Ensaio médico em África pode mudar tudo na vacina para o VIH - TVI

Ensaio médico em África pode mudar tudo na vacina para o VIH

  • CNN
  • Thomas Page
  • 28 ago 2023, 17:36
Vacina VIH Getty Images

Está em curso um ensaio que poderá ser “o último lançamento de dados” para uma vacina contra o VIH nesta década.

Relacionados

Acaba de entrar na fase final um novo ensaio para o que tem sido descrito como “o último lançamento de dados" para uma geração de vacinas contra o VIH.

Denominado PrEPVacc, o ensaio está a testar duas vacinas juntamente com duas formas de profilaxia pré-exposição (PrEP) para testar a eficácia da vacina e, ao mesmo tempo, oferecer proteção para evitar a propagação do VIH.

Liderado por africanos e coordenado a partir de Entebbe, no Uganda, com apoio internacional, o seu sucesso poderá marcar o início de uma nova fase de desenvolvimento de vacinas. Inversamente, se falhar, os imunologistas poderão desistir de uma geração de vacinas.

Quase 40 anos depois de o VIH ter sido identificado como a causa da SIDA e 36 anos depois do primeiro ensaio de uma vacina contra o VIH, a comunidade médica ainda não dispõe de uma vacina funcional. Embora os tratamentos anti-retrovirais estejam bem estabelecidos, o acesso varia. A ONUSIDA estima que 630 mil pessoas morreram de doenças relacionadas com a SIDA a nível mundial em 2022, enquanto 39 milhões de pessoas vivem com o VIH, incluindo 1,3 milhões de pessoas que no ano passado tinham sido infectadas recentemente.

A esperança é que a PrEPVacc seja bem-sucedida onde outros ensaios ficaram aquém - mais recentemente, o HVTN 702 (apelidado de "Uhambo") foi interrompido em fevereiro de 2020, o HVTN 705 ("Imbokodo") foi descontinuado em 2021 e o HVTN 706 ("Mosaico") em 2023, todos considerados seguros, mas ineficazes na prevenção do VIH.

Apenas um ensaio clínico, realizado na Tailândia e cujos resultados foram publicados em 2009, demonstrou uma eficácia modesta na prevenção da infeção pelo VIH. A eficácia dessa vacina, a RV144, foi de cerca de 30% (embora os resultados continuem a ser debatidos). Para que a PrEPVacc seja considerada um sucesso, qualquer uma das duas vacinas que estão a ser testadas terá de atingir uma eficácia de pelo menos 70%.

Uma das vacinas combina pedaços de ADN sintético do VIH com uma base proteica, enquanto a outra combina ADN, MVA (um vírus da varíola enfraquecido) e uma base proteica, como a utilizada no RV144.

"Trata-se de uma evolução (do RV144), não de uma revolução", afirmou Jonathan Weber, principal candidato e coordenador da PrEPVacc, e diretor do Imperial College Academic Health Science Centre, em Londres. "Ambos os regimes nunca foram objeto de um estudo de eficácia antes", acrescentou, descrevendo as vacinas como "o que sentimos que é, neste momento, o melhor que a ciência médica pode oferecer".

A zona de Iwambi em Mbeya, na Tanzânia. Mbeya é um dos quatro locais onde o estudo PrEPVacc registou participantes. A Tanzânia, tal como a África do Sul e o Uganda, ocupa uma posição de destaque na prevalência global do VIH/SIDA em adultos. Investigadores da PrEPVacc/Frank e Helena Herholdt

O ensaio clínico começou as inscrições em dezembro de 2020, tendo inscrito o último dos seus 1.513 participantes em março de 2023. Os participantes têm todos entre 18-40 anos e vivem na África do Sul, Uganda ou Tanzânia.

Os três países têm taxas elevadas de VIH/SIDA em adultos, situando-se entre os 15 principais países do mundo de acordo com as estimativas de 2021. Mas não foi necessariamente por isso que foram escolhidos para participar, disse Eugene Ruzagira, diretor do ensaio PrEPVacc.

