Após vídeo viral e teoria da conspiração na China: o urso mais pequeno do mundo tem finalmente um lugar ao sol. Mas será isso bom? - TVI

Após vídeo viral e teoria da conspiração na China: o urso mais pequeno do mundo tem finalmente um lugar ao sol. Mas será isso bom?

  • CNN
  • Heather Chen
  • 6 ago 2023, 12:31
Urso- do-Sol (Twitter)

O urso mais pequeno do mundo está finalmente a ter o seu lugar ao sol - graças a um vídeo viral que desencadeou uma teoria da conspiração nas redes sociais chinesas.

O interesse público pelos ursos-malaios - um dos animais mais ameaçados e intrigantes da Ásia - disparou depois de ter surgido um vídeo que mostrava uma ursa, chamada Angela, no seu recinto no jardim zoológico de Hangzhou, no leste da China, de pé sobre uma rocha e a abanar a pata.

O vídeo provocou um debate global sobre a aparência estranhamente humana da ursa, de tal forma que começaram a surgir teorias da conspiração de que Angela era na realidade um ser humano vestido com um fato de urso.

Desde então, os especialistas desmascaram essas teorias, atribuindo os mal-entendidos, em parte, à relativa obscuridade do urso-malaio, cujo número na natureza terá diminuído para entre 1.000 e 2.500, de acordo com grupos de proteção de animais.

Vários conservacionistas da vida selvagem disseram à CNN que esperam agora que toda a atenção em torno de Angela ajude a aumentar a consciencialização sobre a situação do urso-malaio - que enfrenta ameaças como a desflorestação e a caça furtiva para comércio ilegal de animais selvagens.

Angela, a ursa solar que se tornou uma sensação da noite para o dia. Cortesia do jardim zoológico de Hangzhou

Os ursos são também habitualmente utilizados na criação comercial de bílis de urso - mantidos vivos em gaiolas minúsculas para que a sua bílis intestinal possa ser colhida e extraída de forma dolorosa para utilização na medicina tradicional chinesa.

“Eles estão entre os ursos menos conhecidos do mundo - uma espécie esquecida”, disse o biólogo da vida selvagem Wong Siew Te, que fundou o Bornean Sun Bear Conservation Center (BSBCC) em Sabah, Malásia.

Wong dedicou a sua vida à investigação, salvamento e reabilitação de ursos-malaios e disse à CNN que se sentiu encorajado por ver “tantas conversas e debate” sobre o seu comportamento após o vídeo viral.

“Os ursos-malaios estão finalmente a ter o seu momento de destaque”, afirmou. “Há muito para gostar neles que muitas pessoas desconhecem e desempenham papéis ecológicos importantes. Estão ameaçados pelo homem e precisam de mais atenção e sensibilização a nível mundial para salvar a espécie”.

Nos jardins zoológicos, tudo gira em torno dos ursos-malaios

Desde que os vídeos de Angela se espalharam pela Internet, os jardins zoológicos de todo o mundo registaram uma onda de interesse pelos ursos, que são nativos do Sudeste Asiático e cujo nome se deve às manchas amarelas, cor de laranja, âmbar ou creme em forma de meia-lua que têm no peito.

O jardim zoológico de Hangzhou registou um aumento de 30% no número de visitantes do seu recinto de ursos do sol na sequência dos vídeos, enquanto um funcionário do jardim zoológico de Taronga, em Sydney, na Austrália, disse à CNN que, na última semana, “só se falava de ursos-malaios”

Logan Dudley, tratador do jardim zoológico de Taronga, disse que esta semana houve um “aumento de pessoas” que mostraram interesse na ursa Mary, residente do jardim zoológico.

“São uma espécie de urso menos conhecida... e estão vulneráveis e em perigo”, disse. “Com toda a atenção dos media em torno dos vídeos dos ursos, temos uma boa oportunidade de nos educarmos mais para salvar esta espécie”.

O Taronga Zoo não está sozinho. Numa alusão ao vídeo viral, o Jardim Zoológico de Singapura partilhou imagens dos seus próprios ursos-malaios sol e confirmou que eram “muito reais”.

Afiqah Nasir, uma mãe de dois filhos que visitou o jardim zoológico de Singapura na sexta-feira, disse à CNN que os vídeos divertiram os seus filhos e despertaram a sua curiosidade.

“Estamos aqui por causa disso”, disse ela. “Eles agora sabem que se trata de ursos verdadeiros, chamados ursos do sol, e que não são a fingir, como as pessoas com fatos de T-Rex”.

O diretor de conservação do Fundo Mundial para a Natureza (WWF) em Hong Kong, Bosco Chan, disse que é agora “crucial intensificar a proteção dos ursos do sol na natureza” e acabar com o comércio ilegal das suas partes do corpo.

“Os ursos-malaios são extremamente raros e estão à beira da extinção. Os seus habitats florestais, onde a destruição pela agricultura industrial, como as plantações de óleo de palma e de borracha, continua a ser galopante, devem ser estritamente protegidos”, afirmou Chan.

Lado negro das luzes da ribalta

Além de serem confundidos com pessoas mascaradas, os especialistas dizem que os ursos-malaios também são por vezes confundidos com cães grandes devido ao seu tamanho.

Os ursos, também conhecidos por vezes como “ursos de mel”, medem cerca de 30 centímetros e pesam entre 55 e 143 quilos.

Este tamanho, relativamente compacto para um urso, torna-os um alvo do comércio ilegal de animais selvagens de estimação.

Os filhotes são especialmente fofos e dóceis e podem ser facilmente domesticados em comparação com ursos maiores e mais agressivos, disse o especialista em ursos Dave Garshelis, presidente do Grupo de Especialistas em Ursos da IUCN SSC.

“A caça furtiva tem aumentado nos últimos anos, mas os ursos-de-sol também estão ameaçados pelo comércio de animais de estimação”, afirmou.

Segundo Garshelis, o oficial colonial britânico Thomas Stamford Raffles, que fundou Singapura em 1819, terá mantido um urso-sol da Indonésia como animal de estimação durante dois anos.

Alguns séculos mais tarde, continuam a aparecer casos de pessoas que mantêm os ursos como animais de estimação.

Em 2019, foi descoberto um urso-malaio vivo num apartamento em Kuala Lumpur, na Malásia. O animal chamou a atenção das autoridades depois de os vizinhos o terem ouvido a choramingar e a colocar as patas de fora da janela. O proprietário alegou ter confundido o urso “com um cão” e foi multado em seis mil dólares por um tribunal.

Em 1993, uma outra mulher foi processada por manter um urso de sol em sua casa, em Singapura. Foi multada em dois mil dólares pelas autoridades e o animal foi confiscado.

Garshelis tem “sentimentos contraditórios” sobre a nova fama dos ursos do sol. Teme que isso possa encorajar as pessoas a adotá-los como animais de estimação e duvida que conduza a esforços de conservação significativos.

“Tudo o que a maioria das pessoas aprendeu é que os ursos-de-sol estão muitas vezes de pé, têm a pele enrugada e podem até parecer acenar com as patas”, afirmou.

“Na verdade, é até possível que toda esta exposição tenha levado as pessoas a considerá-los como animais de estimação - pode haver um pequeno jardim zoológico algures a querer comprar um para atrair mais visitantes.”

“Mas são uma espécie fascinante”, acrescentou.

“Há muito mais (para eles) do que estar de pé e acenar num jardim zoológico.”

Continue a ler esta notícia