Este casal viajou pela Europa até ao Brasil - sem apanhar um único voo - TVI

Este casal viajou pela Europa até ao Brasil - sem apanhar um único voo

  • CNN
  • Julia Buckley. Fotos Rick Turner
  • 18 fev, 15:00

Só planearam a primeira paragem. A partir daí, foi uma aventura. Uma viagem de uma vida.

Para muitos, 2022 foi o ano em que a crise climática cada vez mais evidente estimulou as pessoas a voar menos. Para Rick Turner e o seu marido, Adam Longbottom, a sua decisão de abandonar os aviões para uma viagem de três meses à volta da Europa e através da América do Sul deveu-se a outra coisa: ao caos da aviação de 2022.

“A bagagem de toda a gente desaparecia, e nós sabíamos que iríamos avançar [de destino para destino] de poucos em poucos dias. Esta era a viagem de uma vida e não queríamos perder a nossa bagagem em qualquer parte”, conta.

O casal britânico, que trabalha à distância, tinha decidido fazer uma viagem de vários meses pela Europa, visitando países onde nunca tinha estado antes. Na verdade, quando embarcaram num avião, já estavam na América do Sul - tendo atravessado o Atlântico num barco, a seguir à sua odisseia ferroviária europeia.

No total, viajaram por 11 países antes de apanharem um voo.

Um dia de cada vez

Rick e Adam abandonaram os seus bilhetes para Marselha para irem para o Luxemburgo. Foto Rick Turner

Tudo estava pronto quando deixaram o Reino Unido, diz Turner. O seu único objetivo era chegar a Itália em algum momento - um país que conheciam bem e ao qual queriam regressar.

Na verdade, quando já estavam no comboio Eurostar a passar pelo Túnel da Mancha, o seu único plano certo era parar em Lille - a primeira paragem do Eurostar depois de Calais.

“Tínhamos estado em Paris antes muitas vezes, por isso escolhemos Lille desta vez, e decidir para onde ir a partir daí”, relembra Turner.

“Sabíamos apenas que queríamos ir a lugares onde não tínhamos estado antes. Sempre quisemos fazer aquela coisa de ir a um aeroporto, olhar para os voos de partida e de chegada - por isso, sem voos, estávamos a olhar para a nossa aplicação ferroviária todos os dias, a ver onde podíamos chegar”.

Em cada destino, eles decidiam para onde ir a seguir - ou seja, a sua viagem de comboio era planeada no dia da viagem ou no dia anterior. Por vezes até mudavam os seus planos. De Lille, inicialmente reservaram um comboio para Marselha, no sul de França, planearam ir para leste ao longo da Cote d'Azur e depois atravessar para Itália.

“Mas depois pensámos, já o fizemos antes, vamos para o outro lado [para Itália], viajando via Luxemburgo”, conta. Desistiram dos bilhetes para Marselha (não, não receberam reembolso) e reservaram lugares para o Luxemburgo. “Foi encantador - não foi o que esperávamos, e provavelmente o meu pedaço favorito da Europa onde não tinha estado antes”, afirma.

E assim começaram a sua viagem, durante a qual ambos continuaram a trabalhar remotamente, certificando-se de que estavam num destino para uma boa paragem de dias em que precisavam de instalar os seus computadores portáteis.

“A Rainha morreu quando estávamos no Novotel”

O casal teve uma viagem cheia de acontecimentos, embora não tenham gostado de Basileia. Rick Turner

Era um momento memorável para estar longe do Reino Unido.

“Perdemos toda o governo de Liz Truss”, diz Turner, referindo-se à primeira-ministra do Reino Unido que tomou posse a 6 de setembro e renunciou a 25 de outubro, com o país mergulhado na crise económica.

“E a Rainha morreu enquanto estávamos no Luxemburgo. Chegámos ao hotel, ligámos a televisão, e vimos todos os membros da família real a irem para Balmoral. Ela morreu quando estávamos no Novotel”.

Foi um início pouco auspicioso para o que viria a ser uma viagem movimentada. Saíram rapidamente de Estrasburgo, a sua próxima paragem, quando foi atingida por um terramoto de magnitude 4,7 pouco depois da sua chegada.