Ruzagira é ugandês, vive em Entebbe, no Medical Research Council/Uganda Virus Research Institute, e supervisiona uma equipa de investigadores nos locais do ensaio em Durban, na África do Sul, Masaka, no Uganda, e Dar es Salam e Mbeya, na Tanzânia. Estes locais, explicou, "tinham experiência em fazer estudos de prevenção do VIH, não apenas ensaios de vacinas, estabeleceram muito boas ligações com as comunidades e têm as infra-estruturas de que necessitamos".

Embora o financiamento para a PrEPVacc tenha vindo da EDCTP, patrocinada pela União Europeia, "este estudo precisava genuinamente de ser um estudo africano liderado por africanos e coordenado em África, onde os dados são analisados em África e o trabalho laboratorial é feito em África", disse Weber.

"Já não era sem tempo", disse Ruzagira. "Tivemos algumas décadas de preparação".

Combinação de uma vacina com PrEP

No ensaio aleatório, cada participante recebe quatro injecções da vacina A ou B ou um placebo salino ao longo de um programa de 48 semanas, juntamente com um curso de PrEP tomado diariamente até à semana 26, quinze dias após a terceira injeção - a lógica é que a resposta imunitária atingirá o seu pico por volta dessa altura, disse Ruzagira.

Os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA estimam que a PrEP, se tomada conforme for prescrito, reduz o risco de contrair o VIH através de relações sexuais em cerca de 99% e, entre as pessoas que injectam drogas, em pelo menos 74%. O ensaio PrEPVacc está a distribuir duas formas de pílulas PrEP, Truvada ou Descovy, e está a testar se o Descovy, mais recente, tem a mesma ou melhor eficácia entre a coorte do ensaio. (Avaliar a combinação de uma vacina experimental contra o VIH e a PrEP é uma novidade, dizem os organizadores).

Luwano Geofrey foi o primeiro participante no ensaio em Masaka, no Uganda. "Senti que este era um grande projeto que precisava do nosso apoio enquanto comunidade", disse ele à CNN, numa entrevista conduzida na língua luganda por um responsável pelo envolvimento comunitário da PrEPVacc.

"Uma das coisas de que mais gostei foi que os participantes teriam aconselhamento e testes de VIH de rotina, preservativos gratuitos, PrEP e apoio e cuidados", explicou. "Vivo e trabalho numa comunidade piscatória. Na maioria das vezes, não temos estes serviços."

Eugene Ruzagira, diretor do ensaio PrEPVacc, fotografado em Masaka, no Uganda. Luke Dray/Getty Images Europe/Getty Images

A PrEP não atingiu níveis elevados de utilização em África, disse Weber, descrevendo "problemas enormes de acesso e aceitação (e) aceitação da PrEP como uma intervenção razoável".

O estigma social pode complicar a situação. No Uganda, por exemplo, a PrEP ainda é distribuída por clínicas de VIH, disse Ruzagira, e ser visto a entrar numa clínica de VIH bem conhecida pode dissuadir as pessoas de procurar a medicação.

"O que sempre esperámos foi que, quando as pessoas começassem a PrEP, vissem que era fácil, tolerável, aceitável e continuassem a usá-la enquanto estivessem em risco", disse Weber.

Após 26 semanas, os participantes do ensaio têm a opção de aceder à PrEP em instalações de saúde pública, mas nem todos estão a fazer a transição para a utilização a longo prazo, dizem os organizadores.

Geofrey afirmou que a sua utilização da PrEP durante as 26 semanas nem sempre foi consistente e que, depois disso, tentou obter o medicamento numa unidade de saúde local, mas "na maior parte das vezes (a unidade) estava sem stock".

Estes problemas não se limitam ao Uganda. "Eu diria que a adoção da PrEP não é o que gostaríamos que fosse", disse Nishanta Singh, investigador principal do centro de investigação clínica Verulam em Durban, África do Sul.

"Mas é algo que a comunidade e a população em geral estão a começar a conhecer", acrescentou. "Estamos a assistir a um aumento da adesão à PrEP à medida que as semanas do ensaio vão passando. Obviamente, não é o ideal, mas é um trabalho em progresso".

