"Não percebi o que foram procurar a minha casa": Rui Rio acusa Ministério Público de intromissão política - TVI

"Não percebi o que foram procurar a minha casa": Rui Rio acusa Ministério Público de intromissão política

  • Agência Lusa
  • BCE (atualizada às 21:55)
  • 14 jul 2023, 21:38
Rui Rio (Lusa/Estela Silva)

O ex-presidente dos sociais-democratas afirma que as buscas de que foi alvo surgiram na sequência de uma denúncia feita por "vingança"

Relacionados

Rui Rio acusou esta sexta-feira o Ministério Público de se “intrometer politicamente” ao ordenar buscas, esta quarta-feira, à sua residência e sede nacional do PSD, e insistiu na necessidade urgente de uma reforma da justiça.

"Se o Presidente da República, a Assembleia e os partidos não tiverem coragem de dizer basta haverá algum dia em que alguém vai dizer chega", disse o ex-presidente do PSD, em entrevista à SIC, dois dias após buscas por suspeitas dos crimes de peculato e abuso de poderes.

Em causa está a utilização de verbas do Parlamento, destinadas ao pagamento de assessores parlamentares, para pagar a funcionários do partido entre 2018 e 2022.

Rui Rio insistiu que é uma "pratica transversal a todos os partidos desde sempre" a gestão de verbas dos partidos, que motivaram as buscas na sequência de uma denúncia que, segundo Rui Rio, foi anónima e feita por "vingança".

Quanto ao motivo da investigação, acusou o Ministério Público de não saber o que procura: "Critérios de gestão, que o MP não sabe o que é… quando coloca 100 agentes pagos pelos impostos (…) para procurar nada (...) que não percebi o que foram procurar a minha casa” adiantou.

A gestão de verbas dos partidos, já "nos anos 80 já era assim" e é uma pratica transversal aos partidos, dizendo não entender a razão de ter sido o PSD e a sua gestão os únicos alvos de buscas.

O antigo líder do PSD insistiu que, apesar de a Lei distinguir duas verbas para o financiamento dos partidos, "essas verbas são para utilização do partido", independentemente de trabalhar no grupo parlamentar ou na sede, ou nos dois sítios, porque está a trabalhar para o partido.

"Não há uma coisa que é o grupo parlamentar e outra que é o partido. É tudo a mesma coisa”, defendeu, considerando que o Ministério Público tem um "conceito absurdo" de interpretação da lei.

No seguimento das buscas, o secretário-geral do PSD escreveu na quinta-feira à procuradora-geral da República, considerando que o seu partido foi alvo de uma operação judicial de “grande desproporcionalidade” entre os atos realizados e o objeto da investigação, numa alusão aos 100 inspetores e peritos que estiveram cerca de 19 horas na sede do partido em Lisboa.

Esta sexta-feira, Lucília Gago adiantou que vai analisar o conteúdo da queixa e admite tomar medidas adequadas se for caso disso.

“Será alvo de acompanhamento e análise como, aliás, todas as notícias me chegam diariamente, que serão ponderadas, analisadas e, se for o caso, alvo de medidas gestionárias adequadas se merecerem essa apreciação”, disse a PGR.

Continue a ler esta notícia

Relacionados