É só uma questão de tempo até Santorini ser atingida pela erupção de um vulcão, dizem os cientistas - TVI

É só uma questão de tempo até Santorini ser atingida pela erupção de um vulcão, dizem os cientistas

  • CNN
  • Elinda Labropoulou
  • 1 mai 2023, 19:00
Santorini é conhecida pelas suas paisagens deslumbrantes, mas poucos se lembram que assenta por cima de um vulcão. Foto: Nicolas Economou/NurPhoto/Getty Images

Santorini faz parte do Arco Vulcânico Helénico, um dos mais importantes centros vulcânicos da Europa

Para onde quer que olhemos em Santorini, lembramo-nos de que estamos num vulcão. As paisagens lunares, as praias pretas e vermelhas, os seixos feitos de lava solidificada. A beleza arrebatadora da ilha grega é o resultado da violenta história vulcânica da região. 

Santorini é, naturalmente, famosa pela sua deslumbrante caldeira em forma de lua crescente, metade da qual está submersa – o que a torna na única caldeira submersa do mundo. Foi criada por uma das maiores erupções conhecidas, há cerca de 3600 anos. A explosão foi tão poderosa que destruiu a antiga cidade de Akrotiri, em Santorini, e desferiu um golpe fatal na civilização marítima minoica, que se tinha estabelecido na ilha nessa altura. 

Hoje em dia, Santorini – também conhecida como Thira – é o principal local romântico da Grécia, com luxuosas moradias e estâncias que proporcionam escapadelas mimosas às estrelas e cenários de sonho para casamentos e sessões fotográficas de luxo. As íngremes falésias vulcânicas da ilha, situadas cerca de 300 metros acima do nível do mar, criam uma impressionante tela geológica com casas caiadas de branco equilibradas na borda. Não admira que seja um dos locais mais fotografados do planeta. 

Todas as noites, a ilha fica suspensa para assistir ao mundialmente famoso pôr-do-sol de Santorini. A aldeia de Oia, com as suas cúpulas azuis e brancas, enche-se de gente à medida que a hora dourada se aproxima. Quando o sol começa a pôr-se por detrás das falésias da caldeira, o céu transforma-se numa exibição vívida de tons vermelhos, laranja e cor-de-rosa. Milhares de pessoas suspiram quando os últimos raios desaparecem no mar. 

Poucos se apercebem que, por baixo do hipnótico caleidoscópio de cores, se encontra um vulcão ativo. 

Segredos das profundezas

Santorini faz parte de um dos grupos vulcânicos mais importantes da Europa. Foto: cortesia do Fundo para a Exploração do Oceano

Santorini faz parte do Arco Vulcânico Helénico, um dos mais importantes centros vulcânicos da Europa, que registou mais de 100 erupções nos últimos 400 000 anos. O vulcão subaquático mais ativo e potencialmente perigoso do Mediterrâneo Oriental, o Columbo, fica a 8 km a nordeste de Santorini e faz parte do mesmo sistema vulcânico. 

Submerso no Mar Egeu, o Columbo tem estado calmo há quase 400 anos – mas não está adormecido. A última vez que entrou em erupção, em 1650, matou 70 pessoas e espoletou um tsunami de 12 metros. Foram registados fortes sismos e tremores secundários, bem como gases tóxicos e nuvens de fumo. 

Os cientistas sabem que a explosão do Columbo pode causar grandes estragos. Algumas das maiores expedições oceanográficas do mundo visitaram-no e a monitorização aumentou nos últimos 20 anos. Um dos maiores navios de investigação dos EUA, o navio de perfuração profunda JOIDES Resolution, viajou até Santorini para a sua primeira missão no Mediterrâneo entre Dezembro de 2022 e Fevereiro de 2023. 

O formidável navio trouxe "todo um laboratório flutuante para a área", diz o vulcanólogo e cochefe da expedição Tim Druitt. Com capacidade para perfurar a mais de 8000 metros abaixo da superfície do mar, os investigadores recolheram sedimentos nunca antes alcançados para tentar reconstruir a história do vulcanismo na zona. 