A previsão de uma vacina bem sucedida

Em Verulam, mais de metade dos participantes já recebeu as quatro injecções. Tal como nos outros locais de ensaio, os participantes são testados e recebem aconselhamento a cada quatro a oito semanas e serão monitorizados até outubro de 2024.

A equipa do ensaio não tem conhecimento dos dados, que são processados por um Comité Independente de Monitorização de Dados. A divulgação dos resultados do ensaio está prevista para o quarto trimestre de 2024.

No caso dos ensaios de vacinas, não haver notícia pode ser boa notícia. Os ensaios podem ser interrompidos pelos comités de monitorização se os primeiros dados indicarem uma falta de eficácia (como foi o caso do HVTN 702), mas ainda não foi esse o caso do PrEPVacc.

"Este é de facto um bom sinal. No entanto, é possível que tenha havido muito poucos eventos de infeção neste ensaio, dado que o uso de PrEP também foi incentivado em todos os participantes", disse Sharon Lewin, professora de medicina na Universidade de Melbourne.

Lewin, que também é presidente da Sociedade Internacional da SIDA, não está associada ao ensaio PrEPVacc e mostrou-se cautelosa quanto à potencial eficácia das vacinas.

"Eu faria a previsão de que as vacinas de ADN, MVA e proteínas não proporcionariam demasiada proteção contra a infeção pelo VIH, com base no que sabemos de estudos anteriores", afirmou, embora tenha elogiado a integração da PrEP no estudo conduzido em África, observando que "é também fantástico ver o primeiro ensaio de vacinas de Fase 3 financiado fora dos EUA".

Se uma ou ambas as vacinas se revelarem eficazes, serão necessários mais ensaios que provavelmente envolverão vários parceiros internacionais. Se a vacina não for eficaz, "é preciso voltar ao básico", disse Weber. "Não há mais nada que pareça melhor do que esta geração de vacinas".

"Nesta década, será o último lançamento de dados", acrescentou. "A minha previsão é que não haverá outro estudo de eficácia de uma vacina contra o VIH até à década de 2030."

Lewin não acredita que seja esse o caso, apontando para uma ciência nova e em rápido avanço.

Uma das abordagens que está a ser testada precocemente é a orientação por linha germinal, em que é administrada uma série de vacinas ligeiramente diferentes, concebidas para estimular as células B a produzirem "anticorpos neutralizantes de largo espetro". Estes anticorpos poderosos, mas difíceis de obter, podem potencialmente danificar o vírus VIH quando este sofre mutações numa tentativa de lhes escapar, segundo a teoria dos cientistas.

E, no verão passado, um ensaio de Fase 1 começou nos EUA e outro no Ruanda e na África do Sul de várias vacinas utilizando mRNA (ácido ribonucleico mensageiro). O mRNA instrui o corpo a criar proteínas que induzem uma resposta imunológica e já foi usado com sucesso em duas vacinas Covid-19.

Mas para a equipa da PrEPVacc e para os seus participantes, não há outra opção senão aguentar até ao final de 2024 e esperar que os resultados sejam melhores do que os de outros ensaios. "Fiz o meu primeiro ensaio de vacinas contra o VIH em 1991", recorda Weber. "Acho que isso provavelmente diz tudo o que é preciso saber sobre a agonia da procura."

Geofrey recordou o que o ensaio lhe pediu: que lhe dissessem que ele e a mulher não deviam ter filhos durante o ensaio; a preocupação inicial dela de que os frascos de PrEP com que ele chegou a casa significassem que estava a ser tratado para o VIH; a desinformação inicial na sua comunidade de que o estudo estava a introduzir o VIH nos participantes, em vez de procurar preveni-lo. "É preciso muita coragem e tempo para fazer parte de um ensaio como este", reflectiu.

"Sei que se as vacinas que estão a ser testadas nos derem resultados positivos, considerar-me-ei a mim, aos outros participantes e aos cientistas como os heróis deste século."

Continue a ler esta notícia

Relacionados