Rita Marques, ex-secretária de Estado do Turismo que tinha sido convidada para trabalhar para a Fladgate, empresa a que reconheceu o estatuto de utilidade pública, permitindo benefícios fiscais, rejeitou o convite.

A ex-governante tinha sido convidada para o conselho de administração do grupo Fladgate, que desenvolve negócios ligados ao vinho do Porto, ao turismo e à distribuição.  A intenção era que fosse Rita Marques a gerir o quarteirão cultural de Vila Nova de Gaia, os hotéis e os restaurantes do grupo.

Em comunicado publicado esta quinta-feira na rede social profissional LinkedIn, Rita Marques esclarece que o convite "ainda não suscitou a formalização, até hoje, de qualquer compromisso entre as partes", mas afasta "qualquer intervenção direta em matéria da qual tenha resultado um benefício concreto para aquela Sociedade".

"Entendo que não tenho condições de aceitar, nesta altura, o convite que me foi dirigido, e que previa que eu iniciasse funções a 16 de janeiro", informou.

Veja o comunicado na íntegra:

CNN Portugal / RL