Praga: milhares de pessoas na rua para exigir demissão do governo e saída da NATO - TVI

Praga: milhares de pessoas na rua para exigir demissão do governo e saída da NATO

  • Agência Lusa
  • SM
  • 16 abr 2023, 19:41
Protesto em Praga

Pela segunda vez, a Praça Venceslau, em Praga, voltou a ser palco de um protesto de milhares de pessoas que se queixam do nível da inflação e da posição do país na guerra na Ucrânia.

Milhares de pessoas voltaram a manifestar-se em Praga, este domingo, para exigirem a demissão do governo devido aos problemas económicos causados pela elevada inflação, bem como uma solução pacífica para o conflito entre a Rússia e a Ucrânia. 

As notícias do protesto deste domingo dão conta de que algumas pessoas estavam a assinar uma petição a exigir que a República Checa abandone a aliança militar NATO.

É a segunda vez que um protesto desta dimensão tem lugar na Praça Venceslau, na capital da República Checa. A primeira ocorreu a 11 de março, sob o mote "contra a pobreza", organizada por um novo partido político conhecido como PRO, que não tem assento no Parlamento. 

Manifestantes, oradores do protesto e o chefe do grupo populista, Jindrich Rajchl, culparam a União Europeia e o governo checo pelo aumento da inflação e pediram repetidamente a renúncia da atual coligação de cinco partidos, segundo noticiam as agências internacionais.

A inflação mantém-se alta, mas está a descer nos últimos meses, caindo para 15% em março, ante 16,7% em fevereiro e 17,5% no mês anterior, na República Checa.

O protesto ocorreu numa altura em que o primeiro-ministro, Petr Fiala, está em viagem à Ásia.

A renúncia do governo foi a palavra de ordem, expressa à multidão por Rajchl, advogado de profissão, ex-vice-chefe da associação de futebol checa e líder do PRO.

Rajchl afirmou que o grupo que lidera está pronto para intensificar ainda mais os protestos e reclama também que o governo pare de tomar medidas destinadas a reduzir a desinformação e as notícias falsas.

A República Checa tem apoiado Kiev desde que as tropas russas invadiram a Ucrânia, nomeadamente com o fornecimento de armas para os militares ucranianos e o acolhimento de cerca de 500.000 refugiados.

O líder do PRO considera a ministra da Defesa, Jana Cernochova, "o maior risco de segurança para o país" por ser uma defensora da posição pró-Ucrânia.

Continue a ler esta notícia