"Escândalos e segredos". A bordo do navio residencial privado mais exclusivo do mundo - TVI

"Escândalos e segredos". A bordo do navio residencial privado mais exclusivo do mundo

  • CNN
  • Francesca Street
  • 3 mar, 22:00
The World, o navio privado exclusivo para o 1% dos mais ricos (Peter Antonucci)

É uma cidade flutuante que abriga exclusivamente o 1% da população, um parque de diversões para multimilionários e bilionários que circumnavega os oceanos do mundo.

Bem-vindo ao The World, um navio residencial privado exclusivo que alberga 165 apartamentos de luxo. Este navio está envolto em secretismo e a compra de um apartamento a bordo é feita apenas por convite - tem de ser nomeado por um residente e apoiado por outro. Diz-se que é obrigatório ter um património líquido de 10 milhões de dólares.

Se está a imaginar festas decadentes, cheias de intrigas e champanhe a fluir livremente - essencialmente um episódio marítimo da série da HBO "The White Lotus" - talvez não esteja muito longe, pelo menos de acordo com o relato de um ex-passageiro.

Não estou a dizer que tudo o que aconteceu em "O Lótus Branco" tenha acontecido no The World, mas penso que, em grande medida, a comparação não é imprecisa", diz Peter Antonucci, antigo residente, à CNN Travel.

"Há muitas pessoas ricas a fazer coisas divertidas, por vezes malandrecas, por vezes escandalosas".

Antonucci é um advogado reformado que passou seis anos como residente do The World. Em 2019, ele vendeu tudo. O motivo? "Depois de dar a volta ao mundo algumas vezes, já se viu tudo. Já tinha visto o que queria ver, estava pronto para fazer algo novo".

De volta a terra firme, Antonucci começou a ler os diários que tinha guardado durante os seus anos a bordo e decidiu que o ambiente de "clube de campo e casa de república" era a inspiração perfeita para a ficção.

Desde então, Antonucci escreveu três romances ambientados num navio fictício, o mais recente dos quais, "Tides of Betrayal", promete "segredos, pecados e escândalos" em alto mar.

Um convite exclusivo

Peter Antonucci diz que foi dono de quatro apartamentos no The World nos últimos anos. (Peter Antonucci)

Antonucci e a sua mulher souberam do The World através de um artigo no Wall Street Journal, por volta de 2012. O navio de 12 andares foi lançado em 2002 e tem 644 pés de comprimento.

Quando ouviu falar pela primeira vez desta cidade flutuante, Antonucci tinha 52 anos e estava a gozar as vantagens de uma reforma antecipada. Ficou intrigado com o conceito e a sua mulher também ficou entusiasmada por saber mais.

Os interessados podem reservar uma viagem experimental no The World como "potencial residente". Assim, em pouco tempo, Antonucci e a sua mulher estavam a embarcar no Belize e a navegar pelo Canal do Panamá na sua viagem de teste.

"Quando embarquei pela primeira vez, pensei que era ridiculamente caro. Não podia acreditar que os apartamentos fossem tão caros. Não podia acreditar que os custos de manutenção fossem tão elevados e não conseguia imaginar porque é que alguém faria isto", diz Antonucci. Mas no segundo dia, estava a dizer: "Quantos apartamentos têm disponíveis e quando é que me posso inscrever?"

Antonucci diz que foi seduzido por todos os aspectos do The World - desde a tripulação, a que chama "o maior trunfo do navio", graças à sua capacidade de antecipar todas as necessidades dos residentes, à infinidade de experiências exclusivas a bordo do navio e em terra, e ao itinerário rigorosamente planeado.

"Era como uma orquestra com muitas peças diferentes. Cada uma delas era óptima. Mas, em conjunto, era uma sinfonia", diz Antonucci.

Além disso, todos os actuais residentes foram muito acolhedores. Antonucci só descobriu mais tarde que todos tinham sido informados previamente sobre quem ele era e diz que foram encorajados a fazê-lo sentir-se em casa.

"Quando trazem os futuros residentes, há um e-mail que é enviado a todos os residentes", diz Antonucci. "Há um parágrafo, ou dois, ou três, ou mais, sobre o passado do potencial residente e perguntam-lhe se tem algo em comum com ele. E [somos encorajados], se os virmos, a oferecermo-nos para lhes pagar uma bebida, oferecer-lhes o jantar, jogar uma partida de ténis com eles, fazer qualquer coisa.

"É claro que eu não sabia que isso estava a acontecer - apenas pensei que era coincidência o facto de todas aquelas pessoas se aproximarem e me dizerem coisas simpáticas. Mas fiquei a conhecer algumas pessoas e senti-me bem."

Se os actuais residentes gostarem de um potencial residente, diz Antonucci, podem ser os seus proponentes.

"Muitas pessoas entram a bordo já conhecendo pessoas. Mas outros fizeram o 'cruzeiro de futuros residentes' e conheceram pessoas que acabaram por os apadrinhar", explica.

Após a bem sucedida viagem de degustação, Antonucci e a sua mulher assinaram um contrato de compra de um apartamento no The World. Fecharam-no quatro meses depois, no início de 2014. Antonucci diz que teriam feito tudo mais cedo, mas havia algumas coisas para resolver em terra.

