Já se aposentaram mais de 1.300 professores desde o início do ano - TVI

Já se aposentaram mais de 1.300 professores desde o início do ano

  • Agência Lusa
  • AG
  • 11 abr 2023, 14:00
Manifestação nacional de professores e educadores (António Pedro Santos/ Lusa)

Negociações entre Governo e sindicatos continuam sem chegar a um acordo

Relacionados

Desde o início do ano, já se aposentaram mais de 1.300 professores e as previsões apontam que, até ao final de 2023, entrarão na reforma mais de 3.500 docentes, alertou esta terça-feira a Federação Nacional de Professores (Fenprof).

De acordo com o balanço feito pela organização sindical em comunicado, “mais de 1.300 professores aposentam-se nos primeiros meses do ano em curso, prevendo-se que mais de 3.500 se aposentem em 2023”.

É o número mais elevado da última década, ultrapassado apenas pelas mais de 4.500 aposentações registadas em 2013.

“O problema não está na aposentação de tantos docentes, pois esta saída era previsível, tratando-se de professores e educadores que exercem funções há mais de 40 anos”, refere a Fenprof.

Por outro lado, a organização sindical manifesta-se, sobretudo, preocupada com a falta de atratividade da profissão e com o reduzido número de alunos que, todos os anos, saem dos cursos de Educação para se tornarem professores.

Entre os dois fatores, a Fenprof alerta para uma “gravíssima crise de falta de professores profissionalizados nas escolas, a qual ainda se agravará até final da década, caso as políticas governativas para o setor não se alterem profundamente”.

“Só há uma forma de estancar a saída precoce da profissão, recuperar os que já abandonaram e atrair jovens para os cursos de formação: valorizar uma profissão que, de forma crescente, tem perdido atratividade”.

Desde setembro que decorrem negociações entre o Ministério da Educação e as organizações sindicais do setor sobre diferentes matérias com impacto nos professores: em março, concluiu-se, sem acordo, o processo negocial sobre concursos, estando agora em discussão a progressão na carreira dos docentes mais afetados pelo congelamento do tempo de serviço.

No entanto, as medidas apresentadas pela tutela não satisfazem os representantes dos professores, que não abdicam da recuperação de todo o tempo de serviço (seis anos, seis meses e 23 dias), bem como o fim das vagas de acesso aos 5.º e 7.º escalões.

“Os sindicatos de professores não se conformam com esta situação marcada por uma postura ministerial que não respeita quem se encontra em funções, não atrai os jovens para a profissão e, assim, põe em causa o futuro de uma Escola Pública que se quer de qualidade”, sublinha a Fenprof.

A partir de segunda-feira, a plataforma informal que junta nove organizações sindicais, incluindo Fenprof e Federação Nacional da Educação, iniciam novas greves distritais que começam no Porto e terminam em 12 de maio, em Lisboa.

Está também agendada uma greve nacional de professores e uma manifestação para dia 06 de junho e a greve às avaliações finais continua em cima da mesa.

Continue a ler esta notícia

Relacionados