Polónia vai mudar nome de Kaliningrado e Rússia condena a ''loucura' - TVI

Polónia vai mudar nome de Kaliningrado e Rússia condena a ''loucura'

  • Agência Lusa
  • MJC
  • 10 mai 2023, 22:40
A cidade de Kaliningrado (AP)

Varsóvia quer voltar a usar o nome Krolewiec para a cidade que antes da Segunda Guerra Mundial era governada pela Polónia e que, depois, foi cedida pela Alemanha à União Soviética

A Polónia anunciou que vai mudar o nome da cidade russa de Kaliningrado nos documentos oficiais para Krolewiec, como era conhecida quando governada pelo Reino da Polónia nos séculos XV e XVI, um ato de "loucura" segundo a Rússia.

Segundo a Associated Press (AP), Varsóvia quer mudar o nome da cidade para Krolewiec, que após a Segunda Guerra Mundial foi cedida pela Alemanha à União Soviética, e renomeada em 1946 como Kaliningrado em homenagem a Mikhail Kalinin, líder da revolução bolchevique.

Mikhail Kalinin está ligado ao massacre de Katyn, em 1940, quando milhares de militares polacos foram executados pelas forças soviéticas, razão pela qual nos mapas polacos passa a designar-se como Krolewiec, com base na recomendação da comissão governamental para nomes geográficos no exterior.

Reagindo à decisão polaca, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse tratar-se de um “processo que roça a loucura” e de um “ódio contra os russos” esa mudança de nome de Kaliningrado, um enclave russo no Báltico com fronteira com a Lituânia e a Polónia, dois países da UE e da NATO.

“Sabemos que, ao longo da história, a Polónia tem caído, de tempos a tempos, nesta loucura de ódio contra os russos”, disse Dmitry Peskov em conferência de imprensa.

A guerra na vizinha Ucrânia aumentou as históricas tensões entre a Rússia e a Polónia, país aliado da Ucrânia, fornecendo-se armas e pressionando por apoio internacional.

Hoje, o embaixador da Rússia na Polónia, Sergey Andreev, foi convocado ao Ministério das Relações Exteriores da Polónia devido a um incidente na região do Mar Negro, na semana passada, com um caça russo que fez manobras perigosas perto de um avião polaco que patrulhava a fronteira europeia e a guarda costeira.

Continue a ler esta notícia