Porque é que temos várias vezes o mesmo sonho? - TVI

Porque é que temos várias vezes o mesmo sonho?

  • CNN
  • Kristen Rogers
  • 16 abr 2023, 11:00
Sono dormir sonho sonhar Obra de arte quadro via Getty Images

Costuma ter sonhos recorrentes? Há razões para isso. E recomendações para lidar com o que alguns deles significam. Eis como descobrir o que está a desencadear os seus sonhos que se repetem.

Relacionados

Durante anos, o meu sono foi atormentado com sonhos dos meus dentes a rangerem, a soltarem-se ou caírem. Pessoas que amo sonharam repetidamente com voar, com rolarem para longe num carro auto-operado ou com chegarem atrasados à escola ou ao trabalho. Não se trata nestes casos de pesadelos típicos, que normalmente acontecem uma vez – mas sim de alguns dos sonhos recorrentes mais comuns, que tendem a ser negativos e podem dar algum trabalho a superar.

“Os sonhos recorrentes são provavelmente mais sobre experiências de vida muito profundas, ou sobre questões de lógica de carácter muito profundas, que são mais ou menos recorrentes na vida ‘acordada’ porque são parte de si em vez de serem um acontecimento único”, explica a investigadora de sonhos Deirdre Barrett, professora de Psicologia no Departamento de Psiquiatria da Harvard Medical School, nos Estados Unidos.

Os sonhos recorrentes que tendem a ser negativos podem ser stressantes.

Uma vez que os nossos sonhos normalmente não se repetem, basta ter o mesmo sonho duas vezes para que já seja considerado recorrente, avança Barrett. Eles são mais comuns na infância, detalha, mas podem durar até à idade adulta. E os sonhos recorrentes nem sempre acontecem muito próximos uns dos outros - podem surgir várias vezes por mês ou com anos de intervalo, diz Barrett.

De acordo com os especialistas, os sonhos recorrentes podem ser sempre os mesmos, ou podem apenas reciclar os mesmos tipos de cenários ou de preocupações.

“É difícil avaliar a prevalência de sonhos recorrentes porque tê-los não é algo que aconteça regularmente à maioria das pessoas”, afirma o psicólogo clínico Nirit Soffer-Dudek, docente sénior no departamento de Psicologia da Universidade Ben-Gurion do Negev, em Israel, por correio eletrónico. “E quando as pessoas são questionadas sobre sonhos que tiveram no passado, podem ser influenciadas por distorções da memória, interesse em sonhos (ou falta dele) ou outros fatores”.

Independentemente disso, qualquer coisa que surja repetidamente merece ser investigado, diz o especialista em medicina do sono Alex Dimitriu, fundador da Silicon Psych, uma clínica de psiquiatria e medicina do sono em Menlo Park, na Califórnia, EUA.

“As pessoas têm abordagens tipo toque-e-foge com coisas que lhes são desconfortáveis ou induzem medo, e eu penso que, de alguma forma, com os sonhos acontece a mesma coisa”, diz Dimitriu. “Como psiquiatra, estou inclinado a dizer que há alguma mensagem que [o sonho] pode estar a tentar transmitir-lhe. E a resposta, então, pode ser descobrir qual ela é. E penso que, quando o fizer, poderá ser capaz de pôr o assunto para trás”.

Eis como descobrir o que está a desencadear os seus sonhos recorrentes.

O que há num sonho?

“Flaming June”, de Frederic Leighton, quadro a óleo de 1895. Fotografia VCG Wilson Corbis via Getty Images

Em alguns sonhos recorrentes, a mensagem é simples - se sonha repetidamente em chegar atrasado à escola ou ao trabalho, é provável que esteja muitas vezes nervoso por não se sentir preparado para essas coisas. Mas outros sonhos, apesar da sua banalidade, podem não ter um significado universal, exigindo que se faça uma pesquisa profunda para perceber melhor.

“Na interpretação, não acreditamos realmente que existam símbolos universais, mas que cada indivíduo tem o seu sistema de símbolos pessoais e os associa a qualquer coisa”, analisa Barrett.

Além da falta de preparação, outros temas comuns de sonhos recorrentes incluem inibição social, sentir-se inadequado em comparação com outros e o perigo sob a forma de acidentes de automóvel ou desastres naturais, explicaram Barrett e Dimitriu.

Algumas pessoas têm sonhos que giram em torno da ansiedade antes de testes [escolares], mesmo que não frequentem a escola há anos, diz Barrett. Isto pode refletir um medo geral de fracasso ou uma sensação de ser julgado por figuras de autoridade. Sonhos com dentes perdidos ou estragados podem ter a ver com a perda de alguma outra coisa na vida, com sentir-se desesperançado ou indefeso, ou estar com preocupações de saúde.

