Cancro do rei Carlos III foi "descoberto precocemente" - TVI

Cancro do rei Carlos III foi "descoberto precocemente"

  • CNN
  • Niamh Kennedy, Lauren Said-Moorhouse e Max Foster
  • 6 fev, 16:33
Rei Carlos III (AP Photo)

Primeiro-ministro britânico diz estar "chocado e triste" com a notícia

Relacionados

O diagnóstico inesperado de cancro do rei Carlos III foi " descoberto precocemente", afirmou na terça-feira o primeiro-ministro britânico Rishi Sunak.

"Felizmente, foi descoberto precocemente e agora toda a gente lhe deseja que receba o tratamento de que necessita e que recupere totalmente", disse Sunak no que aparentava ser um comentário improvisado durante uma entrevista radiofónica à BBC.

Sunak disse estar "como toda a gente... chocado e triste" com a notícia.

O Palácio de Buckingham anunciou na segunda-feira que Carlos, de 75 anos, tinha sido diagnosticado com uma forma não revelada de cancro depois de ter sido internado no hospital de Londres para um procedimento de correção de um aumento da próstata no mês passado. Uma fonte real disse à CNN que o tipo de cancro detectado não era da próstata, mas não especificou mais pormenores.

Carlos, que subiu ao trono há 17 meses, após a morte da rainha Isabel II, sua mãe, vai afastar-se das suas funções públicas enquanto estiver a ser tratado, informou o palácio. No entanto, continuará a ocupar-se dos assuntos de Estado e da documentação oficial.

Isto significa que é provável que continue a receber as suas caixas vermelhas diárias com documentos do governo para poder continuar a tratar dos documentos do Estado em casa. A CNN sabe que se prevê que o rei continue a ter a sua audiência semanal com o primeiro-ministro e que serão tomadas medidas alternativas se os seus médicos o aconselharem a minimizar o contacto pessoal.

Também se sabe que o rei continuará a estar disponível para as obrigações do Estado, como as reuniões do Conselho Privado. No entanto, os pormenores sobre a forma como isso se processará ainda estão a ser definidos.

Sunak afirmou que continua em contacto regular com o rei e que continuará a comunicar com ele normalmente. Sunak não quis dizer se as reuniões presenciais vão continuar, mas deu a entender que o diagnóstico não vai afetar a forma como o país é gerido.

"Vamos continuar com tudo, mas o rei estará nos nossos pensamentos e nas nossas orações", disse Sunak.

Continue a ler esta notícia

Relacionados