Generais rivais lutam pelo controlo do Sudão. Eis um guia simples para compreender o que está em causa - TVI

Generais rivais lutam pelo controlo do Sudão. Eis um guia simples para compreender o que está em causa

  • CNN
  • Nima Elbagir, Tamara Qiblawi e Amarachi Orie
  • 25 abr 2023, 20:00
O líder militar sudanês Abdel Fattah al-Burhan e o comandante das forças paramilitares de apoio rápido Mohamed Hamdan Dagalo

Situação crítica no Sudão. Compreenda o que está em jogo.

Os ferozes combates em todo o Sudão deixaram em frangalhos as esperanças numa transição pacífica para um governo civil.

As forças leais a dois generais rivais disputam o controlo e, como acontece frequentemente, os civis são os que mais têm sofrido, acumulando-se dezenas de mortos e centenas de feridos.

Organizações médicas e várias testemunhas oculares afirmaram que as instalações médicas estavam a ser bombardeadas em ataques militares, à medida que os confrontos entre o exército sudanês e os paramilitares se intensificavam ao longo dos dias. Em declarações à CNN, ambas as partes negaram o bombardeamento de hospitais.

Eis o que precisa de saber.

A luta pelo poder está no centro dos confrontos

No coração da confrontação estão dois homens: o líder militar sudanês Abdel Fattah al-Burhan e o comandante das forças paramilitares de apoio rápido (FAR), Mohamed Hamdan Dagalo.

Até há pouco tempo, eles eram aliados. Os dois trabalharam juntos para derrubar o presidente sudanês deposto, Omar al-Bashir, em 2019, e desempenharam um papel fundamental no golpe militar de 2021.

No entanto, as tensões surgiram durante as negociações para integrar as FAR nas forças armadas do país, como parte dos planos para restaurar o governo civil.

A questão fundamental: quem estaria subordinado a quem na nova hierarquia.

Estas hostilidades, disseram fontes à CNN, são o culminar daquilo que ambas as partes consideram ser uma luta existencial pelo domínio do país.

O Sudão não é estranho a convulsões

É difícil exagerar o quão sísmico foi o derrube de Bashir. O Presidente Bashir liderou o país durante quase três décadas, quando os protestos populares que começaram com o aumento do preço do pão o derrubaram do poder.

Durante o seu governo, o Sudão do Sul separou-se do Norte e o Tribunal Penal Internacional emitiu um mandado de captura contra Bashir por alegados crimes de guerra no Darfur, uma região ocidental separatista.

Após a expulsão de Bashir, o Sudão passou a ser governado por uma aliança difícil entre militares e grupos civis.

Tudo isso terminou em 2021, quando o governo de partilha de poder foi dissolvido pelas forças armadas.

As FAR tem um passado polémico

As Forças de Apoio Rápido são o principal grupo paramilitar do Sudão, cujo líder, Dagalo, teve uma rápida ascensão ao poder.

Durante o conflito sudanês no Darfur, no início da década de 2000, ele foi o líder das famosas forças Janjaweed do Sudão, implicadas em violações dos direitos humanos e atrocidades.

Um protesto internacional levou Bashir a formalizar o grupo em forças paramilitares conhecidas como Unidades de Informação Fronteiriça.

Em 2007, as suas tropas passaram a fazer parte dos serviços de informação do país e, em 2013, Bashir criou a FAR, um grupo paramilitar supervisionado por ele e liderado por Dagalo.

Dagalo virou-se contra Bashir em 2019, mas não antes de as suas forças abrirem fogo contra uma manifestação anti-Bashir e pró-democracia em Cartum, matando pelo menos 118 pessoas.

Mais tarde, foi nomeado deputado do Conselho Soberano de transição que governou o Sudão em parceria com a liderança civil.

Os dois rivais são espelho um do outro

Burhan é essencialmente o líder do Sudão. Na altura do derrube de Bashir, Burhan era o inspector-geral do exército.

A sua carreira tem seguido um percurso quase paralelo ao de Dagalo.

Nos anos 2000, tornou-se proeminente pelo seu papel nos dias negros do conflito do Darfur, onde se crê que os dois homens entraram em contacto pela primeira vez.

Al-Burhan e Dagalo cimentaram a sua ascensão ao poder ao cativarem as potências do Golfo.

Comandaram batalhões separados de forças sudanesas, que foram enviadas para servir com as forças da coligação liderada pelos sauditas no Iémen.

Agora, encontram-se envolvidos numa luta pelo poder.

“Tentativa de golpe”

Em declarações à CNN, Burhan caracterizou a ofensiva das FAR como uma “tentativa de golpe”.

“Trata-se de uma tentativa de golpe e de rebelião contra o Estado”, disse Burhan à CNN por telefone. O líder das FAR, Dagalo, “amotinou-se” contra o Estado e, se for capturado, será julgado em tribunal.

Burhan alegou na entrevista à CNN que as FAR tinham tentado “capturar-me e matar-me”.

Quando questionado sobre essa alegação, um porta-voz das FAR disse à CNN que o grupo estava “a tentar capturá-lo” e levá-lo à justiça por “muitos atos de traição contra o povo sudanês”.

“Estamos a lutar por todo o povo sudanês”, afirmou o porta-voz em comunicado. “Vamos levar todas as partes responsáveis à justiça e dar-lhes um julgamento justo.”

Quando questionado sobre a razão pela qual o povo sudanês deveria confiar nele, dada a sua anterior aliança com Dagalo, Burhan disse à CNN: “O exército sudanês é o exército do povo”.

“Não é propriedade de pessoas ou organizações específicas”, disse. “É uma instituição nacional, que tem a tarefa de defender o Sudão”.

O Sudão enfrenta um futuro incerto

Não é claro onde é que os combates vão acabar. Ambas as partes reivindicam o controlo de locais chave e têm sido registados combates em todo o país, em locais distantes da capital Cartum.

Segundo várias estimativas oficiais e não oficiais, as forças armadas sudanesas rondam os 210-220 mil efetivos, ao passo que as FAR são cerca de 70 mil, mas estão mais bem treinadas e equipadas.

As potências internacionais manifestaram-se alarmadas, tendo o Conselho de Segurança da ONU realizado a sua primeira reunião sobre a crise no Sudão na segunda-feira. Além das preocupações com civis, há provavelmente outras motivações em jogo - o Sudão é rico em recursos e tem uma localização estratégica.

A CNN já noticiou anteriormente a forma como a Rússia conspirou com os líderes militares sudaneses para contrabandear ouro para fora do Sudão.

As forças de Dagalo foram um dos principais destinatários do treino e do armamento russos, e as fontes sudanesas da CNN acreditam que o líder militar sudanês Burhan também foi apoiado pela Rússia, antes de a pressão internacional o ter forçado a desmentir publicamente a presença do grupo mercenário russo Wagner no Sudão.

Os vizinhos do Sudão, o Egipto e o Sudão do Sul, ofereceram-se para mediar, mas, entretanto, tudo o que é certo é mais miséria para o povo sudanês.

Continue a ler esta notícia

EM DESTAQUE