Portugal é o sexto país da Europa onde a semana de trabalho é mais longa - TVI

Portugal é o sexto país da Europa onde a semana de trabalho é mais longa

  • ECO - Parceiro CNN Portugal
  • Isabel Patrício
  • 21 set 2023, 08:00
Covid-19 no trabalho (AP)

Já os Países Baixos, a Alemanha e a Dinamarca destacam-se como aqueles onde os trabalhadores cumprem menos horas por semana

Relacionados

Os trabalhadores portugueses trabalham, em média, quase 40 horas por semana, valor que fica bem acima da média comunitária. Os dados divulgados esta quarta-feira mostram que Portugal é o sexto país da Europa onde a semana de trabalho é mais longa.

“Em 2022, a semana de trabalho normal entre as pessoas com 20 a 64 anos na União Europeia (UE) foi de 37,5 horas“, avança esta manhã o Eurostat.

Em comparação, por cá, os trabalhadores cumprem, em média 39,9 horas por semana, ou seja, quase duas horas e meia a mais do que a média do bloco comunitário.

Portugal está mesmo entre os países onde a semana de trabalho é mais longa, ocupando o sexto lugar dessa tabela. Só na Sérvia (43,3 horas), Grécia (41 horas), Polónia (40,4 horas), na Roménia e na Bulgária (ambas com 40,2 anos), os trabalhadores cumprem mais horas por semana do que em Portugal, releva o gabinete de estatísticas.

A presença de Portugal entre os países onde os trabalhadores fazem mais horas por semana não é novidade, mas o país continua, ainda assim, a defrontar-se com taxas de produtividade menos competitivas.

Por outro lado, desde junho que algumas dezenas de empresas portuguesas estão a testar a semana de trabalho de quatro dias e essa experiência visa também perceber se, com menos horas trabalhadas, a produtividade nacional aumenta.

A propósito, entre os países europeus, são os Países Baixos que registam a semana de trabalho mais curta: 33,2 horas, de acordo com o Eurostat. Seguem-se a Alemanha (35,3 horas) e a Dinamarca (35,4 horas). Todos estes países são caracterizado por níveis de produtividade competitivos, embora as horas de trabalho cumprida semanalmente sejam inferiores ao praticado em Portugal.

Continue a ler esta notícia

Relacionados