Há cada vez mais homens vítimas de violência doméstica - TVI

Há cada vez mais homens vítimas de violência doméstica

  • CNN Portugal
  • AM com Lusa
  • 6 jun, 06:43
Prisão

REVISTA DE IMPRENSA || Entre 2021 e 2023, a APAV registou um aumento de quase 39% de pedidos de ajuda

Há cada vez mais homens a assumirem-se como vítimas de violência doméstica, avança o Jornal de Notícias, que dá conta de que, nos últimos três anos, quase 2600 homens - de um total de 5.456 agredidos - foram auxiliados pela Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV).

Entre 2021 e 2023, a APAV registou um aumento de 38,8% de pedidos de ajuda, números que estão longe de representar a realidade da situação.

Em declarações ao JN, Daniel Cotrim, assessor técnico da APAV, refere que é necessário desmistificar o preconceito e os estigmas para que as vítimas denunciem os crimes de que são alvos.

Em comunicado, a APAV indica que apesar de a prevalência do crime de violência doméstica ser muito superior sobre as mulheres, os homens também são vítimas deste crime.

A maior parte das vítimas apoiadas pela APAV entre 2021 e 2023 era do sexo feminino, 25.240 correspondendo a 81,1% do total.

Dos 5.146 crimes de violência doméstica praticados contra homens adultos, o mais expressivo foi a ameaça/coação com 1.661 (32,3%), seguindo-se das injúrias/difamação com 1.465 e dos maus tratos físicos com 1.368.

De acordo com os dados, 25,7% das vítimas tem 65 ou mais anos de idade, sendo 85% de nacionalidade portuguesa, com a maioria a residir no distrito de Faro (22,4%).

Em 20,4% dos casos a vítima é cônjuge do autor ou autora, que em 50,3% das situações são mulheres entre os 35 e os 45 anos.

Mais de 50% dos homens foram alvo de vitimização continuada (54,2%), estando nessa situação entre dois a seis anos (30%), tendo as agressões ocorrido em 61% dos casos na residência.

Segundo a APAV, os homens vítimas de violência doméstica podem ser alvo de comportamentos de controlo, agressões físicas e psicológicas.

“O medo e a vergonha surgem como a principal barreira ao primeiro pedido de ajuda. O receio do descrédito e da humilhação, que pode, muitas vezes, surgir de familiares, amigos e até mesmo instituições policiais e judiciárias, impede a decisão da denúncia da vitimação”, refere a APAV.

Nestes três anos, o número de vítimas de violência doméstica apoiadas pela APAV aumentou 22,9%, perfazendo um total de 31.117 vítimas, sendo a maioria (81,1%) do sexo feminino.

Entre 2021 e 2023, chegaram ao conhecimento da APAV um total de 64.899 crimes de violência doméstica, sendo os comportamentos violentos mais frequentes a ameaça ou coação (19.335), os maus tratos físicos (16.926), a injúria ou difamação (16.142) e a perseguição (3.952).

Continue a ler esta notícia