Os resultados – os primeiros relatórios são esperados ainda este ano – deverão ajudar os cientistas não só a prever futuras erupções, mas também a revelar o comportamento de outros vulcões ativos em todo o mundo que representam uma ameaça para milhões de pessoas que vivem nas suas proximidades. As ligações entre terramotos e vulcões também estão a ser estudadas. 

Evi Nomikou, oceanógrafa geológica da Universidade de Atenas, participou em todas as expedições em Santorini, a sua terra natal, nos últimos 20 anos. "Estamos gradualmente a montar um geopuzzle [mostrando] quais as partes que eram [originalmente] terra, quais as partes que eram água", diz. 

"Se conseguirmos compreender melhor as erupções passadas e o seu impacto, teremos um roteiro para enfrentar melhor os desafios futuros." 

Um oceano extraterrestre 

A expedição do JOIDES Resolution não é o primeiro grande estudo da zona. Nomikou diz que as há muito estudadas condições extremas encontradas em Columbo levaram a NASA a financiar uma expedição inovadora em 2019. "No fundo da cratera existe um oceano extraterrestre com formas de vida que podem ser encontradas noutros planetas." 

O ambiente hostil, com as suas fontes hidrotermais ativas que expelem água quente e minerais, serviu de campo de ensaio ideal para novas tecnologias de ponta que utilizam veículos subaquáticos autónomos. A NASA testou submersíveis que, um dia, espera que estejam a explorar oceanos alienígenas em Júpiter e Saturno. 

Outro estudo recente revelou também uma câmara de magma anteriormente não detetada por baixo do Columbo. Os cientistas acreditam que esta câmara pode também ser a chave para compreender a atividade sísmica nesta região. 

Os vulcões fumegantes e as crateras borbulhantes também despertaram a imaginação dos produtores de Hollywood, que escolheram Santorini como local de abertura do êxito de bilheteira "Lara Croft: Tomb Raider – O Berço da Vida", de 2003, cheio de adrenalina. Usando as dramáticas falésias de Santorini como pano de fundo, Angelina Jolie viu-se em situações perigosas em águas misteriosas enquanto procurava um tesouro subaquático. 

Jolie e o então marido Brad Pitt passaram férias em Santorini após as filmagens, e não foram os únicos. As Kardashians, Lady Gaga e Shakira estão entre as celebridades que mergulharam nas águas cristalinas de Santorini. Todos os verões, mega iates fazem cruzeiros entre Santorini e o outro íman de celebridades da Grécia, a ilha festiva de Mykonos, com os seus passageiros VIP a revelarem os seus arredores exclusivos em publicações glamorosas. 

Caminhadas nas crateras e fontes termais

As praias da ilha são uma das principais atrações de Santorini. Foto: Creative Touch Imaging Ltd./NurPhoto/Getty Images

O romance de Brangelina pode ter acabado, mas o espírito aventureiro de Lara Croft continua vivo nas excursões turísticas de barco. Estas incluem uma visita ao vulcão de Nea Kameni: uma das cinco ilhas que formam o complexo vulcânico de Santorini, e um parque geológico nacional em si mesmo. 

"A última erupção em Nea Kameni foi nos anos 50", diz Marios Fytros, diretor executivo da agência de viagens Santorini View. "Os visitantes adoram a emoção de caminhar até à cratera de um vulcão. É uma das nossas excursões mais populares." As excursões de barco continuam com um mergulho nas fontes termais vulcânicas na ilha vizinha de Palea Kameni, seguido de um pôr-do-sol no convés virado para as falésias de Santorini. 

Outra excursão popular, ao magnífico sítio arqueológico de Akrotiri, serve como um lembrete sóbrio da força vulcânica. A próspera cidade da Idade do Bronze foi destruída pela erupção de há 3600 anos, que expeliu uma coluna de cinzas e rocha com cerca de 32 quilómetros de altura, sepultando a cidade. Cerca de 1.700 anos mais tarde, um desastre semelhante destruiria Pompeia. 

Com as cinzas e a lava removidas, os frescos de cores vivas de Akrotiri estão hoje maravilhosamente preservados. 

