2 euros para cortar uma sandes ao meio: os preços escandalosos cobrados a turistas em Itália - TVI

2 euros para cortar uma sandes ao meio: os preços escandalosos cobrados a turistas em Itália

  • CNN
  • Barbie Latza Nadeau
  • 21 ago 2023, 17:26
Férias em Itália com muitos turistas Foto Getty Images (ver créditos na própria foto)

Preços excessivos nas zonas turísticas têm feito manchetes em Itália este verão. São vários os exemplos de "receitas loucas".

Umas férias em Itália podem ser uma experiência sem preço para quem já desfrutou de tudo o que este país tem para oferecer. Mas o verão de 2023 vai acabar por ser um dos mais caros da história, depois de uma série de escândalos de preços excessivos em cafés e restaurantes que afetaram tanto os turistas estrangeiros como os italianos.

Veja-se o caso do casal a quem foram cobrados 2 euros para cortar uma sanduíche de fiambre ao meio nas margens do Lago de Como; ou o da jovem mãe na cidade romana à beira-mar de Ostia a quem foram cobrados 2 euros para aquecer o biberão do seu bebé no micro-ondas.

A um casal de turistas foram cobrados 60 euros por dois cafés e duas pequenas garrafas de água no Hotel Cervo, na Sardenha - embora o proprietário tenha dito à CNN que os preços estavam bem visíveis e que a taxa se destinava sobretudo à vista sobre os iates de luxo do porto vizinho.

Foram também cobrados 2 euros a turistas por um prato extra - vazio! - perto de Portofino, no norte de Itália, e 10 cêntimos por uma pitada de cacau num cappuccino num café do Lago Como. Os cafés italianos raramente usam cacau nos cappuccini, daí a justificação da cobrança.

Estes casos, apelidados pelos meios de comunicação locais de “receitas loucas”, foram documentados pelo grupo de defesa do consumidor Consumerism No Profit, que relata um aumento impressionante de 130% nos preços nas zonas turísticas de Itália este verão.

Alvos fáceis

Taxas escandalosas, como 2 euros para cortar uma sanduíche de fiambre, foram rotuladas de “receitas loucas” pelos meios de comunicação social italianos. Stefano Mazzola/Getty Images

Não são só os restaurantes que estão a aumentar os preços. Os preços elevados dos combustíveis e da energia tornaram este verão incrivelmente caro.

Os preços ficaram tão fora de controlo - alguns 240% mais altos do que noutros destinos mediterrânicos - que muitos italianos estão a abandonar os seus locais habituais para as férias de agosto, optando por países costeiros como a Albânia e o Montenegro, que não oferecem o mesmo charme ou cozinha italiana, mas são acessíveis.

Até a primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, passou este ano umas curtas férias de praia na Albânia, segundo confirmou o seu gabinete.

O grupo Confcommercio prevê que apenas 14 milhões de italianos irão tirar férias em casa por altura do tradicional Ferragosto (o 15 de agosto), cerca de 30% menos do que os números anteriores à Covid.

“O forte aumento dos preços nos sectores do transporte aéreo, do alojamento e das viagens organizadas alterou profundamente os hábitos de férias dos italianos”, declarou Furio Truzzi, do grupo de defesa dos consumidores Assoutenti.

Truzzi acrescentou que os preços não vão impedir os italianos de fazer férias, mas vão afetar a duração da sua estadia.

“E o paradoxo é que, apesar da redução dos dias de férias, as despesas serão mais elevadas: as férias de verão de 2023 custarão aos italianos mais 1,2 mil milhões de euros do que em 2022, embora com menos noites fora de casa”, afirmou.

Os turistas estrangeiros mais do que compensaram o declínio, com o Ministério do Turismo italiano a prever que 68 milhões de turistas visitarão a Itália durante o verão, mais três milhões do que os números anteriores à pandemia, o que os torna o alvo mais fácil para a subida dos preços.

Segundo o Ministério do Turismo italiano, os turistas americanos e asiáticos têm vindo este ano em massa, substituindo os turistas russos, que tendem a gastar mais e a ficar mais tempo, mas que este ano estão ausentes devido à guerra na Ucrânia.

Os grandes infratores

Alguns dos aumentos de preços mais elevados da Europa tornaram as férias no seu país demasiado caras para muitos italianos. Francesca Volpi/Bloomberg/Getty Images

Entre os maiores infratores estão os estabelecimentos à beira-mar que alugam espreguiçadeiras e guarda-sóis.

Na Apúlia, o aluguer diário de duas espreguiçadeiras e um guarda-sol durante a semana é, em média, de 50 euros, e quase o dobro ao fim de semana; mas mais a norte, o preço para se sentar na primeira fila de uma praia apinhada pode ser o triplo, começando em cerca de 150 euros por dia durante a semana, especialmente nas zonas mais exclusivas como Portofino – isto se os guarda-sóis da primeira fila não estiverem já reservados pelos habitantes locais.

“Sharm el Sheik [no Egipto] custa menos, e é por isso que tantos italianos vão para o estrangeiro”, diz Paolo Manca, da Federalberghi (Federação Hoteleira), explicando que para chegar a um local de férias tradicional italiano, como a ilha da Sardenha, uma família pode pagar milhares de euros por dia, a começar por um ferry ou um bilhete de avião caros, preços de hotel inflacionados e refeições dispendiosas.

Quando lhes perguntaram quanto pagaram por dois Aperol Spritzes num café na Piazza Navona, no centro de Roma, os americanos Betsy e James Cramer disseram que tinham vergonha de admitir quanto pagaram. Mas sabiam que pagariam mais para se sentarem num local popular.

“Pagámos a mais pelo gelato, pelos spritzes e pelo hotel, mas já sabíamos”, disse Betsy à CNN. “Tínhamos esta viagem planeada antes da Covid e sonhávamos com ela, apesar de termos lido as manchetes sobre os preços elevados”.

“Só temos de ler o menu e perguntar se há taxas extra. E se houver, temos de nos afastar ou então comer”.

“Ano zero”

O ministro do Turismo italiano afirma que este verão foi decisivo na recuperação da Itália pós-pandemia. Alberto Pizzoli/AFP/Getty Images

Embora os preços elevados possam estar a afetar o turista médio, o turismo de luxo aumentou este ano, de acordo com o Ministério do Turismo italiano, que afirma que um número recorde de 11,7 milhões de viajantes ficarão em hotéis de cinco estrelas em Itália este verão, de acordo com os registos de reservas.

“Em agosto, o turismo de luxo continua a crescer, ao contrário do turismo normal”, escreveu Antonio Coviello, investigador do Centro Nacional de Investigação de Itália, num relatório sobre as viagens de luxo publicado esta semana, acrescentando que o risco de excesso de turismo no sector do luxo é uma preocupação porque pode fazer subir os preços no sector das viagens de gama média para acomodar os que gastam mais.

A ministra italiana do Turismo, Daniela Santanche, afirmou que, apesar de uma época marcada por manchetes negativas sobre a subida dos preços e por menos italianos a viajar, o verão foi um decisivo na recuperação da Itália após a pandemia.

“Não diria que foi um fracasso, mas também não diria que foi um sucesso”, afirmou na semana passada. “Diria que podemos finalmente recomeçar a discutir o turismo e planear os nossos próximos passos. De facto, este é o primeiro ano sem restrições pandémicas e, por isso, num certo sentido, podemos falar de 2023 como o 'ano zero'”.

Continue a ler esta notícia