Estes jovens estavam cansados dos seus empregos. Depois abandonaram tudo para viajar - TVI

Estes jovens estavam cansados dos seus empregos. Depois abandonaram tudo para viajar

  • CNN
  • Flo Cornall
  • 17 ago 2023, 21:30
Jack Scott e James Fleming estão entre os jovens que deixaram os seus empregos devido ao esgotamento e foram viajar. J Fleming/J Scott

O que aconteceu quando estes jovens da geração Z e millennials deixaram os seus trabalhos para viajar pelo mundo

Relacionados

Jack Scott estava farto da forma como as coisas estavam a correr na sua carreira. Acabado de sair da universidade com uma licenciatura em engenharia mecânica, Scott, de 24 anos, tinha passado nove meses a trabalhar para uma empresa de refrigeração, num emprego de que não gostava.

Sentindo a necessidade de mudar, despediu-se.

Entretanto, o seu colega de faculdade James Fleming, de 25 anos, ganhava bem como organizador de ações de formação num escritório, mas estava a ficar cansado das longas horas ao computador.

Por isso, quando o seu último contrato terminou, juntou-se a Scott e a dupla de Londres decidiu fazer-se à estrada e viajar - uma decisão que os levaria a uma odisseia épica e mudaria as suas vidas de formas inesperadas.

"Para mim, houve muitas noites em claro a bater no teclado", disse Fleming. "Essencialmente, estava bastante esgotado nessa altura e esta viagem foi a melhor coisa para isso."

O par é apenas um exemplo de jovens de 20 e poucos anos cansados que abandonam a rotina diária do trabalho viajar.

Nicole Hu, uma blogger de 26 anos, acabou por deixar o seu emprego de vendedora em Chicago durante a pandemia antes de fazer uma pequena viagem que se tornou numa longa aventura internacional.

"Não consegui fazê-lo mais um dia", contou Hu. "Era tão desgastante."

De acordo com um inquérito da consultora Deloitte, muitos jovens da geração Z e millennials relatam níveis crescentes de esgotamento devido a pressões relacionadas com o trabalho. O relatório afirma que a pandemia de covid-19 levou legiões de jovens trabalhadores a reavaliar o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal.

O burnout é tipicamente definido como stress crónico no local de trabalho, caracterizado por sentimentos como esgotamento físico e mental.

Os jovens que abandonam os seus trabalhos para viajar não são necessariamente um fenómeno novo.

A criadora de conteúdos Preethi Parthasarathy deixou o seu emprego num banco no final de 2017, quando tinha 26 anos, questionando se era aquilo que queria fazer nos próximos 35 anos. Mais uma vez, foi uma decisão com consequências surpreendentes.

"Se eu não parar agora, vou continuar a fazer isto, nunca haverá uma altura em que vou parar", descreveu Parthasarathy à CNN, recordando os motivos que a levaram a tomar esta decisão.

"A cultura da azáfama é glorificada", lamentou. "Eu percebo, mas não sou o tipo de pessoa que pode pôr tudo, especialmente a minha saúde, em segundo plano para ganhar dinheiro só para poder subir a escada da empresa."

Mudar de velocidade

Assim que se libertaram das algemas do emprego, Scott e Fleming decidiram afastar-se o mais possível das fontes do seu esgotamento, tendo elaborado um plano excêntrico para conduzir da cidade natal de um até à cidade do outro - uma viagem de 27.000 quilómetros de Orkney, na Escócia, até Harare, no Zimbabué.

"Sugeri 'e se começássemos em minha casa e fôssemos até à tua'", recordou Scott. "Era uma oportunidade que eu não podia deixar passar."

A dupla comprou um Land Cruiser anunciado no Facebook e modificou-o com barras de proteção, um snorkel e uma caixa de tejadilho antes de partir para a sua viagem em 2022.

Apesar do sentimento de libertação dos seus empregos pouco satisfatórios, afirmam que, por vezes, foi difícil, acordando antes do amanhecer para aproveitar ao máximo a luz do dia e conduzindo até 14 horas por dia em estradas de terra batida de montanha através da Nigéria, dos Camarões e do Congo.