Um vulcão em ebulição

Os turistas podem fazer uma visita à ilha de Nea Kameni, onde há um vulcão ativo. Foto: Alf/Moment RF/Getty Images

Graças à sua fama mundial, Santorini tem sido palco de alguns dos maiores investimentos turísticos do país. Hilton e Nobu são algumas das marcas que chegaram à ilha nos últimos anos e os preços dos imóveis estão entre os mais altos da Grécia. 

No entanto, os geólogos – que estão a monitorizar de perto o Columbo – avisam que é apenas uma questão de tempo até que uma grande erupção ocorra novamente. 

No entanto, o "tempo" em anos de geologia pode ser ultralento. De tal forma que um agente imobiliário da ilha, que não quis ser identificado, diz que "a atividade vulcânica nunca entra na conversa" quando se vende uma propriedade. 

Quando entrar em erupção, o Columbo é capaz de produzir uma coluna de erupção com dezenas de quilómetros de altura e é também suscetível de desencadear um tsunami. O aumento da atividade há cerca de 10 anos suscitou preocupações, mas desde então tem vindo a diminuir. 

Se começarmos a assistir a um aumento da atividade no Columbo, temos de estar alerta", diz Druitt. "A boa notícia é que os vulcões dão muitos avisos". 

Entretanto, em 2020, a Agência de Proteção Civil da Grécia revelou um plano de 185 páginas para lidar com as consequências de uma possível ativação do grupo vulcânico de Santorini. 

Comida e vinho vulcânicos

A região é conhecida pelo vinho de uvas assyrtiko, que crescem em solo vulcânico. Foto: wjarek/iStockphoto/Getty Images

Na sua vida quotidiana, os habitantes locais têm pouco tempo para pensar no vulcão, para além das excursões. No verão, a ilha está cheia. O excesso de turismo continua a ser um dos maiores desafios, uma vez que a morfologia única de Santorini continua a atrair multidões. No ano passado, a União Internacional de Ciências Geológicas, em colaboração com a UNESCO, incluiu a caldeira de Santorini na sua primeira lista dos 100 principais locais de Património Mundial Geológico. 

Para além dos hotéis e restaurantes, todos os negócios da ilha estão ligados ao vulcão. Os cosméticos fabricados localmente estão repletos de minerais e os ingredientes alimentares de primeira qualidade são cultivados num solo único. Há um museu dedicado ao tomate-cereja de Santorini, um produto com Denominação de Origem Protegida desde 2006, e as favas da ilha são consideradas as melhores da Grécia. 

Depois do turismo, há a exportação mais famosa de Santorini: o vinho. Os habitantes da ilha dizem que há mais vinho do que água em Santorini. 

Cerca de um quinto dos quase 30 quilómetros quadrados da ilha é ocupado por vinhas, a maioria das quais produz assyrtiko, uma uva autóctone que dá origem a vinhos brancos que são crocantes, secos e – sem surpresa – minerais. 

As tradicionais casas-caverna escavadas nas rochas vulcânicas, chamadas yposkafa, são o local ideal para os casais em lua-de-mel que procuram umas férias de sonho. Mas para Nomikou, que cresceu em Santorini, era o Columbo que figurava nos seus sonhos de infância. 

"Fui muito influenciada pelas histórias do meu avô e do meu bisavô. Eles lembravam-se das pequenas explosões em Nea Kameni", diz. 

"Mas insistiam que o único com que nos devíamos preocupar era com «aquele que não se vê»". 

"Aos poucos, apercebi-me de que havia outro vulcão, debaixo de água. Um vulcão mais poderoso, misterioso e perigoso. É impossível saber se algum de nós sobreviverá a uma grande erupção, mas, a dada altura, haverá uma." 

Santorini poderá um dia voltar a ser enterrada sob uma camada de cinzas. Mas, por agora, enquanto os visitantes desfrutam de mais um pôr-do-sol deslumbrante com um copo de assyrtiko, o vulcão mantém-se em silêncio.

Continue a ler esta notícia