Rui Pinto acusado de mais 377 crimes por acesso a emails do Benfica - TVI

Rui Pinto acusado de mais 377 crimes por acesso a emails do Benfica

  • Agência Lusa
  • AG
  • 7 jul 2023, 21:35
Rui Pinto

Acusação conhecida a cerca de uma semana da decisão do julgamento sobre o Football Leaks

Relacionados

O Ministério Público (MP) acusou Rui Pinto, criador do Football Leaks, de 377 crimes relacionados o acesso aos emails do Benfica e de outros clubes, Liga, empresas, advogados, juízes, procuradores, Autoridade Tributária e Rede Nacional de Segurança Interna.

Segundo o despacho de acusação, avançado esta sexta-feira pela Sábado e a que a Lusa teve também acesso, estão em causa 202 crimes de acesso ilegítimo, 134 de violação de correspondência, 23 de violação de correspondência agravado e 18 de dano agravado, num total de 377 crimes imputados a Rui Pinto.

“O arguido Rui Pinto atuou da forma descrita supra, querendo com tais atuações aceder de forma sub-reptícia e não autorizada aos sistemas informáticos de várias entidades, como a Sport Lisboa e Benfica, Autoridade Tributária e Aduaneira, Vieira de Almeida Sociedade de Advogados, Liga Portugal, IGFEJ, CCSM, e servidores de correio eletrónico da Altice e IURD, quer ligadas ao futebol, quer ligadas à justiça, quer ligadas a prestações de serviço à sociedade em geral, com vista a explorar tais sistemas e daí retirar informação”, lê-se.

A acusação, assinada pela procuradora Vera Camacho, indica que Rui Pinto sabia que lhe era vedado o acesso a tais dados, atuando “com intenção de se introduzir indevidamente nos sistemas informáticos”, o que fez através da captura de credenciais de utilizadores daquelas entidades, conseguindo “retirar toda a informação que ali estivesse de seu interesse”.

Sobre o acesso aos emails do Benfica, após elencar as caixas de correio eletrónico de dirigentes que foram visadas, o MP refere que Rui Pinto decidiu em abril de 2017 partilhar a informação com o diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, além de ter passado a publicar em dezembro desse ano no blogue Mercado de Benfica.

Segundo o despacho, “no período compreendido entre o dia 4 de abril de 2017, pelas 14h47 e o dia 12 de julho de 2017, dirigiu mensagens de correio eletrónico” para dois emails “utilizados por Francisco José Marques, com conteúdo obtido através dessa exfiltração”.

Contudo, a investigação a Rui Pinto vai além desta acusação, com o MP a dar conta da extração de certidão para outro inquérito sobre alegados acessos ao sistema informático e emails de FC Porto, Nacional, Tondela, Câmara de Cascais e ao seu presidente, Carlos Carreiras, a empresa Promovalor – do ex-presidente do Benfica Luís Filipe Vieira – e outros escritórios de advogados.

A acusação realça ainda os indícios de acesso informático a clubes e instituições estrangeiras, como Atlético de Madrid, AS Monaco, Vilarreal, Shakhtar Donetsk, FC Barcelona, Manchester City, Real Madrid, Inter Milão, Juventus, Ajax, FIFA, UEFA, Landscape, Sable, Grupo Fosun, King and Wood Mallesons, LIAN Sports & Partners, Rui-Huerta & Crespo Abogados. Por isso, considerando que “a dispersão a nível mundial de entidades afetadas é de tal ordem vasta”, o MP decretou a transmissão da informação recolhida através da Eurojust.

A acusação neste novo processo surge a cerca de uma semana de Rui Pinto conhecer a decisão do julgamento do processo Football Leaks, no próximo dia 13, no qual responde por 90 crimes: 68 de acesso indevido, 14 de violação de correspondência, seis de acesso ilegítimo, visando entidades como o Sporting, a Doyen, a sociedade de advogados PLMJ, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e a Procuradoria-Geral da República (PGR), e ainda por sabotagem informática à SAD do Sporting e por extorsão, na forma tentada.

Continue a ler esta notícia

Relacionados