O que é que o público tem direito de saber sobre o diagnóstico de cancro do rei Carlos? - TVI

O que é que o público tem direito de saber sobre o diagnóstico de cancro do rei Carlos?

  • CNN
  • Análise por Lauren Said-Moorhouse e Max Foster
  • 10 fev, 11:00
Rei Carlos III (Adrian Dennis/AFP/Getty Images)

Especialistas reais e comentadores consideram que as intenções da família ao divulgar o comunicado eram sinceras, nobres e bem intencionadas, mas que o espaço de incerteza que daí resultou deixou as pessoas preocupadas

Relacionados

O rei Carlos III da Grã-Bretanha foi visto na terça-feira pela primeira vez desde o anúncio bombástico do diagnóstico de cancro, numa altura em que se questiona a natureza exata do seu estado.

A revelação inesperada do Palácio de Buckingham foi feita na segunda-feira à noite. A comunicação revelou que o monarca já tinha iniciado o tratamento de um cancro não especificado que foi identificado enquanto o mesmo estava a ser tratado de forma independente para um aumento da próstata.

Carlos, de 75 anos, decidiu afastar-se das funções públicas durante o tratamento ambulatório, a conselho dos médicos, mas o palácio salientou que o monarca continuaria a desempenhar funções públicas e a tratar da papelada.

"Ele mantém-se totalmente positivo em relação ao tratamento e espera regressar às suas funções públicas o mais rapidamente possível", declarou o palácio.

O rei Carlos e a rainha Camila são vistos a sair da Clarence House, em Londres, a 6 de fevereiro, um dia depois de ter sido anunciado que o rei Carlos tinha sido diagnosticado com cancro. (AP Photo/Frank Augstein)

A declaração acrescenta que o rei optou por revelar o seu diagnóstico "para evitar especulações e na esperança de que possa ajudar a compreensão pública de todos aqueles que, em todo o mundo, são afetados pelo cancro".

Embora o monarca britânico tenha sido invulgarmente franco sobre a sua saúde, muito mais do que os seus antecessores, a declaração do palácio desencadeou uma onda de especulação e debate sobre o que o público tem exatamente o direito de saber.

O tipo específico de cancro não foi revelado e, nesta fase, não são esperados mais pormenores. O cancro da próstata foi excluído da lista à CNN por uma fonte real, que não forneceu mais pormenores.

Na terça-feira, o primeiro-ministro britânico Rishi Sunak pareceu ir mais longe do que o palácio ao falar com a BBC. Sunak disse que estava "como toda a gente... chocado e triste", mas que o diagnóstico do rei tinha sido " descoberto precocemente".

No entanto, o porta-voz de Sunak disse aos jornalistas que o primeiro-ministro parecia estar a seguir a declaração do palácio, que referia "a rápida intervenção" da equipa médica do rei.

A CNN sabe que Sunak foi informado do estado de saúde do rei antes do anúncio público - tal como os irmãos e os filhos de Carlos, a quem comunicou a notícia pessoalmente.

O rei Carlos fala com o primeiro-ministro britânico Rishi Sunak durante a cerimónia de abertura da Cimeira Mundial de Ação Climática no Dubai, Emirados Árabes Unidos, em 1 de dezembro de 2023. Chris Jackson/Getty Images

Os especialistas reais e comentadores afirmaram que as intenções da família eram sinceras, nobres e bem intencionadas, mas que o espaço de incerteza que daí resultou deixou as pessoas preocupadas.

"São águas desconhecidas. Não sabemos que cancro ele tem ou que tratamento está a fazer, mas também quanto tempo vai estar fora de serviço", afirmou Kate Williams, historiadora real da CNN.

Nas 48 horas que se seguiram, registou-se uma onda de votos de melhoras, tanto no país como no estrangeiro. O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, liderou as mensagens de apoio dos líderes mundiais. Nas redes sociais, afirmou que o rei estava no seu pensamento.

Multidão junto ao Palácio de Buckingham a 6 de fevereiro (Matthew Chattle/Future Publishing/Getty Images)

"Enfrentar um diagnóstico de cancro, tratamento e sobrevivência requer esperança e coragem absoluta", escreveu o presidente. "Eu e a Jill juntamo-nos ao povo do Reino Unido para rezar para que sua Majestade tenha uma recuperação rápida e completa."

