Rui Pinto reagiu, esta quinta-feira, ao questionário de 36 perguntas que vão servir para avaliar quem for convidado para os cargos de ministro ou secretário de Estado. 

Numa mensagem publicada nas redes sociais, o hacker português referiu que os "inócuos questionários" vão ser "classificados como secretos e destruídos após o término de funções no executivo" e apontou para o exemplo do Parlamento Europeu como exemplo de transparência. 

"Veja-se o exemplo do Parlamento Europeu, em que a Declaração de interesses financeiros dos deputados é publicada na íntegra no site", escreveu Rui Pinto. 

Recorde-se que esta quinta-feira aprovado em Conselho de Ministros o mecanismo de escrutínio de governantes. Os futuros ministros e secretários de Estado vão ter de responder a um questionário de 36 perguntas - e não 34 como a ministra da Presidência tinha anunciado esta tarde - que inclui uma declaração de compromisso de honra. 

No documento a que a CNN Portugal teve acesso, são 20 páginas com dezenas de questões às quais os futuros governantes terão de responder com uma cruz num pequeno quadrado, assinalando com um "sim" ou um "não". Abrangem os respetivos conjugues, familiares e até sócios. No entanto, existe uma garantia: o conteúdo é classificado como secreto e destruído mal terminem as funções no Executivo. 

CNN Portugal