“O ‘selo azul’ já não é mais garantia de credibilidade”. Twitter cumpre promessa e retira antiga marca de autenticidade - TVI

“O ‘selo azul’ já não é mais garantia de credibilidade”. Twitter cumpre promessa e retira antiga marca de autenticidade

  • Agência Lusa
  • AM
  • 21 abr 2023, 08:17
Twitter. Foto: AP

Até ‘@jack’, a conta do co-fundador do Twitter, Jack Dorsey, viu o ‘selo azul’ ser-lhe retirado

Relacionados

Figuras como o papa, Trump ou Beyoncé perderam esta quinta-feira o ‘selo azul’ no Twitter, depois da rede social liderada por Elon Musk ter cumprido a promessa e retirado o crachá aos que se recusaram a pagar.

A rede social sofreu uma mudança esta quinta-feira com as contas a perderem esta marca distintiva obtida no passado, após verificação da identidade do utilizador e sujeita a certas condições, entre estas a notoriedade.

O ‘selo’ desapareceu de inúmeras personalidades como Justin Bieber, Cristiano Ronaldo, Bill Gates ou Lady Gaga, assim como de muitos jornalistas, professores ou ativistas.

Até ‘@jack’, a conta do co-fundador do Twitter, Jack Dorsey, viu o ‘selo azul’ ser-lhe retirado.

No setor político, muitos governantes também o perderam, enquanto outros obtiveram um ‘selo cinza’, reservado para contas governamentais ou certas organizações.

O ‘selo azul’ sinaliza agora utilizadores que pagam oito dólares (cerca de 7,29 euros) por mês para ter essa distinção e outras vantagens do "Twitter Blue" (mais visibilidade, privilégios técnicos ou menos anúncios).

Entre estes estão Donald Trump Junior ou o Dalai Lama.

“Sei que vou ser julgado porque tenho o selo azul, mas que pena, preciso do botão para editar os meus tweets”, destacou nesta rede social Marques Brownlee, criador de conteúdo seguido por 6 milhões de utilizadores.

Muitas outras figuras manifestaram a sua estupefação, como o autor ‘best-seller’ Stephen King, seguido por 7 milhões de pessoas.

"A minha conta no Twitter diz que eu assinei o Twitter Blue. Isso está errado. A minha conta no Twitter diz que eu dei um número de telefone [para autenticação]. Isso está errado", realçou o escritor na plataforma esta quinta-feira.

Stephen King já tinha manifestado a sua indignação em novembro, destacando que deveria ser a rede social a pagar para o escritor ‘twittar’.

A data não foi escolhida ao acaso: 20 de abril, pronuncia-se 4/20 em inglês e é uma referência ao canábis nos Estados Unidos. E o também dono da Tesla e da SpaceX adora piadas sobre este assunto, ao ponto de ter comprado a plataforma a 54,20 dólares a ação.

Elon Musk teve que tentar várias vezes para lançar o Twitter Blue, decisão que gerou e está a gerar críticas.

Segundo o multimilionário, a assinatura também deve permitir combater perfis falsos e contas automatizadas e diversificar os rendimentos, numa altura em que muitas marcas fugiram da plataforma.

Entre novembro e janeiro, metade dos 30 maiores anunciantes do Twitter pararam de comprar espaço publicitário lá, de acordo com a plataforma Pathmatics.

As marcas estão relutantes em investir numa plataforma "onde reina o caos, a mudança arbitrária e a incerteza", explicou Jasmine Enberg, da Insider Intelligence, na semana passada.

“O ‘selo azul’ já não é mais garantia de credibilidade”, já que qualquer pessoa pode pagar para o ter, lembrou.

Continue a ler esta notícia

Relacionados