Palhinha: «Voltar a fazer história? Temos toda a capacidade para isso» - TVI

Palhinha: «Voltar a fazer história? Temos toda a capacidade para isso»

João Palhinha em conferência de imprensa da seleção (RODRIGO ANTUNES/Lusa)

Portugal-Islândia, 2-0 (reportagem)

* Por Tomás Brito

João Palhinha, em declarações na zona mista, após o encontro entre Portugal e Islândia (2-0), jogo referente à qualificação para o Euro 2024, no Estádio José Alvalade:

[Quando era jovem e estava a jogar no Sacavenense imaginava-se a chegar agora ao ponto mais alto, se calhar, da sua carreira: a qualificação para um Europeu?]

«Sinceramente, longe de mim pensar que ia atingir este nível, viver isto tudo que tenho vindo a viver, não só na Seleção, mas também no clube. Tudo o que se tem passado na minha carreira, jamais pensei vir a concretizar-se, mas é sinal do meu valor, sinal também de muito trabalho que está por trás. Obviamente estou muito feliz.»

[Agora que a equipa já está no Euro, quais são os objetivos? Acredita que a Seleção Nacional pode voltar a fazer história?]

«Temos a capacidade toda para isso, agora temos pensar objetivo por objetivo, passo a passo. Acima de tudo, o objetivo é passar a fase de grupos e depois daí em diante logo definimos mais objetivos. Às vezes o mais difícil é ter o sumo para conseguir atingir esses objetivos, esses sonhos e acho que o sumo todo que nós temos, mais as pessoas que ficaram de fora, é reflexo também do valor todo que tem esta seleção. Acho que temos de encarar as coisas que aí vêm com a máxima responsabilidade, mas realçar este enorme trabalho que foi feito nestes últimos meses, desde a vinda do mister Roberto, que trouxe um espírito novo à equipa. Acho que as melhorias acabam por estar à vista.»

[Sobre o grupo de Portugal e a qualidade dos adversários]

«Às vezes as pessoas olham para o nosso grupo e menosprezam um bocadinho aquilo que eram as equipas do nosso grupo. Se fosse assim tão fácil, já outra seleção teria batido este recorde que batemos hoje, que é algo inédito. Não é assim tão fácil, se formos a ver. Obviamente que temos muito valor nisto, agora o Euro há de exigir outro tipo de competitividade, outro tipo de qualidade, mas acho que temos todo o potencial para encarar com máxima força.»

Continue a ler esta notícia

EM DESTAQUE