Hospitais só têm reservas de sangue para mais 39 dias. É “uma situação invulgar para esta época do ano” - TVI

Hospitais só têm reservas de sangue para mais 39 dias. É “uma situação invulgar para esta época do ano”

  • Agência Lusa
  • DCT
  • 10 jul, 19:55
Plasma

A Federação Portuguesa de Dadores Benévolos de Sangue (FEPODABES), perante a atual situação das reservas, apelou a “todas as pessoas saudáveis e aos habituais dadores” dos grupos mais em falta para efetuarem as suas dádivas

As reservas de sangue estão com valores mais baixos do que em períodos homólogos de outros anos, uma situação que o Instituto Português do Sangue da Transplantação (IPST) considera invulgar para esta altura e que atribui à covid-19.

“As reservas de sangue e componentes sanguíneos apresentam, nesta altura do ano, valores mais baixos do que em períodos homólogos de anos anteriores”, adiantou o IPST à agência Lusa, salientando, porém, que se trata de uma gestão dinâmica, que depende do número de colheitas realizadas diariamente e das necessidades dos hospitais.

Segundo o instituto, as reservas dos hospitais e no IPST situam-se entre os oito e 39 dias, e entre os três e 39 dias, considerando apenas a reserva de concentrados eritrocitários do instituto, sendo os grupos sanguíneos em que se regista uma maior carência o “A positivo”, o “O positivo”, o “O negativo” e o “A negativo”.

Trata-se de “uma situação invulgar para esta época do ano”, salientou o IPST, ao recordar que existe sazonalidade na dádiva de sangue, sendo tradicionalmente os períodos de maior carência os meses de janeiro e fevereiro, devido às infeções respiratórias, e o mês de agosto, devido ao período de férias dos dadores regulares.

“A atual situação de carência, que surgiu este ano mais cedo, parece explicar-se pelo aumento de infeções respiratórias neste período, nomeadamente infeções por covid-19, e à ausência dos dadores regulares para período de férias”, adiantou o instituto.

Os hospitais portugueses precisam, em média, de 1.100 unidades de sangue por dia para tratar os doentes.

Os componentes sanguíneos têm uma validade limitada (no concentrado eritrocitário é de 42 dias e de cinco a sete dias para as plaquetas), razão pela qual a sua necessidade é permanente, realçou o IPST.

“Diariamente apelamos à população em geral, ao cidadão e aos dadores de sangue, em particular, para a necessidade permanente de sangue”, referiu o instituto, ao realçar que a sustentabilidade desta atividade requer uma presença diária nas redes sociais, uma utilização regular dos meios de comunicação social e a melhor articulação com o movimento associativo.

Entre 2021 e maio de 2024, o IPST enviou aos dadores de sangue regulares aproximadamente 14 milhões de mensagens SMS, cerca de 3,5 milhões por ano, por considerar que esta é a forma mais direta de contacto e o meio que mais fideliza os dadores para realizarem novas dádivas.

As condições essenciais para elegibilidade para a dádiva são ter mais de 18 anos (a primeira dádiva após os 60 anos depende de critério médico), peso igual ou superior a 50 quilos e estar saudável.

Em comunicado, a Federação Portuguesa de Dadores Benévolos de Sangue (FEPODABES), perante a atual situação das reservas, apelou a “todas as pessoas saudáveis e aos habituais dadores” dos grupos mais em falta para efetuarem as suas dádivas.

“Esta situação não costuma acontecer tão cedo nesta altura do ano, pensamos que se deve ao aumento das infeções respiratórias que nesta altura do ano não são habituais, nomeadamente casos de Covid", referiu Alberto Mota, presidente da federação citado no comunicado.

A FEPODABES disse ainda estranhar como o IPST está “neste momento a trabalhar”, ao salientar que “nada comunica aos seus parceiros” sobre a situação das reservas, numa altura em vários hospitais nacionais se têm queixado da redução de dádivas de sangue.

Continue a ler esta notícia