Muitas das instituições de caridade britânicas de tratamento do cancro também partilharam palavras encorajadoras, incluindo a Macmillan Cancer Support, que acrescentou esperar que a franqueza do rei encoraje o público a fazer exames. Carlos é o patrono da organização desde 1997.

De acordo com a Cancer Research UK, todos os anos são diagnosticados cerca de 375 000 novos casos de cancro no Reino Unido. A Macmillan Cancer Support estimou, em 2022, que havia cerca de 3 milhões de pessoas a viver com cancro no Reino Unido, prevendo que este número aumente para 3,5 milhões em 2025.

Os especialistas em saúde sugerem que não é invulgar que os doentes com cancro sejam diagnosticados quando procuram exames de imagiologia ou cuidados médicos por outras razões.

"A pessoa vai para uma coisa, mas depois faz exames adicionais - quer como parte de uma avaliação geral, quer influenciada por determinados sintomas ou sinais ou análises ao sangue que desencadeiam um procedimento ou imagiologia - que depois levam ao diagnóstico de cancro num sistema de órgãos diferente", explicou o Dr. Anil Rustgi, diretor do Centro de Cancro Herbert Irving Comprehensive do Centro Médico Irving da Universidade de Nova Iorque-Presbyterian/Columbia, que não esteve envolvido nos cuidados médicos de Carlos.

"Depende muito do tipo de cancro e da fase em que se encontra, mas, por vezes, no caso do cancro em fase inicial, não há sintomas. E é detectado na altura do rastreio ou por acaso", afirmou Rustgi.

Embora o palácio não quisesse um alvoroço em torno do diagnóstico do rei, a ausência de pormenores tornou-o inevitável. A biógrafa real Sally Bedell Smith diz que é "sempre complicado divulgar uma imagem parcial" porque as pessoas podem interpretar ou extrapolar.

A biógrafa refere ainda que os tempos eram "muito diferentes", referindo-se às batalhas pela saúde travadas pelo avô do rei.

"Recordando o seu avô, Jorge VI, que tinha arteriosclerose que não foi totalmente explicada ao público e depois, claro, teve cancro do pulmão, tendo-lhe sido retirado o pulmão esquerdo. Os médicos nunca disseram que era cancro. Disseram que tinham de o fazer para reparar alguns defeitos estruturais. Não disseram nada à família e muito menos ao público", explicou.

O rei Jorge VI é fotografado com o neto, o então príncipe Carlos, no seu terceiro aniversário, em 1951. (Topical Press Agency/Hulton Royals Collection/Getty Images)

Com perguntas sem resposta sobre o que Carlos está a enfrentar, o público está a tentar preencher as lacunas. O facto de o príncipe Harry parecer ter largado tudo e ter voado para Londres para visitar o pai, sabendo que as relações entre os dois têm sido tensas nos últimos anos, sugeriu um sentido de urgência para alguns.

Mas os especialistas da realeza dizem que há sinais positivos que não devem ser ignorados. Emily Nash, editora real da revista Hello!, declarou à CNN: "Se o palácio tomar a iniciativa de nomear os conselheiros de Estado, as pessoas poderão sentir a sua preocupação aumentar em relação a sua Majestade. Trata-se de membros da família que podem substituí-lo em assuntos constitucionais se ele estiver incapacitado ou se estiver no estrangeiro a desempenhar outras funções. Até ao momento, foi-nos deixado bem claro que não há qualquer plano para colocar qualquer uma destas pessoas em ação".

Dois conselheiros podem ser nomeados para atuar em nome do monarca através do que é conhecido como cartas patentes e ajudar a manter o Estado a funcionar. A lista de membros da realeza que podem intervir inclui a rainha Camilla, os príncipes William, Harry, Andrew e Edward, bem como as princesas Anne e Beatrice. No entanto, é pouco provável que Andrew ou Harry sejam chamados a intervir, uma vez que já não são membros da realeza em funções.

Nash disse ser "muito tranquilizador" o facto de o palácio não estar a tentar nomear nenhum conselheiro nesta altura.

"É realmente muito revelador da determinação do rei em continuar a desempenhar o seu papel da melhor forma possível neste momento", afirmou. "Isso significa que as reuniões do Conselho Privado, as audiências com o primeiro-ministro, as suas caixas vermelhas, a assinatura do seu parecer favorável sobre a legislatura - todas estas são partes fundamentais do seu papel que não são públicas, pelo que pode continuar a fazê-lo nos bastidores."