Mais tarde, em França, eles lidariam com o que pareceu ser uma tentativa de assalto. E quando estavam no estreito de casa para o Brasil, ambos apanharam Covid.

Mas tudo isso veio mais tarde. Antes, tiveram de atravessar os Alpes - e a corajosa Suíça.

“Ficámos dois dias em Basileia, mas foi um pouco aborrecido - estás no Reno, isso é bom, mas não havia toneladas de coisas para fazer”, lamenta Turner.

“Mas o comboio de Estrasburgo tinha tido uma mudança, por isso pensámos que mais valia sairmos”.

Aborrecidos pela estada Basileia, decidiram acelerar a sua chegada a Itália, apanhando um comboio regular para Milão, em vez de qualquer uma das famosas rotas turísticas da Suíça. O cenário suíço compensou imediatamente a desilusão de Basileia.

“É exactamente o que se esperaria”, diz. “Grandes lagos, belos vales, montanhas, muito verde”. A única diferença para as rotas turísticas mais lendárias (e mais caras)? “Não se passa por cima das montanhas, atravessam-se as montanhas”.

Uma coisa que o casal notou, viajando tão longe, tão lentamente, foi como cada país era diferente, mesmo nas zonas fronteiriças.

“As paisagens na Suíça e em Itália pareciam totalmente diferentes - os edifícios eram diferentes. O lado suíço tinha igrejas minúsculas, e não era nada parecido em Itália”.

Viver La Dolce Vita

Estavam entre os poucos turistas que passaram a noite em San Marino. Rick Turner

Primeira paragem em Itália: Milão. E mais uma vez, as coisas não estavam a correr muito bem para a dupla. Tinham chegado no final da Semana da Moda, e a cidade estava “loucamente quente e muito cara. O hotel mais barato que podíamos encontrar era 130 euros por noite - muito para um hotel não muito bom”.

Não se deixaram intimidar, foram para leste, para o Lago Garda, que tinham visitado no Inverno anterior. Sem transporte privado, ficaram em Desenzano del Garda, a cidade na ponta sul do lago, servida pela rede de comboios de alta velocidade de Itália.

E, finalmente, as coisas começaram a correr bem, com um pouco de dolce vita.

“O melhor dia de toda a nossa viagem foi em Desenzano”, diz Turner. “Contratámos uma lancha e passámos algumas horas a fazer zoom para cima e para baixo no lago - foi espetacular. Estávamos a dar a volta à Ilha da Garda, aquele enorme palácio [a neo-gótica Villa Borghese, uma mansão de estilo veneziano na maior ilha da Garda]. Podia-se ir onde se quisesse”.

Depois: a sua amada Veneza. Ficaram na ilha do Lido, Hotel Villa Pannonia - mas mais uma vez, não tiveram sorte. O boom das viagens de 2022 ainda estava em pleno andamento, Veneza estava lotada, e os preços eram altíssimos. “Eles conhecem-nos, e recebemos um desconto - mas o preço era ridículo”, diz. “Íamos passar duas semanas, mas o universo estava a dizer-nos para não estarmos lá”.

Por isso, deixaram que o universo os levasse a outro lado. Para assinalar outro país, visitaram San Marino - apanhando um comboio para Rimini, na região de Emilia Romagna, e depois uma carruagem para o microestado no topo do penhasco.

Foi outro lugar que eles adoravam.

“É tão estranho - um país a subir uma montanha”, diz ele. “A altitude significa que te sentes um pouco estranho ao sair do autocarro, e tudo parece que adormece à noite porque ninguém fica lá em cima”.

Quando os excursionistas partiram, as infames lojas de armas fecharam, e as demonstrações de arco e flecha e besta no castelo terminaram, o casal - que ficou três noites no centro histórico - viu outro lado de San Marino, bebendo em bares vazios e caminhando ao longo de ruas desertas.

O momento de luz

O casal estava no Lago Garda quando decidiu ficar em água - todo o caminho até ao Brasil. Rick Turner

A próxima paragem? Parma, uma cidade elegante e cheia de história entre Bolonha e Milão. Tinham reservado cinco noites para poderem pôr a roupa em dia e ter uma extensão mais concentrada de dias de trabalho - para a maior parte da sua viagem escolheram hotéis, mas mudaram para alugueres onde precisavam desse tempo de lavandaria.

