Putin garante que Burevestnik, o novo míssil nuclear estratégico, foi testado com êxito - TVI

Putin garante que Burevestnik, o novo míssil nuclear estratégico, foi testado com êxito

  • CNN
  • Tim Lister, Sergey Gudkov e Mariya Knight
  • 6 out 2023, 20:13
Vladimir Putin (AP)

Presidente russo afirmou que "foi efetuado o último teste bem sucedido do Burevestnik, um míssil de cruzeiro de alcance global com uma instalação nuclear e um sistema de propulsão nuclear"

O Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou que a Rússia efetuou com êxito um teste de uma nova geração de mísseis de cruzeiro com propulsão nuclear.

A agência noticiosa estatal RIA Novosti citou Putin como tendo dito que "foi efetuado o último teste bem sucedido do Burevestnik, um míssil de cruzeiro de alcance global com uma instalação nuclear e um sistema de propulsão nuclear".

Putin estava a discursar no Fórum Valdai em Sochi.

O programa para desenvolver o Burevestnik foi anunciado por Putin em março de 2018 como parte de uma iniciativa mais ampla para desenvolver uma nova geração de mísseis intercontinentais e hipersónicos. Entre eles estão o míssil balístico Kinzhal e o veículo planador hipersónico Avangard. Dirigindo-se ao Ocidente, disse nesse discurso: "Ouçam-nos agora".

Putin disse à Assembleia Federal em março de 2018 que o objetivo era garantir um equilíbrio estratégico no mundo durante as próximas décadas, incluindo os mísseis Burevestnik e Sarmat.

"É um míssil furtivo de voo baixo que transporta uma ogiva nuclear, com alcance quase ilimitado, trajetória imprevisível e capacidade de contornar as fronteiras de interceção", disse Putin na altura.

No entanto, os analistas ocidentais afirmam que o programa tem tido problemas desde então, com uma série de testes falhados. Em 2019, a Iniciativa de Ameaça Nuclear (NTI) disse que "há um consenso na imprensa, com suposto acordo dos serviços de inteligência dos EUA, de que o Burevestnik foi testado 13 vezes, com dois sucessos parciais".

O NTI citou o perito militar russo Alexei Leonkov para descrever o Burevestnik como uma arma de retaliação, que a Rússia utilizaria depois dos mísseis balísticos intercontinentais para acabar com as infraestruturas militares e civis e não deixar qualquer hipótese de sobrevivência.

Também no seu discurso no Fórum Valdai, Putin afirmou que é possível revogar a ratificação de um tratado que proíbe os ensaios nucleares.

"Os Estados Unidos assinaram o ato internacional correspondente, o documento, o tratado que proíbe os testes de armas nucleares, e a Rússia assinou. A Rússia assinou e ratificou, e os Estados Unidos assinaram mas não ratificaram", disse Putin em Sochi.

O Presidente russo acrescentou que considera adequado "refletir a maneira dos Estados Unidos" e revogar a ratificação da Rússia.

"Mas esta é uma questão para os deputados da Duma. Em teoria, esta ratificação pode ser revogada. Se o fizermos, será suficiente", observou Putin.

Os ensaios nucleares subterrâneos foram proibidos pelo Tratado de Proibição Completa dos Ensaios Nucleares de 1996. Os Estados Unidos e a China assinaram o tratado, mas não o ratificaram.

Moscovo ratificou o tratado, mas Putin disse em fevereiro que ordenaria um teste, se os EUA o fizessem primeiro, acrescentando que "ninguém deve ter ilusões perigosas de que a paridade estratégica global pode ser destruída".

Segundo Putin, a Rússia "está quase a terminar o trabalho sobre os tipos modernos de armas estratégicas" e agora é apenas uma questão de procedimentos burocráticos para "passar à sua produção em massa e colocá-las em serviço de combate". Putin afirmou que isso será feito em breve.

Putin referiu que não está preparado para dizer se a Rússia precisa de realizar testes para verificar se as novas armas estão a funcionar eficazmente, mas, regra geral, os seus especialistas aconselham-no a fazê-lo.

Uma reportagem da CNN, em setembro, revelou que a Rússia, os EUA e a China construíram novas instalações e escavaram novos túneis nos seus locais de testes nucleares nos últimos anos, de acordo com imagens de satélite, numa altura em que as tensões entre as três principais potências nucleares atingiram o seu ponto mais alto em décadas.

Embora não existam provas que sugiram que a Rússia, os EUA ou a China estejam a preparar-se para um ensaio nuclear iminente, as imagens, obtidas e fornecidas por um proeminente analista em estudos de não-proliferação militar, ilustram as recentes expansões em três locais de ensaios nucleares, em comparação com apenas alguns anos atrás.

"É muito claro que os três países, Rússia, China e Estados Unidos, investiram muito tempo, esforço e dinheiro não só na modernização dos seus arsenais nucleares, mas também na preparação do tipo de actividades que seriam necessárias para um ensaio", afirmou o analista.

Putin afirma que a guerra na Ucrânia não tem a ver com território

Entretanto, Putin, que tem atacado a Ucrânia de forma sangrenta durante quase 20 meses, num esforço para conquistar grandes extensões de território, afirmou na quinta-feira que a guerra não é um conflito sobre território - mas sim sobre "princípios".

"A crise na Ucrânia não é um conflito territorial, e quero deixar isso claro. A Rússia é o maior país do mundo em termos de área terrestre e não temos interesse em conquistar mais território", afirmou Putin no Fórum Valdai.

Dezenas de milhares de pessoas foram mortas, cidades e aldeias inteiras foram dizimadas e milhares de milhões de euros em infraestruturas foram destruídos desde o início da invasão da Ucrânia por Putin, em 24 de fevereiro do ano passado. Entretanto, o presidente russo tentou anexar quatro regiões ucranianas, violando o direito internacional, para acrescentar à península da Crimeia ocupada pelas forças de Moscovo desde 2014.

Mas na quinta-feira, Putin afirmou que a Rússia não estava "a tentar estabelecer um equilíbrio geopolítico regional" na Ucrânia. Em vez disso, disse que a questão era "sobre os princípios subjacentes à nova ordem internacional".

A negação destes princípios, um dos quais é "um equilíbrio no mundo onde ninguém pode unilateralmente forçar ou obrigar os outros a viver ou a comportar-se como um líder hegemónico quer", é o que causa os conflitos, afirmou Putin, aparentemente referindo-se ao Ocidente.

As elites ocidentais "precisam de um inimigo para justificar a necessidade de ação e expansão militar" e fizeram de Moscovo um inimigo, afirmou Putin.

Putin é um firme defensor daquilo a que chama uma "ordem mundial multipolar", promovendo estruturas como o grupo BRICS de economias emergentes como contrapeso às instituições lideradas pelos EUA e pelo Ocidente, que condenaram duramente a Rússia pela sua guerra contra a Ucrânia.

Anteriormente, tentou justificar a sua guerra brutal alegando que a aspiração da Ucrânia a aderir à NATO constituía uma ameaça terrível para a Rússia, que a sua invasão era uma missão para "desnazificar" a Ucrânia e enfatizou a sua opinião de que a Ucrânia faz parte da Rússia, cultural, linguística e politicamente. Chegou mesmo a comparar-se com o czar russo do século XVIII, Pedro, o Grande.

A Ucrânia rejeitou estes argumentos e afirmou repetidamente que não cederá qualquer território à Rússia.

Continue a ler esta notícia