Oceano Atlântico Norte está a viver uma onda de calor marinho "totalmente sem precedentes” - TVI

Oceano Atlântico Norte está a viver uma onda de calor marinho "totalmente sem precedentes”

  • CNN
  • Laura Paddison
  • 23 jun 2023, 18:00
Oceanos quentes

Este mapa mostra a anomalia da temperatura da superfície do mar no último domingo, 18 de junho. As temperaturas ao largo da costa do Reino Unido e da Irlanda estão vários graus mais elevadas do que o habitual. Fonte: Instituto de Alterações Climáticas/Universidade do Maine, EUA

Relacionados

As temperaturas em algumas zonas do Oceano Atlântico Norte estão a subir a pique, com uma onda marítima “excecional” de calor a ocorrer ao largo das costas do Reino Unido e da Irlanda, suscitando preocupações quanto ao impacto na vida marinha.

Partes do Mar do Norte estão a registar uma onda de calor marinha de categoria 4 - definida como “extrema” - de acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos. Em algumas zonas, as temperaturas da água estão até 5 graus Celsius mais quentes do que o habitual.

Os oceanos globais têm estado excecionalmente quentes durante meses. Em abril e maio, registaram-se as temperaturas à superfície dos oceanos mais elevadas para esses dois meses desde que se iniciaram os registos em 1850.

De acordo com o Met Office do Reino Unido, o panorama regional é ainda mais acentuado: em maio, as temperaturas no Atlântico Norte estiveram cerca de 1,25 graus Celsius acima da média.

“O Atlântico oriental, desde a Islândia até aos trópicos, está muito mais quente do que a média. Mas as zonas em torno de partes do noroeste da Europa, incluindo partes do Reino Unido, registam algumas das temperaturas da superfície do mar mais elevadas em relação à média”, afirmou Stephen Belcher, cientista-chefe do Met Office, num comunicado.

Muitos cientistas estão a fazer soar o alarme.

A onda de calor é “muito excecional”, disse Mika Rantanen, investigador do Instituto Meteorológico Finlandês. É “atualmente a mais forte da Terra”, disse à CNN.

Richard Unsworth, professor associado de biociências na Universidade de Swansea, no Reino Unido, e diretor fundador do Projeto Seagrass, considerou a vaga de calor no Atlântico “totalmente sem precedentes”.

Isto está “muito para lá das previsões mais pessimistas sobre as alterações climáticas na região. É verdadeiramente assustador a rapidez com que esta bacia oceânica está a mudar”, disse ele à CNN.

Os riscos são elevados para as espécies marinhas, como peixes, corais e algas - muitas das quais se adaptaram para sobreviver dentro de determinados intervalos de temperatura. A água mais quente pode causar stress e até matá-las.

“Há um potencial muito elevado de morte de animais como ostras, plantas e algas devido a esta vaga de calor marinho na Europa, especialmente em águas pouco profundas, onde as temperaturas podem ultrapassar os níveis de base”, afirmou Unsworth.

No início deste mês, milhares de peixes mortos apareceram ao longo da costa do Golfo do Texas, uma morte em massa que os cientistas acreditam estar relacionada com o aumento da temperatura dos oceanos, uma vez que a água mais quente é capaz de reter menos oxigénio. E em 2021, uma onda de calor extremo “cozinhou” cerca de mil milhões de moluscos até à morte na costa ocidental do Canadá.

Os cientistas afirmam que há uma série de fatores subjacentes ao calor extremo.

“É a combinação clássica da base das alterações climáticas causadas pelo homem com uma camada de variação natural do sistema climático no topo”, afirmou o Met Office do Reino Unido num comunicado.

A poluição que aquece o planeta aumenta à medida que o mundo continua a queimar combustíveis fósseis, o que significa temperaturas mais elevadas para os oceanos e a terra.

Prevê-se que o El Niño, que tende a ter um efeito de aquecimento a nível mundial, faça subir ainda mais as temperaturas este ano.

Outros fatores podem também desempenhar um papel importante, incluindo a falta de poeira do Sara, que normalmente ajuda a arrefecer a região ao refletir a luz solar. “Os ventos mais fracos do que a média reduziram a quantidade de poeira na atmosfera da região, o que pode levar a temperaturas mais elevadas”, afirmou Albert Klein Tank, diretor do Met Office Hadley Centre, num comunicado.

Os ventos mais fracos também podem ter contribuído para o aumento das temperaturas, uma vez que os ventos fortes de oeste normalmente arrefecem a superfície do oceano, disse Rantanen.

Outro potencial fator de aquecimento dos oceanos poderá ser a regulamentação antipoluição que exige que os navios reduzam o enxofre no seu combustível, reduzindo os aerossóis na atmosfera. Embora estes aerossóis tenham um impacto negativo na saúde humana, também têm um impacto no arrefecimento, ao refletirem a luz solar.

À medida que as alterações climáticas se intensificam, as ondas de calor marítimas tornar-se-ão mais comuns. A frequência das ondas de calor marítimas já aumentou mais de 20 vezes devido ao aquecimento global provocado pelo homem, de acordo com um estudo de 2020.

“Embora não possamos prever em pormenor a intensidade, a duração e a localização de fenómenos de aquecimento graves, como a atual onda de calor marítima, sabemos que é cada vez mais provável que se tornem mais frequentes à medida que o nosso sistema climático entra em colapso”, afirmou Unsworth.

Continue a ler esta notícia

Relacionados