Determinados perfis técnicos e especializados, que não exigem uma formação ao nível do ensino superior, enfrentam atualmente um enorme desafio ao nível da captação de talento. Sobretudo para esses, em que a formação de novos profissionais não acompanha as necessidades do mercado, a pressão salarial tem aumentado. Soldador de arco submerso, ferramenteiro e tubista estão entre as dez profissões mais bem pagas, revela o levantamento realizado pelo ManpowerGroup para a Pessoas.

“Existem ainda funções técnicas onde a formação de novos profissionais não acompanha as necessidades do mercado, o que leva a uma crescente escassez de perfis nestas áreas. Como consequência, estas são profissões que registam também salários cada vez mais competitivos”, comenta Vítor Antunes, managing director da Manpower.

Embora sem canudo, os soldadores de arco submerso – que ocupam o primeiro lugar do pódio das profissões técnicas mais bem pagas em 2023 – podem alcançar um patamar salarial perto de 50.000 euros anuais. O rendimento destes profissionais começa, normalmente, nos 37.800 euros e vai até aos 49.000 euros brutos anuais, o que corresponde a um salário mensal entre 2.700 e 3.500 euros.

O segundo lugar do pódio, por sua vez, é partilhado por dois profissionais diferentes. Com um salário anual entre os 35.000 e os 42.000 euros brutos (2.500 a 3.000 euros por mês) está o ferramenteiro e o tubista, que mantêm as posições do ano passado.

Veja aqui as dez profissões técnicas mais bem pagas em 2023:

1.º: Soldador de arco submerso | 37.800€ – 49.000€/ano

2.º: Ferramenteiro | 35.000€ – 42.000€/ano

2.º: Tubista | 35.000€ – 42.000€/ano

4.º: Projetista de estruturas | 28.000€ – 49.000€/ano

5.º: Chef de cozinha, nomeadamente, sushiman | 28.000€ – 43.000€/ano

6.º: Gestor de compras | 28.000€ – 42.000€/ano

7.º: Técnico de manutenção e AVAC | 28.000€ – 42.000€/ano

8.º: Afinador de máquinas de injeção | 28.000€ – 42.000€/ano

9.º: Instalador de sistemas solares e eólicos | 25.000€ – 28.000€/ano

10.º: Motorista de pesados | 25.000€ – 29.400€/ano

ECO - Parceiro CNN Portugal / Joana Nabais Ferreira