Não faz bem à saúde visitar determinados familiares só no Natal ou Ano Novo. E interprete bem a frase anterior: o que faz bem à saúde (e à esperança de vida) é visitá-los mais vezes - TVI

Não faz bem à saúde visitar determinados familiares só no Natal ou Ano Novo. E interprete bem a frase anterior: o que faz bem à saúde (e à esperança de vida) é visitá-los mais vezes

  • CNN
  • Kristen Rogers
  • 21 nov 2023, 09:05
Desfrute o Natal com a família no conforto do Lisbon Marriott Hotel

Investigadores analisaram dois tipos diferentes de solidão e três tipos diferentes de isolamento social. A falta de qualquer um destes cinco tipos de ligações sociais foi associada a um maior risco de morte prematura

A falta de certos tipos de ligações sociais está associada a um maior risco de morte prematura, segundo um estudo

por Kristen Rogers, CNN

Inspire-se com um resumo semanal sobre como viver bem, de forma simples. Subscreva a newsletter Life, But Better da CNN para obter informações e ferramentas concebidas para melhorar o seu bem-estar

 

Se vai visitar os seus entes queridos nesta época festiva, um novo estudo sugere que faça disso um hábito regular, caso ainda não o tenha feito. As pessoas que não socializam com amigos ou familiares podem ver o seu risco de morrer precocemente aumentar em 39%.

Muitos estudos anteriores associaram a solidão ou o isolamento social a um maior risco de morte prematura e a outros problemas de saúde. Mas poucos, ou nenhuns, analisaram a forma como estas associações dependem do impacto combinado de diferentes tipos de interação social, de acordo com um novo estudo publicado na revista BMC Medicine.

"Examinámos dois tipos diferentes de solidão e três tipos diferentes de isolamento social e descobrimos que cada um deles estava associado a um maior risco de morte", diz Hamish Foster, primeiro autor do estudo e investigador clínico da Escola de Saúde e Bem-Estar da Universidade de Glasgow, na Escócia, durante uma conferência de imprensa.

O sentimento de solidão, tal como definido pelos autores, foi medido por dois factores: a frequência com que os participantes sentiam que podiam confiar em alguém que lhes era próximo e a frequência com que se sentiam sós. O isolamento social dos participantes foi avaliado pela frequência com que recebiam visitas de amigos ou familiares, pela frequência com que participavam em atividades de grupo semanais e pelo facto de viverem sozinhos.

A falta de qualquer um dos cinco tipos de ligações sociais do estudo - em qualquer grau - foi associada a um maior risco de morte prematura por qualquer causa, segundo os autores.

O grande grupo de mais de 458.000 participantes fazia parte do estudo UK Biobank, que acompanhou os resultados de saúde de mais de 500.000 pessoas de meia-idade no Reino Unido - com idades compreendidas entre os 40 e os 69 anos - durante pelo menos 10 anos. Quando os participantes, com uma idade média de 56 anos, foram recrutados entre 2006 e 2010, responderam a um questionário sobre a sua vida social.

Os investigadores do estudo acompanharam os participantes após um período de cerca de 12 anos. Verificaram que, em comparação com as pessoas cuja família e amigos as visitavam diariamente, o risco de morte prematura dos que viviam sozinhos e nunca recebiam visitas aumentava 39%. E a participação em actividades com grupos de pessoas que não eram familiares não ajudou a reduzir este risco, sugerindo que as ligações com amigos ou familiares podem ser mais valiosas do que interacões potencialmente superficiais.

Mas o tempo passado com os entes queridos, pelo menos mensalmente, significou um risco menor. Estes contactos próximos podem ter fornecido "um apoio mais prático ou ser mais susceptíveis de identificar deteriorações subtis na saúde e no bem-estar de um indivíduo", afirmam os autores.

Os especialistas que não participaram no estudo elogiaram o contributo deste trabalho para a crescente quantidade de investigação sobre a relação entre as ligações sociais e a saúde.

"Este grande estudo fornece uma visão importante e matizada das relações complexas entre diferentes aspetos da ligação social e os resultados da mortalidade", diz  Anthony Ong, professor de psicologia na Universidade de Cornell, no estado de Nova Iorque, numa resposta enviada por e-mail. As descobertas "fornecem uma base empírica para pesquisas futuras sobre se o aprimoramento de certos tipos de conexão social pode trazer benefícios à saúde para os grupos mais isolados".

Ligações sociais e saúde

É necessária mais investigação para determinar as razões das conclusões do estudo e se os seus participantes podiam também ter sido afetados por outros fatores de saúde mental ou física, afirmaram os autores - mas eles têm algumas ideias.

Segundo o estudo, a desconexão social já foi associada a uma função imunitária deficiente, a problemas cardiovasculares como a hipertensão arterial e a perturbações do desenvolvimento neurológico. Pode também ser uma forma de stress que pode afetar negativamente o organismo.

As pessoas que referiram qualquer grau de desconexão social tinham mais probabilidades de ter um índice de massa corporal mais elevado, de ter mais problemas de saúde a longo prazo e de ter hábitos pouco saudáveis, como fumar, beber álcool em excesso ou não praticar atividade física suficiente. É também possível que qualquer um destes fatores possa conduzir à solidão ou ao isolamento social, em vez de resultar deles, de acordo com o estudo.

Os autores do estudo não dispunham de informações sobre a qualidade das relações com as pessoas com quem os participantes viviam, refere Foster - um pormenor que pode explicar o facto de a partilha de uma casa com alguém não ser necessariamente suficiente para reduzir o impacto negativo da solidão ou do isolamento.

Em termos gerais, o estudo oferece "implicações sobre o que fazemos para tentar ajudar as pessoas que estão isoladas", disse o coautor do estudo Jason Gill, professor de saúde cardiometabólica na Universidade de Glasgow, numa conferência de imprensa. "Porque o que os nossos dados também sugerem é que, provavelmente, um tipo de intervenção não vai resolver totalmente essa situação. É preciso fazer várias coisas para tentar resolver as vários componentes diferentes desta situação."

As pessoas que receberam visitas de entes queridos beneficiaram ainda mais com a participação noutras atividades de grupo, pelo que ambas são importantes para ajudar as pessoas a sentirem-se mais ligadas, diz Olivia Remes, investigadora de saúde mental da Universidade de Cambridge, em Inglaterra, que não esteve envolvida no estudo. Essas atividades podem ser uma aula sobre um hobby ou um serviço religioso, acrescenta Gill.

Os autores não analisaram o efeito da companhia de animais, diz Foster, mas outras investigações mostraram que ter um animal de estimação pode ser benéfico para quem mora sozinho.

Continue a ler esta notícia