Cinco dias era demasiado longo para visitas turísticas - aconselham dois dias para uma estadia regular - mas funcionou para eles. Tiveram mais trabalho feito, e fizeram uma viagem de um dia a Milão. Ah sim - porque por esta altura, eles sabiam que iriam para a América do Sul.

“Em Desenzano, tínhamos começado a ver a nossa rota, quer descendo pela Europa para terminar em Malta, quer terminando no fundo de Espanha”.

Enquanto olhavam para as estadias em Barcelona, tiveram um momento de luz: era a época do ano para reposicionar os cruzeiros, onde os navios que passaram o Verão a navegar à volta do Mediterrâneo faziam o longo salto para climas mais quentes - muitas vezes para oeste, para iniciar as rotas de Inverno das Caraíbas.

“Já tínhamos feito alguns cruzeiros antes, e costumávamos procurar bons negócios. Quando estávamos ambos em empregos das 9 às 5, tínhamos visto coisas ridículas, como, por exemplo, se pudermos ir na próxima semana, podemos conseguir 20 noites por mil euros. De repente pensámos que seria bom fazer isso”.

Procuraram um cruzeiro de reposicionamento para os EUA, mas encontraram um da MSC a ir para o Rio de Janeiro - por menos de metade do preço de ir para Miami.

Para os dois, numa cabine de varanda, durante 13 noites, o custo era apenas dois mil euros.

Indo para oeste

A área de Cinque Terre foi o mais próximo que chegaram do turismo de massas. Rick Turner

A viagem estava prestes a chegar a Barcelona para a data de partida do cruzeiro, enquanto ainda desfrutavam da sua viagem através da Europa.

De Parma, seguiram para a fronteira francesa, parando na Ligúria para se despedirem de Itália. Ficaram em Génova (“espantoso”), onde Longbottom teve uma reação à vacina contra a febre amarela durante dois dias, depois fizeram uma viagem de um dia à região de Cinque Terre, que ainda estava cheia de turistas, mesmo numa segunda-feira no final de setembro.

A seguir, atravessaram a fronteira para França, e dirigiram-se para oeste, chegando ao Mónaco para o aniversário de Turner. Duas noites rapidamente se transformaram em cinco. “É eficiente, limpo, seguro, estupidamente caro e parece-me um deleite”, diz Turner. Para cortar custos, comeram comida de supermercado e ficaram num dos hotéis mais baratos do principado, o Hotel Columbus, ligeiramente fora do centro com vista para o porto de Fontvieille - embora se tenham espraiado num jantar de aniversário no Buddha Bar, no Casino Monte Carlo.

De volta a França, e três horas a oeste, a sua próxima paragem era Toulon, mas a dupla não era adepta. Reservaram um Airbnb “não necessariamente na zona mais agradável”, e encontraram provas de alguém ter tentado aceder a ele duas vezes durante a sua estadia. “Uma pessoa aleatória entrou um dia no bloco de apartamentos e estava a bater às portas”, acrescenta ele.

Seguiram em frente, com três noites na “encantadora” Montpellier: “A trinta minutos do mar e muito fixe, muita história, uma cidade realmente muito antiga, com cultura de café e muito para fazer”, eis o veredicto deles.

De lá, apanharam o comboio de alta velocidade da Renfe para Barcelona: 340 quilómetros e dois países em quatro horas. Passaram lá três noites, revisitando lugares onde já tinham estado, e abastecendo-se de mantimentos para a sua viagem sul-americana. “Estávamos a encomendar coisas da Amazónia para este centro, num parque de estacionamento perto do porto”.

Através do oceano

Ambos apanharam Covid no seu cruzeiro de 14 dias. Rick Turner

E assim seguiram para a América do Sul - ainda sem ter posto os pés num avião.

O cruzeiro começou tranquilo, com uma paragem na Madeira, onde apanharam o teleférico até ao topo da montanha. “Foi adorável – gostaríamos muito de voltar”, diz Turner. E como o seu marido é um ávido amante de aviões, e a Madeira tem uma das aterragens mais infames (e ventosas) da Europa, isso é uma certidão que eles farão.

