“Não vale a pena estarmos a dizer que vai ser fácil. Não vai ser fácil". PSP confortável com plano de mobilidade para a JMJ mas alerta para possíveis dificuldades - TVI

“Não vale a pena estarmos a dizer que vai ser fácil. Não vai ser fácil". PSP confortável com plano de mobilidade para a JMJ mas alerta para possíveis dificuldades

  • Agência Lusa
  • MJC
  • 13 jul 2023, 19:28
Jornadas Mundiais da Juventude: construção da cúpula do altar palco no Parque Tejo-Trancão (Lusa/ José Sena Goulão)

"As autoridades deverão garantir que as pessoas se consigam movimentar e fazer a sua vida “com as limitações que vão acontecer” em Lisboa pelo facto de “passar a ter, assim de repente, o dobro das pessoas que costuma ter”

Relacionados

O diretor-nacional da PSP garantiu esta quinta-feira estar confortável com o plano de mobilidade para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que será apresentado na sexta-feira, alertando que “não vai se fácil” controlar milhões de pessoas em Lisboa.

“Não vale a pena estarmos a dizer que vai ser fácil. Não vai ser fácil. Teremos de encontrar equilíbrios entre a mobilidade, a segurança e também – esse princípio está subjacente – as pessoas que cá vivem, trabalham e visitam”, disse aos jornalistas Manuel Magina da Silva, à margem da inauguração do Museu da Polícia de Segurança Pública.

De acordo com o diretor nacional da PSP, as autoridades deverão garantir que as pessoas se consigam movimentar e fazer a sua vida “com as limitações que vão acontecer” em Lisboa pelo facto de “passar a ter, assim de repente, o dobro das pessoas que costuma ter”.

“Estamos confortáveis. Temos falado, temos dado os nossos contributos, as nossas posições. Obviamente que a segurança e a mobilidade interligam-se e são inseparáveis e é isso que tem acontecido”, realçou.

Aos jornalistas, Magina da Silva afirmou ainda que a JMJ “vai ser um grande desafio”, dizendo que a PSP “terá a fatia de leão” do trabalho previsto: "é um grande desafio, mas, sem dúvida, uma grande oportunidade para mais uma vez mostrarmos o que valemos e será, não tenho dúvidas nenhumas, um grande evento e uma grande festa”.

A ministra-adjunta e dos Assuntos Parlamentares assegurou na quarta-feira no parlamento que está garantida a segurança do Papa, dos peregrinos e da população de Portugal durante a JMJ. Ana Catarina Mendes afirmou que haverá um aumento da oferta de transportes em 11%.

As principais artérias do centro de Lisboa vão estar fechadas ao trânsito nos dias 1, 3 e 4 de agosto devido à JMJ. Os constrangimentos vão verificar-se sobretudo entre o Parque Eduardo VII e o Terreiro do Paço, abrangendo vias como a Avenida da Liberdade, Avenida Infante D. Henrique, Avenida Fontes Pereira de Melo, Rua do Carmo, Rua Castilho, Rua da Prata e as praças dos Restauradores e do Rossio.

Continue a ler esta notícia

Relacionados