A certa altura, ficaram presos na lama durante cinco horas no Parque Nacional de Lopé, no Gabão, à espera que um camião os tirasse de lá.

Scott e Fleming atolados na lama durante a estação das chuvas no Gabão. J Fleming/J Scott

"Basicamente, tivemos de conduzir quase todos os dias durante cerca de três semanas", lembrou Fleming. "Felizmente, a paisagem era deslumbrante."

Depois de chegarem ao Zimbabué, os dois juntaram-se a mais amigos universitários para uma volta final de duas semanas pelo país.

Mas depois o regresso à normalidade acenou.

Para Fleming, esse regresso foi adiado por mais seis meses, depois de ter encontrado um emprego na área da conservação no Zimbabué.

"No final da viagem, eu estava bastante impressionado com tudo. Ainda não estava pronto para a deixar", disse.

Scott, por sua vez, regressou ao seu trabalho de refrigeração, mas não durou muito tempo antes de ser atraído de novo para a estrada. "Antes da viagem com o Fleming, eu andava sempre a queixar-me e ele ouviu falar muito sobre o funcionamento de um frigorífico", contou.

No início deste ano, Scott despediu-se novamente do seu emprego e viajou de mochila às costas pela Guatemala, Belize e El Salvador. Depois de regressar ao Reino Unido, mudou de carreira e está agora a mergulhar para apanhar vieiras em Orkney.

Mudança de direção

Em Chicago, Nicole Hu estava a gostar do seu trabalho de vendas desde que saiu da universidade em 2019. Não havia muito do que se queixar. Ela gostava dos colegas, tinha um chefe que a apoiava e era pouco stressante - até a pandemia atingir os EUA.

Quando regressou a Chicago e começou a trabalhar à distância, os seus planos de subir na hierarquia da empresa desmoronaram-se, tal como a sua satisfação profissional. Por isso, começou a formular um plano.

À medida que a pandemia avançava, Hu poupou o seu salário e, quando as restrições de viagem começaram a diminuir em 2021, decidiu deixar o emprego e reservou um bilhete para a Guatemala.

Era suposto ser apenas uma viagem de duas semanas, mas ela passou o verão a fazer voluntariado na Europa antes de aterrar no México para uma visita de dez dias que acabou por durar três meses.

Hu fotografada na passagem de Salkantay a caminho de Machu Picchu, no Peru, em junho de 2022. Nicole Hu

Com as incertezas da pandemia ainda persistentes, ela deu por si com outros viajantes a contemplar um futuro sem planos concretos.

"Era como se fôssemos descobrir", disse. "Muitas pessoas diziam 'não sei o que vou fazer da minha vida, vou viajar durante um ano, dez meses, seis meses e depois faço o que quiser'."

A imprevisibilidade das viagens de longa duração atraiu Hu, que adorou a espontaneidade de apanhar autocarros noturnos e de chegar a novos destinos sem saber onde ia ficar.

"Uma coisa assim é muito mais excitante do que ter de acordar às 08:30 da manhã, ligar o computador e ter de estar imediatamente numa reunião por Zoom", garantiu. "A mesma coisa todos os dias."

Hu, que agora tem um blogue sobre as suas viagens, tem amigos e outras pessoas da sua idade que também estão a embarcar em aventuras depois de contemplarem a fragilidade das suas carreiras.

Hu de visita às pitorescas Ilhas Galápagos em maio de 2022. Nicole Hu

No atual clima económico dos EUA, Nicole Hu considera que é cada vez mais difícil para os jovens acompanharem a inflação e manterem o nível de vida necessário para criar uma família.

"Mais vale aproveitar a vida enquanto se pode", acrescentou.

Hu concentra-se agora em arranjar dinheiro para continuar a explorar durante o máximo de tempo possível. Até setembro, tem um calendário de viagens preenchido, antes de se mudar para Madrid para trabalhar.

