Empresas portuguesas mostram “grande reforço” na indústria da defesa - TVI

Empresas portuguesas mostram “grande reforço” na indústria da defesa

  • Agência Lusa
  • DCT
  • 20 abr, 09:49
Lançador de foguetes múltiplos ucraniano dispara sobre as posições russas em Bakhmut (Getty Images)

No ano passado, o valor das exportações portuguesas deste setor foi de 3,5 mil milhões de euros, o que se traduziu num crescimento de 0,7%. Em termos comparativos, a subida foi menor que a registada globalmente e que atingiu 4,3%.

Cerca de trinta empresas e entidades portuguesas do setor metalúrgico e metalomecânico participam, a partir de segunda-feira, na Hannover Messe, na Alemanha, e mostram o “grande reforço” na indústria da defesa, refere a associação que representa o setor.

“A indústria da defesa vai ganhando importância crescente (…) Há um conjunto crescente de empresas já a trabalhar nessa área, licenciadas por vários governos europeus para serem fornecedoras nesse domínio”, apontou Rafael Campos Pereira, vice-presidente executivo da Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal (AIMMAP).

“É um esforço patriótico que os países europeus têm de fazer face a uma ameaça enorme com que estão confrontados. Todos sabemos a ameaça que a Rússia é neste momento para a Europa, que pode ser particularmente perigosa em função do resultado das eleições americanas. A Europa tem de se rearmar rapidamente e, para esse efeito, há empresas portuguesas que estão disponíveis e muito capazes de trabalhar nesse esforço”, acrescentou.

A Alemanha garantiu, no mês passado, que vai acelerar o fornecimento de armas à Ucrânia. O mercado alemão é o terceiro maior destino das exportações portuguesas da indústria metalúrgica e metalomecânica, depois de Espanha, em primeiro lugar, e França, que aparece em segundo.

No ano passado, o valor das exportações portuguesas deste setor foi de 3,5 mil milhões de euros, o que se traduziu num crescimento de 0,7%. Em termos comparativos, a subida foi menor que a registada globalmente e que atingiu 4,3%.

Para “consolidar a presença na Alemanha” e continuar a dar “visibilidade às empresas nacionais”, Portugal volta a marcar presença na Hannover Messe, a “feira das feiras”, este ano com uma expressão menor devido à situação difícil que o mercado alemão atravessa, mas com o mesmo entusiasmo.

“Sentimentos que o mercado alemão está mais difícil (…) Provavelmente houve outros fornecedores de outros países que tiveram quebras maiores. Nós conseguimos, apesar de tudo, manter os nossos níveis graças a algum reconhecimento da qualidade dos nossos produtos e de uma excelente relação qualidade-preço”, sublinhou Rafael Campos Pereira.

No total, são cerca de 30 empresas que produzem tecnologias de produção e particularmente de peças técnicas.

“Empresas de fundição, de maquinagem, de serviços técnicos. São empresas que fazem componentes essencialmente para os setores mais sofisticados possíveis, desde o aeronáutico, aeroespacial, automóvel, ferroviário, químico”, detalhou o vice-presidente executivo da AIMMAP.

A Hannover Messe começa no dia 22 e termina a 26 de abril na cidade de Hanôver.

Continue a ler esta notícia