Dois sismos de magnitude 4 na escala de Richter sentidos nas ilhas Terceira e São Miguel - TVI

Dois sismos de magnitude 4 na escala de Richter sentidos nas ilhas Terceira e São Miguel

  • Agência Lusa
  • MJC
  • 25 set 2023, 19:04
Ilha Terceira

Segundo fonte do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores, não há registo de danos

Dois sismos de intensidade 4 na escala de Richter foram registados esta segunda-feira nas ilhas Terceira e São Miguel, informou o Centro de Informação e Vigilância sismovulcânica dos Açores (CIVISA).

Segundo o CIVISA, o primeiro sismo foi registado às 16:44 locais (17:44 em Lisboa), com magnitude 4 na escala de Richter, e teve epicentro a cerca de 3 quilómetros a nordeste da Santa Bárbara, na ilha Terceira.

O segundo evento, com a mesma intensidade na escala de Richter, foi registado às 16:47 locais (17:47 em Lisboa), com epicentro a cerca de 2 quilómetros a nordeste da Santa Bárbara.

“De acordo com a informação disponível até ao momento, os sismos foram sentidos com intensidade máxima V (Escala de Mercalli Modificada) nas freguesias da zona oeste da ilha Terceira. Os eventos foram ainda sentidos com intensidade IV/V na zona leste da ilha Terceira e com intensidade II/III no concelho de Ponta Delgada (ilha de São Miguel)”, adiantou o CIVSA.

Segundo fonte do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores, não há registo de danos.

Desde 24 de junho de 2022 que a atividade sísmica no vulcão de Santa Bárbara, na ilha Terceira, se encontra “acima dos valores normais de referência”, com o nível de alerta científico V2 (possível reativação do sistema – sinais de atividade moderada).

Foram hoje instaladas duas estações de GNSS (sistema de navegação por satélite), para monitorizar a deformação de terrenos na ilha.

Segundo o responsável pelo gabinete de crise do Instituto de Investigação em Vulcanologia e Avaliação de Riscos (IVAR) da Universidade dos Açores, João Luís Gaspar, a atividade sísmica do vulcão de Santa Bárbara tem registado “picos de libertação de energia”, mas o alerta sismovulcânico mantém-se em V2, por não haver alterações significativas de outros parâmetros.

“Mantivemos até agora o nível V2 porque a transição para o nível V3, como aconteceu em São Jorge, é de certa maneira determinada pela ocorrência de mais do que um parâmetro a variar significativamente no mesmo tempo e na mesma zona. Não é o que aconteceu aqui na Terceira. As variações que temos são muito pouco significativas e, a manter-se assim, manter-se-á também o nível de alerta”, adiantou João Luís Gaspar, à margem da instalação das estações GNSS.

Segundo a escala de Richter, os sismos são classificados segundo a sua magnitude como micro (menos de 2,0), muito pequenos (2,0-2,9), pequenos (3,0-3,9), ligeiros (4,0-4,9), moderados (5,0-5,9), forte (6,0-6,9), grandes (7,0-7,9), importantes (8,0-8,9), excecionais (9,0-9,9) e extremos (quando superior a 10).

A escala de Mercalli Modificada mede os "graus de intensidade e respetiva descrição".

Com uma intensidade V, considerada forte, o abalo é “sentido fora de casa, pode ser avaliada a direção do movimento, as pessoas são acordadas, os líquidos oscilam e alguns extravasam, pequenos objetos em equilíbrio instável deslocam-se ou são derrubados”, revela o Instituto do Mar e Atmosfera (IPMA) na sua página da Internet.

Neste grau, “as portas oscilam, fecham-se ou abrem-se, os estores e os quadros movem-se” e “os pêndulos dos relógios param ou iniciam ou alteram o seu estado de oscilação”.

Quando há uma intensidade IV, considerada moderada, “os objetos suspensos baloiçam, a vibração é semelhante à provocada pela passagem de veículos pesados ou à sensação de pancada duma bola pesada nas paredes, os carros estacionados balançam, as janelas, portas e loiças tremem, os vidros e loiças chocam ou tilintam e na parte superior deste grau as paredes e as estruturas de madeira rangem”.

Continue a ler esta notícia