O que sabemos sobre os recentes ataques de drones em território russo - TVI

O que sabemos sobre os recentes ataques de drones em território russo

  • CNN
  • Joshua Berlinger
  • 1 ago 2023, 16:48

Desde o início de maio que se intensificaram os ataques à Rússia

Relacionados

A Rússia tem acusado repetidamente a Ucrânia de realizar ataques com drones no seu território nos últimos meses.

Embora Kiev tenha negado o envolvimento no que parece ter sido uma tentativa de ataque com drones ao Kremlin, a 3 de maio, os ucranianos estão alegadamente por detrás de vários ataques à capital russa desde então.

Os seus drones tentaram atingir alvos em Moscovo e nos seus arredores três vezes na última semana, bem como em várias ocasiões desde o final de maio.

Estes incidentes causaram alguns danos, mas poucas ou nenhumas vítimas. Os responsáveis ucranianos afirmam que o objetivo é destruir qualquer sentimento de tranquilidade entre os russos e levar o medo da guerra a Moscovo, tal como o Kremlin tem feito em Kiev.

Horas depois da tentativa de ataque com drones em Moscovo, no domingo, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse que a guerra estava "a regressar à Rússia". Um dos seus principais conselheiros disse na terça-feira que os crescentes ataques de drones em Moscovo são um sinal de que a capital russa "está a habituar-se rapidamente a uma guerra a sério".

Mas Moscovo não é a única cidade russa que alegadamente foi alvo dos drones da Ucrânia.

Veja alguns dos ataques suspeitos:

  • Em 7 de maio, as autoridades russas disseram ter impedido ataques com drones em Sevastopol, cidade na península da Crimeia ocupada pela Rússia.

  • Em 10 de maio, foram visadas as regiões de Voronezh, Belgorod e Kursk.

  • Em 11 de maio, Kiev terá atacado um depósito de petróleo da empresa estatal russa Rosneft, em Bryansk. Um edifício administrativo perto da fronteira foi também atingido.

  • Em 19 de maio, quatro drones foram abatidos sobre a península da Crimeia.

  • Em 23 de maio, drones foram utilizados por russos anti-Putin que lançaram um ataque em Belgorod. Em 30 de maio, duas pessoas ficaram feridas e vários edifícios foram danificados num atentado em Moscovo.

  • Em 31 de maio, drones estiveram envolvidos em incidentes nas regiões de Belgorod, Bryansk e Krasnodar.

  • Em 2 de junho, dois drones atacaram instalações de combustível e de energia na região de Smolensk, no oeste da Rússia. Nesse mesmo dia, drones ucranianos danificaram igualmente edifícios na região de Kursk.

  • Em 4 de junho, cinco drones foram abatidos sobre a cidade de Dzhankoi, no centro ferroviário da Crimeia.

  • Em 5 de junho, dois drones despenharam-se numa autoestrada na região ocidental russa de Kaluga.

  • Em 7 de junho, foram lançados explosivos em Belgorod a partir de veículos aéreos não tripulados.

  • Em 9 de junho, três pessoas ficaram "levemente feridas" num ataque em Voronezh.

  • Em 17 de junho, drones atacaram uma estação de bombagem de petróleo perto de Novozybkov, uma cidade na região de Bryansk.

  • Em 21 de junho, as medidas russas de combate aos drones impediram com êxito um ataque perto de uma base militar nos arredores de Moscovo, segundo o Kremlin.

  • Em 4 de julho, a Rússia declarou ter intercetado cinco drones sobre Moscovo.

  • Em 20 de julho, um ataque de um drone ucraniano na Crimeia matou uma adolescente, segundo o governante regional daquele território ocupado pela Rússia.

  • Em 24 de julho, drones ucranianos atingiram dois edifícios não residenciais em Moscovo - incluindo um perto do Ministério da Defesa - num ataque "frustrado", disseram as autoridades russas.

  • Na sexta-feira, a Ucrânia tentou um ataque com drones contra Moscovo, segundo o Kremlin.

  • No domingo, 25 drones foram intercetados sobre a Crimeia e três sobre Moscovo, embora um empreendimento comercial na parte ocidental da capital tenha sido atingido.

  • Na terça-feira, um drone atingiu o mesmo arranha-céus em Moscovo que tinha sido atingido no domingo. Dois outros drones foram abatidos pela defesa aérea, segundo o Ministério da Defesa russo.

Continue a ler esta notícia

Relacionados