Depois instalaram-se durante uma semana no mar antes de chegarem ao Brasil, com uma paragem em Salvador.

“Foi bastante duro para começar, mas estávamos a gostar - o navio estava meio vazio e puderam instalar-se durante muito tempo”.

E então, dois dias antes de chegarem à linha do Equador, no ponto mais afastado possível de terra, Turner acordou a sentir-se doente.

Era Covid. Dois dias mais tarde, ambos estavam positivos.

Foram movidos para uma “cabana Covid” - a mesma especificação, com uma varanda, mas com uma porta estanque para se chegar à zona.

“Conseguíamos ouvir pessoas a tossir de ambos os lados”, disse ele.

Todas as manhãs, era-lhes trazida uma ementa à escolha, oferecendo-lhes comida. Foi-lhes dito que seriam reembolsados das suas bebidas e pacotes de Internet, mas que ainda não tinham visto o dinheiro. E de facto, quando estavam no seu pior, não havia internet, porque estavam no meio do oceano. Tudo o que tinham era um canal de filmes de streaming: principalmente “Top Gun: Maverick” e "O Senhor dos Anéis”. Uma e outra vez.

Confinados à sua cabine Covid, falharam as duas primeiras paragens no Brasil: Salvador e Ilhéus. Finalmente, o navio chegou ao Rio, navegando ao largo da estátua do Cristo Redentor, quando o seu teste deu negativo. Foram livres de partir juntamente com os outros convidados.

Tinham conseguido passar por 11 países sem apanhar um único voo.

Os voos de regresso

Acabaram por voar de volta do Peru para Paris. Rick Turner

A partir daí, a viagem ficou menos verde. Voaram do Rio para a Argentina, Chile e depois para o Peru. Foi quando planearam ir para o México que, perplexos com os voos caros, se aperceberam que era altura de voltar para casa. “Estávamos cansados”, conta Turner. “Estávamos no hotel do aeroporto de Lima, e vimos um voo da Air France, e Adam disse apenas: ‘Vamos para Paris?’. Dois dias mais tarde, estavam no voo AF483 para o aeroporto Charles de Gaulle. Depois de uma pausa na Cidade da Luz, regressaram ao Reino Unido.

Então, fá-lo-iam novamente? A resposta é um retumbante sim.

“Foi muito mais fácil do que pensávamos”, diz Turner. “Nada do stress de voar, e muito mais fácil de chegar à estação. Sabe-se a que horas se parte, não se tem de ir carregado mais cedo, e os comboios viajam na sua maioria a horas”.

O par viajou com mochilas em vez de malas, para que pudessem coloca-las em prateleiras suspensas, e reservou comboios individualmente, em vez de usar um passe Interrail, para que não limitassem os seus dias de viagem.

Para aqueles que pensam em enfrentar uma viagem semelhante, eles sugerem verificar o tipo de comboio em que se pode viajar antes de fazer a reserva. "Alguns são horríveis, e outros são ótimos - tivemos um horrível de Génova a Milão, um InterCity". Podiam ter reservado um comboio melhor, “Freccia”, se tivessem planeado com antecedência.

A sua outra dica principal: “Pesquise com muito cuidado a área onde vai ficar”.

Uma odisseia de comboio como a deles significa que é provável que queira ficar perto da estação, mas, como diz Turner, muitas vezes isso significa que a área é má. Pegue numa mochila, diz ele, e caminhe meia hora mais a pé até à cidade.

Finalmente, dizem, não se preocupe muito em planear longas pausas onde haja uma mudança. Planeando o pior, reservaram uma pernoita de cada vez que tiveram de mudar de comboio. “Da próxima vez só mudaríamos de comboio - pensámos que estaríamos cansados, mas não estávamos”, diz Turner.

E se é o tipo de pessoa que precisa de planear tudo com antecedência - sinta-se à vontade para ir com o fluxo. A dupla pode ter tido de improvisar ao chegar às cidades para as taxas da época alta, mas foi esse tipo de mudança e surpresa que fez da viagem o que ela foi. Como diz Turner: “Não saber onde se vai estar dentro de dois dias é realmente agradável”.

Continue a ler esta notícia