"Tive filhos em Nova Iorque e tenho casas e coisas do género - não se pode pegar em tudo e fugir para o mar", diz Antonucci.

Os filhos de Antonucci estavam na casa dos 20 anos durante a sua estadia como residente mundial, mas vinham visitar os pais a bordo de vez em quando.

Compra de um milhão de dólares

Cada apartamento no The World é ligeiramente diferente: "alguns serão um pouco maiores do que outros, outros poderão ser um pouco mais pequenos", diz Antonucci.

Antonucci não se lembra dos valores exactos envolvidos, mas acredita ter comprado o seu primeiro apartamento a bordo por cerca de 1,6 milhões de dólares.

Ao contrário do que acontece num navio de cruzeiro normal, os residentes podem fazer renovações e decorar de acordo com os seus gostos pessoais. Isso significa que "alguns estão decorados com mobiliário moderno e electrodomésticos muito fixes, outros não são tocados há 20 anos", de acordo com Antonucci.

E renovar um apartamento a bordo de um navio não é muito simples - não há como "correr para o Home Depot".

"Tudo tem de ser inventariado e enviado com meses e meses de antecedência em caixotes - tudo tem de ser aprovado", diz Antonucci.

No total, Antonucci foi proprietário de quatro apartamentos distintos durante os cinco anos em que esteve a bordo do The World.

"Não todos ao mesmo tempo", explica. "Tive dois de uma vez. E depois tive os outros dois separadamente."

Antonucci melhorou de cada vez para algo um pouco mais chique - diz que os apartamentos subsequentes que comprou rondavam os 4 milhões de dólares.

Durante o período em que possuía duas propriedades, oferecia a que estava vazia a amigos que convidava para entrar a bordo.

Planeamento por comité

A maioria dos residentes a bordo do The World utiliza o seu apartamento como uma espécie de casa de férias - trata-se de pessoas que provavelmente têm várias residências em vários países e que podem ser encontradas a viajar em jactos privados por todo o mundo em qualquer altura.

Quando o navio estava a navegar pela Europa, Antonucci ia e vinha regularmente, desfrutando dos luxos do The World de duas em duas semanas, mais ou menos, e regressando a Nova Iorque pelo meio.

Quando o navio estava mais longe, normalmente ficava a bordo por períodos mais longos.

"Se fosse num lugar distante e muito divertido, como as Maldivas ou as Seychelles, a Austrália, a Nova Zelândia, ou qualquer outro lugar assim, eu ia e passava um bom tempo lá", diz Antonucci. "Se o navio estivesse num sítio interessante, eu preferia sempre estar no navio."

O World também marca a sua chegada a certos portos com eventos importantes - como Londres para Wimbledon, Rio de Janeiro para o Carnaval.

O entretenimento a bordo também está incluído na mudança anual de serviço e inclui palestras de especialistas e actividades organizadas, como snorkeling, mergulho e caminhadas.

Os hóspedes não estão presos aos eventos pré-organizados. Antonucci lembra-se de uma vez em que o navio estava "a sul do Canal do Panamá" e ele e os amigos "apanharam um avião ou um barco e foram até às Galápagos fazer snorkeling e mergulho durante alguns dias".

"Pode ir sozinho e fazer isso, e depois apanhar o navio, onde quer que ele esteja", explica.

O itinerário do World é planeado com dois a três anos de antecedência, diz Antonucci. Esse planeamento é um processo "muito complicado", de acordo com Antonucci. Segundo ele, existe um comité de itinerários, constituído por residentes, que pondera as experiências disponíveis em cada destino.

Entretanto, Antonucci diz que o diretor do itinerário do navio "analisa coisas como os preços do combustível, as mudanças de tripulação, os aeroportos mais importantes, as acessibilidades mais fáceis, os requisitos de visto e as taxas de atracagem". Os capitães dos navios também dão a sua opinião.

Com base nesta informação, são propostos três itinerários potenciais aos residentes, que depois votam no seu trajeto preferido.

"Como se pode imaginar, isto torna-se muito político", diz Antonucci, que foi membro do conselho de administração durante alguns anos. Segundo a sua experiência, os residentes do The World tendem a ser "opinativos".

"Toda a gente é bastante abastada e ganhou dinheiro - toda a gente pensa que tem a opinião mais inteligente e a melhor maneira de fazer as coisas", explica. "Não estão habituados a que lhes digam que não. E há muitas pessoas com opiniões muito fortes que têm opiniões sobre tudo, desde o local onde o saleiro deve ser colocado na mesa, até à distância que o navio deve percorrer no gelo da Antárctida".

Então, se todos a bordo do The World têm um fluxo interminável de rendimento disponível, porque é que não viajam para onde querem ir em super-iates privados? Por que razão optam por navegar num navio cujo itinerário é votado por um comité?

"Oh, essa é uma pergunta muito fácil", diz Antonucci. "Muitas das pessoas a bordo do navio também tinham iates. Toda a minha vida fui um velejador. A razão pela qual se vai no The World é para não ter de lidar com a contratação da tripulação, descobrir onde comprar combustível, passar cheques para cada pequena coisa.