Os acontecimentos dos últimos dias reacenderam o debate sobre até que ponto o público merece conhecer o estado de saúde do seu chefe de Estado.

Muitos consideram que a família deveria ser mais transparente e que o público tem direito a mais informações, uma vez que a casa real é financiada pelos contribuintes. Alguns afirmam que o público tem o direito de saber porque os membros da realeza são figuras públicas e as liberdades pessoais são inevitavelmente comprometidas quando representam a coroa e o país. Outros argumentam que, ao não revelarem o cancro exato, estão inadvertidamente a alimentar os boatos.

O público também sabe que a princesa de Gales, que foi recentemente submetida a uma cirurgia abdominal, ainda está a recuperar em casa, em Windsor. Não se espera que regresse aos compromissos até, pelo menos, à Páscoa. Embora o público saiba que a operação foi bem sucedida, não foi revelado exatamente qual a razão da mesma. O Palácio de Kensington tem sido ferozmente protetor em relação a Catherine, com os seus assessores conscientes da sua popularidade e ao mesmo tempo querendo oferecer alguma privacidade à princesa de 42 anos.

Catherine, Princesa de Gales, é fotografada na inauguração de uma nova unidade de cirurgia pediátrica em Londres, a 5 de dezembro de 2023 (Chris Jackson/Getty Images)

"É com isto que a realeza se tem debatido ao longo do século XX, desde que deixaram entrar as câmaras na coroação da Rainha - quanta informação dar", explicou Williams. "Penso que, eventualmente, o rei nos dirá qual é o cancro de que tem padecido".

Historicamente, as condições médicas concretas raramente eram reveladas ao público. Os assessores do palácio consideram que os membros da família têm direito a um certo grau de privacidade médica, apesar da sua posição de funcionários públicos. No entanto, a situação muda quando o seu estado de saúde pode afetar a sua capacidade de desempenhar funções públicas. Nessa altura, o palácio tem o dever de revelar o que se está a passar, razão pela qual foi emitido um comunicado na segunda-feira à noite.

Kristina Kyriacou, uma antiga secretária de comunicação do rei, falou sobre a abordagem do palácio durante uma participação no programa "Good Morning Britain" da ITV na terça-feira. "Devo dizer que não abriria mais a porta. Disseram que foi detectado um tipo de cancro e eu, pessoalmente, não aconselharia que se fosse mais longe e se dissesse que tipo de cancro. Acho que há muito tempo para isso.

"O problema é que, quanto mais informação se dá, mais as pessoas especulam. Assim que sabem que tipo de cancro é, toda a gente começa a procurar, as pessoas começam a pesquisar no Google", continuou.

Kyriacou disse ter interpretado a declaração do palácio de forma positiva e no sentido de que a doença é tratável.

"Espero ter razão. Não devemos esquecer que, nesta altura, a monarquia está a esforçar-se por não se tornar na história; sei que isso tem sido um pouco ridículo para alguns membros da família real nos últimos anos. Mas a rainha Isabel e o rei Carlos não querem tornar-se notícia, querem continuar a servir o seu público. Com o passar do tempo, gostaria de pensar que o rei Carlos falará sobre o seu tratamento".

Por sua vez, Estelle Paranque, especialista em estudos reais e professora associada de História Moderna da Northeastern University de Londres, sugeriu que o tipo de cancro que o rei enfrenta é irrelevante.

"Não creio que seja necessário saber que tipo de cancro tem ou em que fase se encontra. Penso que precisamos de saber como e por quem serão geridos os deveres reais e que nos informem de um plano para o caso de as coisas correrem mal para o rei, mas, para além disso, ele tem direito à privacidade. Ser diagnosticado com cancro é uma grande mudança de vida. O rei deve ser capaz de lidar com a situação da forma que precisa".

A historiadora acrescentou que as medidas tomadas pelo palácio na segunda-feira mostram que Carlos quer uma monarquia mais moderna. "Ele está a comprometer-se ao revelar o resultado da sua consulta médica, mas não está a revelar tudo para manter a sua privacidade segura e isso é uma jogada inteligente", acrescentou.

Catherine Nicholls, Jacqueline Howard e Claudia Rebaza, da CNN, contribuíram para a reportagem.

Continue a ler esta notícia

Relacionados