Quando confrontado com um sonho recorrente, pergunte a si mesmo qual poderá ser a mensagem, recomenda Dimitriu. Qual é a sua relação com as coisas ou pessoas do sonho? Quais são os seus receios e sistemas de crenças sobre essas coisas? Quais são as cinco principais coisas na sua vida que podem estar a desencadear ou relacionadas com isso? Com que é que está realmente preocupado?

“Penso mesmo que se pode fazer interpretação informal de sonhos, quer por si próprio, quer com uma pessoa próxima e de confiança que pode simplesmente ver coisas e questionar o que você não vê”, diz Barrett.

Pessoas com distúrbio de stress pós-traumático (DSPT) ou ansiedade são mais propensas a ter sonhos recorrentes, especialmente aqueles com naturezas ansiosas, diz Dimitriu. Um sonho DSPT deriva de um trauma tão severo que continua a regressar como um pesadelo.

“O cérebro está a tentar resolver alguma e pô-la a descansar”, acrescenta. Mas “nas pessoas com DSPT, os sonhos são tão vívidos que os acordam do sono. E isso torna-se um problema porque o sonho nunca é processado. ... E é por isso que se repete - é um trabalho inacabado”.

Por vezes os sonhos recorrentes também podem apontar para fontes biológicas. “As pessoas com apneia do sono relatarão sonhos de, por exemplo, afogamento, sufocamento, ondas gigantes, ofegar, arfar, estar debaixo de água ou sentirem-se sufocadas”, diz Dimitriu, quando na realidade estão a sofrer interrupções respiratórias devido à sua condição.

Também pode haver gatilhos ambientais, tais como um alarme de um automóvel na rua ou uma torneira a pingar, acrescenta, o que pode desencadear sonhos com imagens dessas coisas.

Como lidar

“Na Cama”, 1878, do artista Federico Zandomeneghi. Foto Fine Art Images Heritage Images via Getty Images

Quando tiver uma melhor perceção das suas preocupações, escrever sobre elas antes de dormir pode ser útil para aliviar os sonhos negativos recorrentes e o stress em geral.

“Para os meus pacientes, e para mim, escrever um diário é uma ferramenta poderosa”, diz Dimitriu. A meditação também pode ajudar.

Quando já sabe qual é o medo que está por detrás do sonho, Dimitriu recomenda que o seu processamento seja feito através de um método das Três Colunas utilizado na terapia comportamental cognitiva: Qual é o seu pensamento automático? Qual é o seu sentimento automático? Por último, qual é o pensamento alternativo mais baseado na realidade?

A terapia de ensaio de sonhos, também conhecida como terapia de ensaio de imagens, pode ser eficaz tanto para sonhos recorrentes como para pesadelos. Esta abordagem envolve escrever em detalhe os elementos narrativos do sonho, e depois reescrevê-lo de modo a que ele termine de forma positiva. Mesmo antes de adormecer, irá estabelecer a intenção de sonhar de novo se disser em voz alta: “Se ou quando tiver o início do mesmo pesadelo, poderei, em vez disso, ter este sonho muito melhor com um resultado positivo”.

Se os seus sonhos recorrentes o estiverem a deixar stressado ou infeliz, a causar outros sintomas ou a começar a prejudicar a sua capacidade de funcionar regularmente, é altura de procurar ajuda profissional, recomendam os especialistas.

Pode haver outra razão

Os sonhos recorrentes podem também resultar de uma má higiene do sono, diz Soffer-Dudek.

“Muitas coisas estranhas acontecem durante a noite quando as pessoas são privadas de sono, bebem cafeína demasiado tarde, bebem álcool demasiado tarde, trabalham demasiado tarde ou dormiram quatro horas ontem à noite porque ficaram acordadas até demasiado tarde”, afirma. “O núcleo fundamental e a base de uma vida de sonho saudável começa com o sono saudável”.

Dimitriu também recomenda a limitação das distrações que interferem com o seu tempo para refletir e processar, tais como passar tempo desnecessário no telefone ou preencher sempre o silêncio.

Quando a sua mente está sempre ocupada, “o que acontece é que todo o processamento tem de acontecer algures”, disse Dimitriu. “Por isso, há mais pressão para que isso aconteça na sua vida de sonhos”.

 

Imagem no topo: "Femme Etendue Sur Un Divan", 1899, quadro pertencente à Coleção do Petit Palais, Musée des Beaux-Arts de la Ville de Paris. Foto Fine Art Images Heritage Images via Getty Images

 

Continue a ler esta notícia

Relacionados