Sindicatos dos médicos dizem que acordo com Governo ainda está longe - TVI

Sindicatos dos médicos dizem que acordo com Governo ainda está longe

  • Agência Lusa
  • AG
  • 31 out 2023, 19:32

Dirigente do SIM diz que ficou surpreendido com o pedido da FNAM

Relacionados

Os sindicatos dos médicos adiantaram esta terça-feira que estão ainda “muito longe” de chegar a um acordo com o Governo, durante um intervalo da nova ronda negocial no Ministério da Saúde, que já dura mais de três horas.

“É essencial darmos uma resposta. Ou sim ou não à possibilidade de acordo. Estamos muito longe desse acordo e não deixaremos de o fazer por causa de questões procedimentais”, disse aos jornalistas o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Jorge Roque Cunha.

O dirigente sindical afirmou ter sido surpreendido com o facto de a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) ter pedido para ver os diplomas das Unidades de Saúde Familiar e da criação do regime da dedicação plena dos médicos.

“A FNAM decidiu hoje colocar como questão o conhecimento prévio de um documento que já foi promulgado pelo Presidente da República e está para referendo do primeiro-ministro. Fomos surpreendidos nesta reunião. Esperemos que nesta reunião essa questão seja ultrapassada, porque queremos resolver o problema do Serviço Nacional de Saúde [SNS]”, observou.

Poucos minutos mais tarde, a presidente da FNAM, Joana Bordalo e Sá confirmou ter sido feita uma pausa e que as negociações iriam ser retomadas “com toda a normalidade e toda a regularidade”, após terem acesso aos documentos solicitados.

“É fundamental conhecermos o conteúdo destes diplomas para nos podermos pronunciar sobre o princípio de acordo que temos em cima da mesa. (…) A FNAM necessita conhecer esses articulados para poder continuar a discutir o documento que o Governo nos apresentou”, referiu.

Joana Bordalo e Sá considerou também que será difícil chegar a um acordo com o Governo ainda hoje.

“(…) Provavelmente vai ser mesmo difícil, tendo em conta o documento que nos foi enviado, que não contempla aquilo tudo que foi debatido (…) na reunião que tivemos no domingo, que durou nove horas. Saímos daqui [Ministério da Saúde] no domingo com a sensação de que alguns dos princípios estariam efetivamente acordados”, salientou.

As negociações entre o Ministério da Saúde e o SIM e a FNAM iniciaram-se há 18 meses, mas a falta de acordo tem agudizado a luta dos médicos, com greves e declarações de escusa ao trabalho extraordinário além das 150 horas anuais obrigatórias, o que tem provocado constrangimentos e fecho de serviços de urgência em hospitais de todo o país.

Continue a ler esta notícia

Relacionados