A estrada menos viajada

Quando Preethi Parthasarathy disse às pessoas que a rodeavam que ia deixar o seu emprego estável num banco na Índia para ir viajar, as reações dividiram-se por gerações.

Os seus colegas millennials estavam radiantes e disseram que iam viver a vida através dela.

Os conhecidos de meia-idade mostraram-se cautelosos, mas acabaram por apoiar o facto de ela ter aproveitado uma oportunidade que nunca tinham tido.

"Os mais velhos passaram-se", descreveu Parthasarathy. Foi bombardeada com perguntas sobre a falta de um plano de reserva e sobre o seu futuro financeiro.

A ideia era apenas viajar durante seis meses. "Essa pausa já dura há cinco anos e meio", contou.

Parthasarathy mudou significativamente a sua carreira. Atualmente, é criadora de conteúdos, registando as suas aventuras nas redes sociais e no seu próprio site, com a marca Peppy Travel Girl.

A criadora de conteúdos Parthasarathy, também conhecida como Peppy Travel Girl, fotografada em Melbourne em 2017. Preethi Parthasarathy (Peppy Travel Girl)

"Venho de um meio muito modesto, não sou rica nem nada do género", disse. "Tinha a certeza de que, se estava a fazer isto, estava a fazê-lo à minha maneira."

Parthasarathy contou que, apesar de a sua família ter ficado stressada com a decisão de deixar o emprego e ir viajar, tinha confiança nela.

Na altura, na Índia, disse que se tratava de uma decisão invulgar. "Hoje em dia, é um fenómeno muito mais comum. Fico contente por ter sido uma das primeiras a fazê-lo", afirmou.

Para Parthasarathy, a decisão não foi tomada de um dia para o outro, mas reconheceu que era necessário fazer uma mudança.

"A minha vida tinha sido relativamente previsível. De repente, estava a entrar numa situação de total incerteza e imprevisibilidade", descreveu. No entanto, no primeiro dia, teve um acidente e acabou por ficar de cama num dormitório durante uma semana inteira.

Inicialmente, pensou que o universo estava a enviar um sinal de que não devia viajar.

"Deveria pedir o meu emprego de volta? Não tenho a certeza se foi a decisão correta", brincou.

Por fim, acabou por encontrar o seu "charme" de viajante e fez a sua primeira viagem pós-emprego a Caxemira, a região dos Himalaias no norte da Índia. Descreve-a como um paraíso. Viu neve pela primeira vez em anos e experimentou esquiar.

Sem emprego para regressar no final da sua estadia, continuou simplesmente a viajar - e não parou desde então, acumulando quilómetros intermináveis com destaque para o Sri Lanka, Maldivas e a Grande Barreira de Coral da Austrália.

Um dos destaques da viagem de Parthasarathy inclui mergulhar na Grande Barreira de Corais da Austrália. Preethi Parthasarathy (Peppy Travel Girl)

Preethi Parthasarathy disse que as experiências que teve, os lugares onde esteve e os riscos que correu a transformaram na pessoa que é hoje.

"Sinto que se tivesse continuado no meu emprego teria sido uma pessoa muito diferente. Prefiro ser esta pessoa, pois há muito mais crescimento."

Continua a sentir-se esgotada, mas não tanto como quando estava no seu tradicional trabalho das nove às 17.

Recentemente, Parthasarathy fez uma pausa na sua atual carreira. Durante uma viagem à Austrália esteve quase a desistir após seis meses de viagens sem parar e de criação de conteúdos em diferentes fusos horários.

A sua solução foi outra pausa, mas sem a criação de conteúdos.

"Viajei apenas por viajar e, não estou a brincar, voltei com uma sensação de energia renovada", garantiu. "Sinto que as pausas são subestimadas e tão importantes, independentemente do que se esteja a fazer. Seja qual for o seu trabalho, é muito importante dar ao corpo o tempo necessário para se recompor."

Continue a ler esta notícia

Relacionados