Tom está a viajar pelo mundo há quase 10 anos - e tem estas histórias para contar - TVI

Tom está a viajar pelo mundo há quase 10 anos - e tem estas histórias para contar

  • CNN
  • Tamara Hardingham-Gill
  • 28 out 2023, 11:00
Tom Grond está a viajar há quase dez anos. Fotos Tom Grond

Como muitos mochileiros, Grond, conhecido como "Traveltomtom", ficou em albergues e viveu o mais frugalmente possível para manter os custos baixos.

Ele partiu numa viagem à volta do mundo em dezembro de 2012 e, quase uma década depois, o viajante Tom Grond continua a viajar pelo mundo.

O blogger holandês, que trabalhou anteriormente para o governo dos Países Baixos, descreve-se agora como um nómada e diz que não tem planos para regressar à sua vida anterior.

Grond já viajou para cerca de 130 países diferentes, incluindo a Síria, a Jordânia, a Colômbia e o Burkina Faso, e chegou a apanhar 58 voos num ano.

Antes de partir para a sua atual viagem, poupou dinheiro suficiente para sustentar uma vida de viagens contínuas durante cerca de três anos e estabeleceu um orçamento de 30 dólares [28,5 euros] por dia.

Como muitos mochileiros, Grond, conhecido como "Traveltomtom", ficou em albergues e viveu o mais frugalmente possível para manter os custos baixos.

"As pessoas assumem que tu deves vir de uma família rica", diz ele. "Sim, sou muito privilegiado. Sou holandês, por isso tenho um passaporte muito bom.

"E poupei muito dinheiro para viajar. Mas limitei-me a viver com um orçamento limitado. Foi isso que me manteve na estrada durante tantos anos."

Estilo de vida nómada

Tom Grond viaja pelo mundo há quase 10 anos, mas diz que foi a sua viagem à Síria em 2019 que teve o maior impacto. Foto Tom Grond

Quando as redes sociais começaram a evoluir na década de 2010 e plataformas como o Instagram ganharam força, Grond percebeu que poderia ganhar dinheiro escrevendo e publicando sobre as suas aventuras ao redor do mundo.

"Eu já viajava e publicava fotos de lugares legais de qualquer maneira", observa.

Grond criou uma conta no Instagram em 2014 e rapidamente conquistou um número significativo de seguidores, ganhando cerca de 30 mil num espaço de tempo relativamente curto.

Nessa altura, embora os blogues de viagens não fossem definitivamente um fenómeno novo, os "influenciadores de viagens", que ganham a vida a partilhar as suas experiências de viagens pelo mundo nas redes sociais e em blogues pessoais ou vlogs, estavam a ganhar destaque.

Como resultado, Grond começou a ser abordado por hotéis e organizações que ofereciam estadias e experiências gratuitas em troca de promoção.

"Nem queria acreditar na minha sorte", admite. "No início, adorei. As pessoas reconheciam-me, o que era muito fixe."

Mas Grond começou a debater-se com a pressão de ter de produzir constantemente conteúdos para as redes sociais e descobriu que este estilo de vida específico não era sustentável para ele.

Em 2016, lançou o seu blogue Traveltomtom, onde partilha actualizações sobre as suas aventuras em todo o mundo, e agora consegue financiar grande parte das suas viagens através dos rendimentos que gera.

"O blogue é o segredo de ser um nómada a tempo inteiro", admite. "Estou super feliz."

No entanto, continua a utilizar o Instagram e o TikTok para publicar informações sobre as suas viagens e tem cerca de 300 mil seguidores em todas as plataformas.

Em última análise, isto significa que evoluiu de um mochileiro para o que descreve como um "viajante de gama média" e que os seus dias de alojamento em dormitórios lotados ficaram para trás.

"Fiz isso durante três ou quatro anos, provavelmente, e adorei", diz ele. "Conhecemos muitas pessoas interessantes, inspiramo-nos noutros viajantes".

"É uma óptima maneira de explorar países. As aventuras são fantásticas. Tenho saudades desses dias. Mas não quero voltar a dormir num dormitório."

Despedidas sem paragens

Grond já visitou quase 130 países, incluindo Myanmar. Foto Tom Grond

Os seus alojamentos podem ser mais sofisticados agora, mas Grond diz que a sua abordagem às viagens não mudou realmente.

"Continuo a querer explorar e conhecer pessoas locais e ver como é a sua vida", diz ele. "Sem esta paixão, já teria deixado de o fazer há muito tempo."

Claro que não foi só o panorama das redes sociais que mudou enquanto Grond esteve na estrada. A pandemia levou a que o mundo ficasse praticamente parado em 2020 e a invasão da Ucrânia pela Rússia trouxe ainda mais incerteza sobre as viagens internacionais.

Mas, apesar de as restrições o terem obrigado a permanecer num só local por mais do que algumas semanas, Grond meteu-se num avião assim que pôde, viajando para lugares como o México e a Turquia, onde as restrições à Covid-19 eram menos rigorosas.

Embora esteja empenhado no estilo de vida nómada, Grond salienta que uma das desvantagens de estar constantemente em movimento é que os relacionamentos podem ser uma luta, admitindo que se tornou mais consciente disso à medida que foi envelhecendo.

