lidar com a procrastinação pode ser difícil, especialmente se tiver origem em questões profundamente enraizadas, disse Shatz.

Para algumas pessoas que procrastinam, "a sua autoestima é tão frágil que a ideia de fazer alguma coisa e falhar as levaria a uma completa inutilidade", disse Sean Grover, um psicoterapeuta de Nova Iorque especializado em terapia de grupo.

Nesses casos, "considere a possibilidade de contactar um profissional, como um psicólogo, que o poderá ajudar", acrescentou Shatz.

"A visualização funciona", disse Yip. "Se se conseguir visualizar a si próprio a completar (uma tarefa), então torna-se mais exequível simplesmente porque tem a ideia de que pode ser feito."

No final, a forma como abordamos a vida tem "tudo a ver com o nosso sistema de crenças", disse Yip. "Se acreditas que podes, podes. Se acredita que não podes, não podes. Por isso, seja qual for a tua crença, tens razão."

Continue a ler esta notícia

Relacionados