Tupperware, caixas de plástico ou de vidro? O que deve saber sobre a sua segurança - TVI

Tupperware, caixas de plástico ou de vidro? O que deve saber sobre a sua segurança

  • CNN
  • Kristen Rogers
  • 21 ago 2023, 09:00
Caixas de guardar alimentos Getty Images

O material dos recipientes em que guarda os seus alimentos é importante para a sua saúde. Especialistas explicam.

A Tupperware, a icónica marca de cozinha que é um nome familiar há décadas, recebeu recentemente uma ajuda dos seus credores nos EUA, mas a empresa continua a enfrentar desafios extremos. Tendo em conta as perspetivas da marca, pode estar a perguntar-se durante quanto tempo é seguro utilizar os seus recipientes de armazenamento de alimentos, especialmente se forem antigos.

Descobrir a resposta a essa pergunta para qualquer tipo de produto de plástico reutilizável para armazenar alimentos - e não apenas para a Tupperware - resume-se muitas vezes a perceber de que é que são feitos. O bisfenol A, mais conhecido como BPA, é um químico que, de acordo com o Instituto de Ciências da Saúde Ambiental dos Estados Unidos, tem sido utilizado durante anos na produção de determinados plásticos para os tornar mais duráveis e resistentes a estilhaços. Infelizmente, o BPA também os pode tornar potencialmente perigosos para a saúde.

Em estudos com seres humanos, a exposição ao BPA tem sido associada a um maior risco de uma vasta gama de problemas de saúde, tais como infertilidade, alteração do crescimento fetal, perturbação de défice de atenção e hiperatividade e agressividade nas crianças, síndrome dos ovários poliquísticos, endometriose e doenças cardíacas, afirmou Laura Vandenberg, professora de ciências da saúde ambiental na Universidade de Massachusetts Amherst, nos EUA.

Além dos recipientes para alimentos, o BPA tem sido utilizado em vários outros produtos, como janelas inquebráveis, garrafas de água e óculos, e em resinas que revestem latas de metal para alimentos, tampas de garrafas e tubos de abastecimento de água. A composição do seu produto de plástico pode depender do ano em que o comprou, disse Vandenberg.

Desde março de 2010, os artigos que a Tupperware vende nos EUA e no Canadá não contêm BPA, de acordo com o seu sítio Web. [Em Portugal, o site da marca afirma também que os seus produtos não contêm BPA.]

A CNN contactou a Tupperware para comentar o assunto, mas não obteve resposta.

“Preocupamo-nos com os plásticos duros e resistentes a estilhaços que foram fabricados há uma década, que foram feitos com BPA”, disse Vandenberg. “Cada vez que são usados, estão a lixiviar pequenas quantidades de BPA. ... Mesmo os baixos níveis de BPA que lixiviam dos plásticos de consumo, dos revestimentos de alimentos enlatados ou de outros bens de consumo ... demonstraram estar associados a danos, e as pessoas devem certamente preocupar-se com isso”.

“Se não é seguro no dia em que o compramos, não é seguro 10 anos mais tarde”, afirmou Vandenberg. De facto, quanto mais tempo os possuirmos, mais arriscados são para a nossa saúde, acrescentou.

Riscos do desgaste dos recipientes

O desgaste dos recipientes de plástico para alimentos, ao lavá-los na máquina de lavar louça ou com escovas de esfregar ásperas, “aumenta a capacidade do plástico de lixiviar o que quer que seja de que foi feito”, disse Vandenberg. Os arranhões podem criar sulcos profundos para as bactérias residirem também, disse James Rogers, diretor de investigação e testes de segurança alimentar da Consumer Reports, uma organização sem fins lucrativos de investigação, testes e defesa do consumidor.

Colocar alimentos altamente ácidos - como tomates ou frutas cítricas - nesses produtos faz a mesma coisa, disse Vandenberg.

O rótulo “seguro para micro-ondas” em alguns recipientes de plástico não significa que o produto seja totalmente seguro do ponto de vista da saúde, acrescentou.

“Alguns dos plastificantes e produtos químicos podem ser transferidos dos recipientes de plástico para os alimentos durante o aquecimento”, disse Rogers. “Portanto, defendemos totalmente que você transfira a sua comida de um recipiente de plástico para uma tigela de vidro e leve ao micro-ondas dessa maneira”.

A descoloração de um recipiente pode indicar que ocorreu uma mudança química no plástico, disse Vandenberg. “Normalmente, isso acontece porque há muitos pequenos microfuros ou microrrupturas”, explicou. “E agora há uma interação entre o alimento e o plástico (porque o plástico está a degradar-se). Por isso, se o plástico estiver descolorido, está a dizer que o plástico está a decompor-se.”

Todos os recipientes de plástico danificados para armazenamento de alimentos devem ser descartados, disse Sam Cole, diretor global de certificação de produtos, equipamentos alimentares e produtos químicos da National Safety Foundation, uma organização que facilita o desenvolvimento de padrões de saúde pública e programas de certificação para a proteção de alimentos, água, produtos de consumo e o meio ambiente.

BPA no corpo

A maior parte da exposição diária ao BPA ocorre através da alimentação, de acordo com o Instituto de Ciências da Saúde Ambiental dos EUA. “A razão pela qual nos preocupamos com o BPA é que, desde os anos 30, quando foi testado para utilização como medicamento, ficou claro que atua como um estrogénio”, afirmou Vandenberg. “O estrogénio é uma hormona muito poderosa, importante para a reprodução e a fertilidade, mas também muito importante para o desenvolvimento dos órgãos sexuais, o desenvolvimento do cérebro e o controlo do metabolismo”.

“Tem um papel no desenvolvimento muscular e no desenvolvimento da gordura”, acrescentou. “Por isso, mesmo pequenas quantidades de alterações no estrogénio ou nas vias do estrogénio no nosso corpo podem ter resultados muito graves para a nossa saúde”.

A forma das moléculas do BPA torna-o mais suscetível de se ligar aos recetores de estrogénio, acrescentou Vandenberg. “Evito usar esses plásticos reutilizáveis tanto quanto possível, porque ainda não vi boas provas de que existem plásticos de consumo isentos de propriedades estrogénicas”.

Geralmente, os plásticos com o rótulo “PC” (para policarbonato) ou códigos de reciclagem três ou sete provavelmente contêm BPA, de acordo com Vandenberg e o Instituto de Ciências da Saúde Ambiental dos EUA.

Alternativas ao armazenamento de alimentos em plástico

Alguns fabricantes têm vindo a eliminar gradualmente o BPA e outros bisfenóis, por vezes designados por análogos, dos seus produtos devido à atenção do público - e não devido a ações regulamentares - mas nem todos, afirmou Vandenberg.

“Pense em substituí-los por algo que seja quimicamente inerte, como o vidro”, disse Vandenberg. “Se não se pode dar ao luxo de substituir tudo de uma vez, substitua um de cada vez.”

Os recipientes de vidro para armazenamento de alimentos são uma opção mais segura. VioletaStoimenova/E+/Getty Images

“Sei que é pesado, que pode partir-se e tudo o resto, mas pensamos que as vantagens de utilizar recipientes de vidro para armazenar e reaquecer alimentos superam os riscos”, afirma Rogers.

Também pode optar por recipientes de porcelana, cerâmica ou aço inoxidável, especialmente para alimentos quentes e líquidos, de acordo com Vandenberg e o Instituto de Ciências da Saúde Ambiental dos EUA.

Continue a ler esta notícia