Rui Laranjeira, companheiro de Patrícia Gaspar, secretária de Estado da Proteção Civil, foi nomeado pela Câmara Municipal do Barreiro para assumir, a partir de 16 de janeiro, as funções de coordenador municipal da Proteção Civil do Barreiro. A notícia é avançada esta quinta-feira pela revista Sábado, que indica que o despacho de nomeação de Rui Laranjeira foi assinado a 22 de dezembro de 2022 pelo presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Frederico Rosa - de quem Patrícia Gaspar, barreirense, foi mandatária nas últimas eleições autárquicas.

A Sábado contactou o gabinete de imprensa do Ministério da Administração Interna, que remeteu esclarecimentos sobre a nomeação de Laranjeira para a autarquia do Barreiro e garantiu que não houve qualquer envolvimento da secretária de Estado da Proteção Civil no processo. A revista assinala ainda que Rui Laranjeira terá uma remuneração equiparada à de dirigente intermédio de primeiro grau da autarquia; a câmara do Barreiro esclareceu que "a remuneração de um dirigente intermédio de primeiro grau, e de acordo com a tabela única aplicável à Administração Local, é de 3.083,64 euros, sem direito a despesas de representação". 

A função que Rui Laranjeira vai ocupar era antes equiparada à de dirigente intermédio de terceiro grau, com um salário a rondar os 2.000 euros, refere a Sábado. Porém, no final do mandato do anterior coordenador da Proteção Ciivl barreirense, Hugo António, a situação foi revista e a autarquia renovou contrato com o profissional, aumentando-lhe o salário porque "a coordenação da Proteção Civil cresceu muito", disse à revista Frederico Rosa, presidente da Câmara Municipal do Barreiro. Porém, cinco meses depois de renovar contrato, Hugo António demitiu-se "por motivos pessoais", deixando vago o cargo que agora será ocupado por Rui Laranjeira.

A autarquia do Barreiro diz que o namorado da governante foi escolhido "porque reúne as condições técnicas e competências previstas para exercer o respetivo cargo" e garante que não houve qualquer interferência de Patrícia Gaspar na nomeação. O próprio Rui Laranjeira falou à revista para dizer que aceitou o cargo após um "contacto direto do senhor presidente da câmara e da necessária análise feita relativamente ao seu conteúdo e aos desafios que a missão representa", assegurando que não se colocam "quaisquer questões éticas ou institucionais".

Rui Laranjeira, que até agora era diretor de segurança da Casa Ermelinda Freitas, em Palmela - produtora de vinhos da região de Setúbal - fora até maio de 2021 oficial de operações na sala de operações do comando nacional da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), função que exercia desde 2009. Ao passar para a direção de segurança da Casa Ermelinda Freitas deixou também de ser comandante no Corpo de Bombeiros de Águas de Moura, pequena localidade do concelho de Palmela, e passou aos quadros de honra, mas manteve-se como formador na Escola Nacional dos Bombeiros, cargo que não pretende abandonar agora. "Conto manter as funções de formador externo da Escola Nacional de Bombeiros e de Presidente da Mesa da Assembleia-Geral da Associação dos Bombeiros de Águas de Moura", disse à Sábado.

CNN Portugal