Professores e não docentes terminam semana de greve com manifestação em Lisboa - TVI

Professores e não docentes terminam semana de greve com manifestação em Lisboa

  • Agência Lusa
  • MM
  • 22 set 2023, 07:25
Novo dia de luta para os professores. Fenprof e STOP com ações de protesto em Lisboa (Lusa/JOSÉ SENA GOULÃO)

Protesto convocado pelo Sindicato de Todos os Profissionais da Educação pretende “assinalar a degradação das condições na escola pública” e reafirmar a luta dos docentes e não docentes

Professores e trabalhadores não docentes terminam esta sexta-feira uma semana de greve nas escolas com uma manifestação em Lisboa, desde a presidência do Conselho de Ministros até à Assembleia da República.

Marcado para as 14:00, o protesto convocado pelo Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (S.To.P.!) pretende “assinalar a degradação das condições na escola pública” e reafirmar a luta dos docentes e não docentes.

A manifestação assinala também o fim de uma semana de greve pela recuperação do tempo de serviço e contra o que o sindicato diz serem várias injustiças no setor.

Foi a primeira greve com impacto nas aulas do ano letivo 2023/2024, em que os profissionais prometem manter a contestação do ano passado até verem as suas reivindicações respondidas.

Ao longo da semana, a paralisação causou alguns constrangimentos, levando ao encerramento pontual de algumas escolas, mas sem o impacto de muitas das greves no ano letivo anterior.

Na segunda-feira, em declarações à agência Lusa, o coordenador do S.To.P.!, André Pestana admitiu a baixa adesão em escolas de Lisboa e do Porto, onde a esmagadora maioria das escolas esteve aberta, porque “a maior parte das pessoas que adere não é do centro das grandes cidades”.

Os professores continuam a reivindicar a recuperação dos seis anos, seis meses e 23 dias de tempo de serviço congelado, contestando também um conjunto de outras injustiças sentidas por docentes e não docentes.

O S.To.P.! refere também os docentes prejudicados pelas regras do regime de mobilidade por doença e as condições dos professores em regime de monodocência, do primeiro ciclo.

Por outro lado, o sindicato sublinha a falta de assistentes técnicos e operacionais nas escolas e as condições de trabalho precárias dos existentes.

Continue a ler esta notícia

Mais Vistos