"É impossível manter uma relação", diz ele. "Claro que, hoje em dia, toda a gente está ao alcance do WhatsApp e das redes sociais, mas eu mudo de casa de duas em duas semanas, por vezes de dois em dois dias.

"Pode ser difícil quando se conhece alguém com quem se gosta de conviver. Basicamente, estamos sempre a dizer adeus. A cada poucos dias, estou a despedir-me das pessoas. Tem sido uma luta".

E embora tenha tido sobretudo experiências positivas durante as suas viagens, houve alguns contratempos pelo caminho.

Grond diz que foi recentemente detido pela polícia de imigração no Gabão, país localizado na costa ocidental de África, devido a um mal-entendido, e que a provação o tornou ainda mais consciente do quão longe está dos seus entes queridos.

No entanto, sublinha que os aspectos positivos superam em muito os negativos e que está constantemente em contacto com a família e os amigos no seu país, bem como com os amigos que fez nas suas viagens.

"Não tenho tempo para sentir falta das pessoas", diz.

Mudar as percepções

Grond diz que não tem planos para regressar à sua vida anterior e considera-se um "nómada". Tom Grond

Dos muitos sítios onde já esteve, Grond diz que foi a Síria que teve o maior impacto sobre ele.

Embora todas as viagens para o país sejam atualmente desaconselhadas devido ao conflito em curso, conseguiu visitá-lo em 2019 depois de encontrar uma agência de turismo que estava disposta a arranjar um visto e a levá-lo.

"Foi uma viagem muito cara", explica. "Tive de pagar pela segurança e por todo o tipo de coisas, mas valeu a pena. Algumas das cidades estavam completamente destruídas.

"Não restava nada além de alguns edifícios. Tudo estava completamente em ruínas. Mas ver a determinação e a confiança que os habitantes locais que encontrámos ainda tinham era de loucos".

"Não lhes restava nada, mas estavam determinados a reconstruir as suas vidas e confiantes de que tudo poderia voltar ao normal. Foi uma viagem que me moldou de muitas formas".

Depois da sua visita à Síria, Grond viajou para o Paquistão e para o Iraque e ficou impressionado com a reação que as suas publicações online receberam daqueles que tinham preconceitos sobre estes destinos em particular.

Embora já viajasse há sete anos, foi nessa altura que decidiu que queria visitar todos os países do mundo.

"É muito fixe ir a estes lugares e mudar as percepções", explica. "Isso inspirou-me muito. Queria ir a todo o lado para mostrar às pessoas como é realmente nesses sítios."

Mas Grond não tem pressa em completar este desafio em particular. Na verdade, planeia levar o seu tempo e fica desanimado quando se depara com outros viajantes que parecem estar a correr à volta do mundo para riscar países da sua lista de desejos.

"Deixei a corrida dos ratos da vida em termos de obter um diploma, arranjar um emprego, ter uma carreira e uma família", diz.

Aventuras contínuas

Grond visitou o seu 100.º país, a Jordânia, em 2019. Tom Grond

"Mas quando vejo todas aquelas pessoas na Internet a tentar visitar todos os países do mundo, parece que se trata de um número [para elas]. Todas as pessoas perguntam "em quantos países já estiveste?" Não quero voltar a fazer parte de uma corrida de ratos."

Diz que já esteve mais do que uma vez em pelo menos 71 dos cerca de 130 países para onde viajou, e que regressa frequentemente a destinos de que gosta particularmente.

"Estive no Paquistão quatro vezes", diz ele. "Fui à Tailândia 17 vezes e vou à Turquia algumas vezes por ano. Adoro Istambul".

Grond tenta não planear com muita antecedência e muitas vezes não faz ideia de onde vai ficar, ou onde vai estar daqui a uma semana ou assim. Atualmente, está no Panamá, mas nos próximos dias voará para Bogotá e depois seguirá para o Paraguai.

"O plano geral é passar duas semanas na América do Sul e um pouco de tempo na América Central. Depois vou visitar a minha família [nos Países Baixos]."

Ele também irá para a África Ocidental nos próximos meses e planeia passar oito semanas a viajar por locais como o Senegal, a Gâmbia, a Serra Leoa, o Gana e a Guiné Equatorial.

"Estou muito entusiasmado por voltar a África", diz ele. "Tem sido uma parte muito, muito interessante das minhas viagens nos últimos dois anos.

"As pessoas perguntam-me sempre quando é que vou voltar para casa. Mas eu não tenho casa e não sei quando é que vou parar de viajar."

Grond vai celebrar oficialmente uma década na estrada em dezembro, por isso: vai assinalar esse dia de alguma forma especial?

"Ainda não pensei nisso", responde. "Nem sequer sei onde vou ficar nos próximos dias. Em breve terei passado 3.333 dias de viagem contínua. De facto, talvez já tenha passado. Não tenho bem a certeza. Mas é um número fixe na mesma".

 

Imagem no topo: Grond no Burkina Faso. Crédito: Tom Grond

Continue a ler esta notícia