Basta passar um cheque chorudo todos os anos. E está tudo tratado."

Escândalos e segredos

Antonucci diz que “há muita bebida” e “muita festa” a bordo do The World. (Peter Antonucci)

Para muitos residentes, a vida social a bordo do The World é também uma grande parte do atrativo. Antonucci chama ao navio "uma comunidade muito, muito social".

Embora as crianças sejam bem-vindas a bordo do The World, muitas das ofertas a bordo destinam-se aos adultos - um campo de ténis de tamanho normal, um vasto spa e um centro de fitness. Há também uma extensa coleção de vinhos a bordo, e a comida e bebida dos hóspedes está incluída numa mudança de serviço anual.

"Há muita bebida, muita festa. E essa é a graça da coisa", diz ele.

Quando Antonucci era residente, diz que "os cavalheiros usavam casaco e gravata". A última vez que esteve no navio, de visita a amigos, foi em novembro de 2023 e diz que os tempos mudaram - sugere que agora é mais provável ver pessoas de calções e tops do que de gravata preta.

"Isso é um pouco lamentável", diz Antonucci, melancolicamente.

Um subproduto da próspera cena social a bordo era "haver casos por todo o lado", segundo Antonucci.

A CNN contactou vários outros residentes para obter os seus relatos sobre a vida a bordo, mas estes não responderam ou recusaram-se a comentar. Os proprietários do World também não responderam ao relato de Antonucci sobre a vida a bordo. A CNN não conseguiu corroborar as suas afirmações.

"Há muita bebida e farra", diz Antonucci, o que pode levar a "escândalos e segredos".

"As coisas acontecem", diz ele. "Algumas delas são divertidas. Algumas são pessoas a embebedarem-se, a cantarem canções e a divertirem-se à grande. E isso é relativamente inofensivo. E mesmo alguns dos casos e outras coisas são inofensivos - se as pessoas estiverem disponíveis, solteiras, tudo bem. Mas há pessoas casadas, casais casados no navio, que nem sempre estão a dormir com o seu cônjuge".

Antonucci diz que esta cena não era para ele.

"Eu tinha o meu grupo de amigos e nenhum dos meus amigos estava envolvido nisso - embora estivesse a mentir se dissesse que não bebemos um copo e rimos sobre isso."

Experiência de uma vida

Antonucci deixou o The World, mas diz que está grato por ter viajado pelo mundo por mar. (Peter Antonucci)

Antonucci recorda com carinho o tempo que passou no The World, mas diz que não compraria outro apartamento a bordo.

"Eu já tinha visto o que queria ver, estava pronto para fazer algo novo na minha vida", diz ele sobre a decisão de vender em 2019.

"Comprei uma casa na Florida e decidi tornar-me muito agressivo em relação ao golfe. Temos cavalos. Temos um cavalo de dressage e um caçador de saltos. Foi uma altura de virar a página da minha vida, o que tento fazer de duas em duas décadas e tentar algo novo."

Além disso, Antonucci diz que "a política e os mexericos no navio se tornaram um pouco avassaladores".

Antonucci diz que quando os residentes a bordo do The World souberam pela primeira vez das suas intenções de escrever romances sobre um navio residencial fictício, alguns disseram-lhe que estavam "assustados" por ele estar prestes a revelar os segredos de todos.

Os actuais e antigos residentes não costumam falar das suas experiências, diz Antonucci.

"Muitas pessoas ficaram ofendidas com o facto de eu revelar os segredos internos do The World", continua. "As pessoas imploraram-me: 'Não escrevas nada sobre nós, não nos incluas, blá blá blá'.

Depois o livro saiu e, claro, as pessoas que tinham tanto medo de serem retratadas, vieram ter comigo e disseram: 'Como é que eu não estou no livro?

Antonucci sublinha que os seus romances são ficção e não incluem pessoas reais.

Numa declaração fornecida à CNN Travel, um representante do The World disse que Antonucci "garantiu-nos por escrito que as suas obras não estão relacionadas com o The World ou com os seus residentes e que as suas publicações são obras de arte fictícias sobre um navio fictício".

O representante disse que o navio deseja a Antonucci "felicidades nos seus trabalhos criativos de ficção, que entendemos não terem qualquer relação com o The World ou qualquer um dos seus residentes".

Antonucci diz que, acima de tudo, está eternamente grato por ter passado algum tempo a bordo do The World. Diz que a experiência moldou a sua vida e a sua visão do mundo atual.

"Nem sei por onde começar quando me perguntam qual foi a coisa mais incrível que vi", diz ele. "Podia falar sobre as Ilhas Salomão. Podia contar-vos que sempre que íamos à África do Sul, saíamos e fazíamos um safari durante uma semana. Estabelecemos um recorde mundial do Guinness por sermos o navio que viajou mais para sul do que qualquer outro navio na história."

E embora Antonucci nem sempre se tenha dado bem com toda a gente a bordo, ainda hoje tem bons amigos do The World.

"São recordações muito, muito especiais", diz ele. "E estou contente por as ter partilhado com amigos."

Continue a ler esta notícia