40 anos depois, o Vaticano encontrou "algumas pistas" que podem explicar o misterioso desaparecimento de Emanuela, filha de um importante funcionário - TVI

40 anos depois, o Vaticano encontrou "algumas pistas" que podem explicar o misterioso desaparecimento de Emanuela, filha de um importante funcionário

  • CNN
  • Barbie Latza Nadeau e Sophie Tanno
  • 24 jun 2023, 12:00
Emanuela Orlandi, que vivia dentro dos muros do Vaticano, desapareceu no verão de 1983. Pietro Orlandi

Emanuela Orlandi desapareceu a 22 de junho de 1983, depois de uma aula numa escola de música adjacente à Igreja Católica Sant'Apollinare Opus Dei, perto da Piazza Navona, em Roma. Tinha 15 anos

Relacionados

O Vaticano vai entregar as provas do desaparecimento da filha de 15 anos de um dos seus empregados, há 40 anos, ao procurador da cidade de Roma.

Emanuela Orlandi, que era filha de um importante funcionário do Vaticano e vivia dentro dos muros da cidade santa, desapareceu no verão de 1983 quando regressava a casa depois de uma aula de música no centro de Roma.

O Vaticano - que tem sido alvo de escrutínio ao longo dos anos pela forma como tem tratado o caso - anunciou em janeiro que tinha aberto uma nova investigação.

Em comunicado esta quinta-feira, o Vaticano disse que o gabinete de Alessandro Diddi, o promotor de justiça do Vaticano, "recolheu todas as provas disponíveis nas várias instituições do Vaticano e da Santa Sé, ao mesmo tempo que procurou obter provas através de conversas com as pessoas responsáveis por certos gabinetes na altura dos acontecimentos".

Pietro Orlandi, irmão de Emanuela, durante uma manifestação para assinalar o 40.º aniversário do desaparecimento da irmã, junto à Praça de São Pedro, a 14 de janeiro. Antonio Masiello/Getty Images

Diddi disse, através do gabinete de imprensa do Vaticano, que tinha encontrado "algumas pistas de investigação que merecem uma análise mais aprofundada". O seu gabinete irá, por isso, enviar "todos os documentos relevantes das últimas semanas ao Procurador de Roma, para que este os possa analisar e proceder na direção que considerar mais oportuna".

Não ficou claro a que se referem os documentos, se são novos ou de arquivo.

É a primeira vez que o Vaticano anuncia a entrega de documentos às autoridades italianas.

A declaração sugere que a investigação do Vaticano está agora concluída, mas Diddi comprometeu-se a "continuar as suas atividades neste sentido nos próximos meses", mantendo-se "consciente do sofrimento que se sente pelo desaparecimento de um familiar".

Emanuela Orlandi. Cortesia de Pietro Orlandi

Emanuela Orlandi desapareceu a 22 de junho de 1983, depois de uma aula numa escola de música adjacente à Igreja Católica Sant'Apollinare Opus Dei, perto da Piazza Navona, em Roma.

O seu pai, Ercole Orlandi, falecido em 2004, trabalhava para o Instituto para as Obras de Religião da Santa Sé. A sua mãe, Maria Orlandi, ainda vive no apartamento da família na Cidade do Vaticano. O seu irmão, Pietro Orlandi, passou a vida a tentar descobrir o que aconteceu à sua irmã e acusou frequentemente o Vaticano de esconder informações.

Convocou uma manifestação para este domingo em Roma, em frente ao Castel Sant' Angelo, o último local onde se pensa que o corpo da jovem poderá estar enterrado, e depois seguirá para a Praça de São Pedro para estar presente quando o Papa der o Angelus dominical. Todos os anos, Orlandi organiza manifestações por altura do aniversário do desaparecimento.

No ano passado, uma série de quatro episódios da Netflix, da autoria de Mark Lewis, despertou um interesse renovado por este caso de grande visibilidade e pôs em evidência várias das teorias da conspiração mais proeminentes, incluindo a de que o seu rapto estaria ligado a Mehmet Ali Agca, que na altura estava na prisão por uma tentativa de assassinato de João Paulo II na Praça de São Pedro, em 1981.

As buscas pelos restos mortais de Orlandi foram realizadas várias vezes ao longo das últimas quatro décadas. Em 2018, foram encontrados restos mortais na embaixada da Santa Sé em Itália, no centro de Roma, mas os testes de ADN não permitiram estabelecer uma correspondência.

Um ano depois, o Vaticano concordou em exumar o túmulo de duas princesas que se pensava estarem enterradas no cemitério do Pontifício Colégio Teutónico, no interior da Cidade do Vaticano. Os restos mortais das princesas não foram encontrados no túmulo, nem os de Orlandi, mas dois ossários foram encontrados sob uma porta secreta no cemitério.

Continue a ler esta notícia

Relacionados